terça-feira, 31 de maio de 2016

Brock Lesnar: Death Clutch - Parte III (FINAL) | Literatura Wrestling

Gostou deste artigo? Então clique nos botões ao lado para o curtir! Se assim o desejar, deixe-nos um comentário no fim que nós e os visitantes agradecemos!


Com o objetivo de divulgar histórias contadas pelos próprios lutadores em livros adaptados e traduzidos pelos colaboradores deste blog, a Literatura Wrestling trás, nestes próximos meses, toda a vida de uma das estrelas mais conhecidas no mundo do wrestling atualmente num só livro.

Semanalmente será publicado uma parte do livro "Brock Lesnar: Death Clutch", escrito e publicado em 2011 pelo próprio Brock e por seu amigo de longa data, Paul Heyman, começando pelo prefácio e acabando nos agradecimentos (parte final do livro). Esperemos que gostem das histórias!


Parte III: A Espada na Minha Garganta
“EPÍLOGO"

É Domingo, dia 20 de Março, 2011, e o meu prazo para terminar este livro é amanhã de manhã. Eu iria terminá-lo com um capítulo sobre o meu combate contra Cain Velazquez. Mas depois de todos esses meses, eu ainda nem sequer assisti à gravação. Eu não quero nem pensar nisso. Eu não estou pronto ainda.

Eu não sei como abordá-la. Um monte de coisas passou pela minha cabeça. Parte de mim queria seguir em frente e esquecer. Mas o atleta em mim sabe que eu tenho que enfrentar os meus erros e aprender com eles se eu quiser o meu título de volta.

Eu sabia lá no fundo que o combate contra Cain, logo depois de ter feito a luta contra Carwin poderia ter sido um grande benefício para a minha carreira. Mas, com todos os benefícios, há consequências. A minha consequência foi uma derrota.

Eu sou humano.

Sim, eu sei. Eu não deveria ser, mas eu sou.

Eu tinha passado por muita coisa, alguns diriam "o suficiente" no ano antes do combate contra Cain. Eu fiquei doente. Depois fiquei pior. Em seguida, acabei no hospital por onze dias sem comida ou água, sendo alimentado por via intravenosa. Perdi vinte quilos. Tinha toda a minha vida "em espera". Descobri que a minha esposa estava grávida de outro bebé menino a caminho. Fiquei bom. Fiz um mini-treino. Tentei estar lá para a minha esposa, Mya e Turk, mas fiquei todo ocupado em voltar a estar em forma e ficar pronto para o meu combate contra Carwin. Fiz um campo de treinos completo, em seguida, lutei contra Carwin.

Depois disso, algum tempo de inatividade atrasado.

Mas eu continuei.

O nosso filho Duke nasceu. Eu tenho que cuidar da nossa quinta, mas algo tinha que mudar. Eu não sou muito bom a ser multi-tarefa. Eu sou um indivíduo focado. Eu tinha muita coisa a acontecer, e passei por muita coisa durante todo o ano.

Porque é que eu perderia naquela noite? Claro e simples. Naquela noite, naquela arena, Cain Velasquez era um lutador melhor do que eu.

Há uma velha expressão sobre a queda de um cavalo. Sobes de volta, e montas esse animal mau de volta para a cidade. Não estou a dizer que eu estou feliz em perder o título da UFC, mas eu estou a dizer que me ajudou a concentrar-me novamente sobre o quanto eu quero ser campeão.

Ao derrotar-me pelo título, Cain Velasquez rompeu o manguito rotador (tendão que estabiliza o ombro)de tal maneira que precisou de ser operado e ficar um ano de fora. Cain estava programado para combater contra o pretendente número um, Junior Dos Santos, mas esse combate teve de ser adiado.

A UFC sabia bem que Dos Santos e eu sentíamos que o "Título Temporário" era um campeonato falso, um espaço reservado até que o verdadeiro campeão regressasse. Deixei os meus sentimentos sobre isso conhecidos quando Shane Carwin estava a ser chamado de "O Campeão Temporário."


Dana e Lorenzo surgiram com uma grande ideia, e fizeram-me uma oferta que eu não podia recusar. Se eu concordasse em treinar no reality show The Ultimate Fighter, seria definido que eu lutasse contra o outro treinador no final. Eu aceitei, porque o outro treinador era Dos Santos, e o vencedor do nosso combate enfrentaria Velasquez.

Então eu fiz o que tinha que fazer. Eu mudei-me para Las Vegas durante seis semanas, trouxe a minha família comigo, e treinei uma equipa de jovens combatentes famintos. Issocolocou-me no caminho rápido para obter o meu título de volta.

Eu quero ser o campeão pesos-pesados da UFC novamente. Há também algumas outras coisas que eu gostaria de tomar cuidado antes de desaparecer e me tornar no Agricultor Brock, mas eu gosto de conduzir as coisas um passo de cada vez. O título da UFC está na minha mira. Eu preciso de puxar aquele gatilho primeiro.

E sobre os outros objetivos?

Bem, nós teremos de discutir isso noutra hora.

Talvez noDeathClutch 2!
“AGRADECIMENTOS"

Os meus agradecimentos a todos que fizeram esse livro fazer a pena ser lido, e a minha vida o que ela é. A minha esposa, Rena, e os meus filhos, Mya, Turk e Duke; a minha mãe e o meu pai,por sempre estarem lá; os meus irmãos e irmã;John, Jeff, Dick, e Alberta Schiley, por me fazerem parte da família deles; Bismarck State Collegee os meus treinadores, Robert Finneseth e EdKringstad, a minha professora Mary Ann Durrick, e os meus colegas de equipa da BSC; Jesse Sabot, Mike Eckert, e as suas famílias; J. Robinson e Marty Morgan, por acreditarem em mim e puxarem-me para o meu melhor; todos os meus colegas de equipa da Universidade de Minnessota, por passarem por tudo comigo; Brad Rheingans, o meu “irmão”; Vince McMahon, por me ter dado a minha oportunidade; Danny Davis,Gerry Brisco, Jack Lanza, e Jim “J.R.” Ross; todos os homens com quem eu fui inflexível durante o meu início e a minha saída da WWE—mantenham os seus recibos e entrem na fila; John Laurinaitis, por me ter tirado do inferno de Louisville; Dana White e Lorenzo Fertitta, por acreditarem em mim como um atleta; todos aqueles que me ajudaram durante o caminho da minha carreira no MMA,Marty, Greg Nelson, Eric Paulson, Rodrigo“Comprido” Medeiros, Luke Richesson, e todos os parceiros de treino que me levaram ao limite e se sacrificaram por mim; e os meus patrocinadores que me apoiaram.

Eu também quero agradecer a David Olsen, o meu advogado de longa data e empresário, o seu colega, BrianStegeman, e a sua firma, Henson & Efron, P.A.,por estarem ao meu lado nos tempos bons e maus; PaulHeyman, por viver algumas das histórias e escrever este livro comigo; Scott Waxman, o meu agente literário; e Matt Harper, o meu editor, e a equipa daHarperCollins.

Um agradecimento especial ao Hospital Medcenter One emBismarck, Dakota do Norte, à Clínica Mayoe a todos os extraordinários médicos e enfermeiras que me aturaram e se certificaram de que eu estivesse vivo para contar a minha história.

Obrigado a todos vocês e a Webster, Dakota do Sul, e a todos os outros que foram partes importantes da minha vida não mencionada aqui.

Traduzido por: Kleber (nWo4Life)

Adaptado por: FaBiNhO

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enviar um comentário

O blog tem os comentários abertos a todos aqueles que gostem de wrestling e o queiram discutir com responsabilidade e sobretudo de maneira construtiva.

Não são permitidos insultos pessoais entre leitores, bem como a autores do blog. Não é permitido spam. Qualquer comentário fora do contexto, fica a cargo da administração a decisão da sua permanência.

4 comentário(s):

nWoMember disse...

Obrigado pela tradução.É pena o livro já ter acabado.

Anónimo disse...

Uma pena quando ele se tornará apenas no Agricultor Brock. Sinal que não existirá mais a oportunidade de assistir uma grande atração, rara, e que faz lembrar um dia o quão bom foi vê-lo no ringue com outros grandes aristas no passado.

Brock Lesnar é o cara!



Anónimo disse...

e que tal continuarem com a traduçao de outros livros, como o de Jericho por exemplo.

Anónimo disse...

O site fez tradução do Chris Jericho sobre Chris Benoit no passado.

http://wrestlingnoticias.blogspot.com.br/search/label/Benoit%20por%20Chris%20Jericho

Mas seria interessante fazer mais do Jericho. Eu queria saber as partes que ele escreveu sobre Larry Zbysko e "Superstar" Billy Graham.

10:10 - 15:51:

https://www.youtube.com/watch?v=YDyUOzNqZ5Q