terça-feira, 24 de maio de 2016

Brock Lesnar: Death Clutch - Parte III (Cap. 34) | Literatura Wrestling

Gostou deste artigo? Então clique nos botões ao lado para o curtir! Se assim o desejar, deixe-nos um comentário no fim que nós e os visitantes agradecemos!


Com o objetivo de divulgar histórias contadas pelos próprios lutadores em livros adaptados e traduzidos pelos colaboradores deste blog, a Literatura Wrestling trás, nestes próximos meses, toda a vida de uma das estrelas mais conhecidas no mundo do wrestling atualmente num só livro.

Semanalmente será publicado uma parte do livro "Brock Lesnar: Death Clutch", escrito e publicado em 2011 pelo próprio Brock e por seu amigo de longa data, Paul Heyman, começando pelo prefácio e acabando nos agradecimentos (parte final do livro). Esperemos que gostem das histórias!


Parte III: A Espada na Minha Garganta
“O PEQUENO LONGO CAMINHO DE VOLTA"

A UFC queria que eu combatesse o mais rápido possível, mas isso significava esperar até o início do verão. Em primeiro lugar, eles tinham que coroar outro campeão temporário. Essa decisão foi tomada em Dezembro, quando ninguém sabia se um dia eu seria capaz de lutar novamente. Dana, Lorenzo e Joe Silva escolheram Shane Carwin e o homem que está com uma ferradura cravada no rabo, Frank Mir, para lutar em Nova Jersey, no UFC 111. Se os médicos tivessem que realizar a cirurgia drástica em mim, esse combate teria sido para determinar o novo campeão de pesos-pesados do UFC. Se eu pudesse regressar, o combate entre Carwin e Mir seria pelo campeonato temporário, e o vencedor iria-me enfrentar pelo título verdadeiro, a meio do ano.

Eu não culpo a UFC por continuar a promover o combate pelo título temporário, mesmo depois de eu conseguir autorização para regressar. Nunca sabe o jogo da luta. Eu poderia ter voltado aos treinos e acabar de regresso ao hospital. Essa possibilidade foi sempre iminente. Se eles retirassem a publicidade sobre o título temporário e eu ficasse doente de novo, a UFC teria que começar tudo de novo, e isso é muito tempo para ficar sem um campeão de pesos-pesados.

Eu trouxe Lucas Richesson a tempo inteiro, como um treinador de força e condição física, e ele acabou sendo um dos mais valiosos membros da minha equipa de treinos, uma vez que o seu trabalho era reconstruir-me num atleta forte, mas saudável. Luke e eu já tínhamos passado por esta estrada antes, quando eu estava a tentar ir para a NFL após ter aleijado o meu corpo naquele acidente de mota. Ali estávamos nós novamente, desta vez a lutar contra o meu próprio corpo, que tinha-me atacado por dentro.

Luke colocou-me num programa e eu comecei a ganhar massa muscular magra. Eu estava-me a sentir muito mais saudável do que antes. Gostaria de brincar muito sobre nunca comer os meus legumes antes, mas a diverticulite mudou a minha visão sobre um monte de coisas, e uma das mudanças importantes era que eu estava a cuidar tudo o que passou pelos meus lábios. Eu trabalhei no duro por muitos anos para construir o meu corpo, e eu acabei deitado, delirante, todo drogado de morfina porque eu tive diverticulite. Quando passas rapidamente de ser um guerreiro de 130 Kg sem uma única dúvida na tua mente, para estar doente, impotente e dependente, é melhor mudar a tua visão ou então não aprendeste a lição.

Eu aprendi a minha. Ponto.

Eu não queria apenas recuperar por causa da minha carreira de lutador. O meu filho Turk estava a ficar maior e mais forte a cada dia, e eu queria que ele e a minha filha, Mya, crescessem com um pai saudável com quem eles pudessem fazer as coisas. Rena estava grávida do nosso filho Duke. Eu estava motivado por uma série de razões, mas a razão mais importante era que eu queria voltar a ser o "Brock Lesnar" que eu sabia que era por causa de que a minha esposa e as crianças merecem o melhor.

A UFC pediu-me para estar presente durante o combate Carwin vs.Mir para que pudéssemos promover a luta de Unificação do Título, que acabou por ser marcada para 3 de Julho, em Las Vegas. Eu sabia que Dana e Lorenzo estavam felizes, porque ou Carwin iria derrotar Frank e ir para 12-0, para que pudessem promover o Regresso de Brock Lesnar contra este invicto Rei de Knockouts, ou Frank Mir iria ter sorte novamente, e nós iríamos para o terceiro grande combate entre mim e Frankie.

Carwin nocauteou Frank na primeira ronda, e eu não posso dizer que estou surpreendido. Frank Mir estava tão obcecado comigo, ele era como um assediador. Tudo na sua vida girava em torno de regressar para o Octógono contra mim, e ele não estava a olhar para o seu adversário. Não podes fazer isso, especialmente quando estás a lutar contra alguém com as mãos pesadas como Shane Carwin.

Dana nunca me disse que ia-me chamar para o Octógono quando eles estavam a entrevistar o vencedor do combate, mas eu sabia que isso estava para vir. A última vez que alguém tinha-me visto na UFC foi depois de eu derrotar Frank, e eu estava a dar ao público o dedo do meio e a irritar os patrocinadores. Eu não estava à procura de controvérsia com Shane Carwin, mas eu não estava a fugir disso também. Quando Carwin disse que ganhar o Campeonato Temporário era uma grande realização, eu só disse como era. É um título falso e aquilo é um cinturão falso. Na verdade, eu senti-me mal por ele se isso era realmente o maior momento da sua vida.

Treinar para Shane Carwin, trouxemos Peter Welch, um treinador de boxe famoso de Boston. Mesmo que eu tivesse quebrado a cara de Heath Herring com um soco e nocauteado Randy Couture, eu ainda não tinha aprendido o núcleo básico no boxe. Eu queria encontrar um treinador de boxe de base para me ajudar a aprender a colocar os meus pés debaixo de mim. Eu tive esta grande base de wrestling, mas como posso usar isso para a minha vantagem, e combinar os meus anos de formação como um lutador com algo tão simples como uma nova postura para que, quando eu dou um soco, eu estou a bater dos meus pés para as minhas mãos. Eu queria aprender os fundamentais, e Peter era a pessoa certa para me ensinar essas coisas.

Peter traz muita energia em tudo o que faz, e isso é contagiante. Ele encaixa-se bem com a minha equipa técnica. Essa era outra chave. Todos os meus treinadores têm de respeitar o fato de que é Marty Morgan quem dá as ordens. Já vi situações com outros lutadores onde existem muitos chefes e não há índios suficientes. No meu ginásio, Marty é o patrão. Nós fazemos as coisas à maneira dele, porque ele sabe o que está a fazer. Ele provou isso a mim na Universidade de Minnesota. J Robinson pode ter sido tecnicamente o treinador principal, mas Marty era o único que trabalhou no duro para desenvolver essa ligação comigo. Hoje não é diferente. Eu confio no Marty porque ele ganhou a minha confiança. Peter Welch foi utilizado para comandar o programa, mas ele adaptou-se muito rapidamente, e ele tornou-se num grande trunfo.


Com a minha esposa grávida, eu sabia que poderia pedir mais tempo antes de ter que defender o meu título contra Shane Carwin. Diabos, eu acabei de regressar da minha cama de morte. A UFC teria-me concedido qualquer extensão de tempo razoável que eu solicitasse, mas eu queria voltar a entrar no Octógono. É a velha expressão sobre a queda de um cavalo. Tens que voltar a subir no cavalo até que saibas que és o mestre de novo. Eu não sei quantos combates mais eu iria comprometer-me na minha carreira de lutador, mas eu sei que quando a minha carreira acabar será porque eu tomei a decisão de que o meu tempo acabou. Eu não vou deixar o destino tomar essa decisão por mim. Eu quero ver a minha carreira até o fim, nos meus próprios termos.

Eu senti-me da mesma forma sobre Shane Carwin a desafiar-me pelo meu título. Eu apenas não o via como a pessoa a terminar o meu reinado de campeão. Eu não estava a trabalhar tão duro, a sacrificar este tempo de qualidade com o meu filho e a colocara minha esposa noutra gravidez praticamente sozinha, apenas para ser nocauteado por Shane Carwin.

Trouxemos um monte de lutadores com mãos pesadas para imitar Carwin, porque sabíamos que ele não só tinha um soco com poder de nocaute, mas também foi um Campeão Nacional da Divisão II. Eu sabia que o meu wrestling era superior ao dele, mas aquelas mãos eram algo para se lidar. Desde que eu pudesse evitar que Carwin me acertasse no queixo, não havia nada para se preocupar. Eu estava determinado a não ser atingido.

Logo antes do combate, o árbitro Josh Rosenthal disse-nos, "Isto é pelo campeonato de pesos-pesados da UFC, então eu vou dar a vocês a oportunidade de um lutador. Desde que vocês possam responder às minhas perguntas, e inteligentemente se defenderem, eu vou deixar o combate seguir em frente."

O meu maior problema entrando no Octógono contra Carwin era que eu estava tão determinado a não ser atingido, para evitar ser nocauteado, que entrei na jaula cheio de tensão. Não importa quem és, ou quão duro achas que podes ser, isso é uma receita para o desastre. Na verdade, quase me custou o combate.

Aquela primeira ronda foi um teste verdadeiro. Shane Carwin bateu-me duramente, e ele fez-me recuar. Eu senti a campainha a tocar, mas eu fiquei calmo. Eu não sei como descrever isto, mas esse tempo todo em que Carwin estava a bater em mim, isso quase que me acordou, fez-me lembrar quem eu sou. Eu estava nervoso que Josh Rosenthal fosse parar o combate? Sim, eu estava.

Eu estava a responder a ele, mas eu também estava a defender-me e a esperar por uma abertura para sair da situação. Eu não podia ouvir a minha equipa, e é aí quando um lutador descobre o quanto coração ele tem. Todo o treino... todos os treinadores ... todos os parceiros de treino... todos os combates de treino... nada disso importa a menos que tenhas o coração de um campeão. Quando tens um atleta forte e grande como Shane Carwin a fazer tudo que pode para derrotá-lo, tu podesou ceder sob a pressão ou resistir à tempestade.

Com cada soco que ele dava, eu poderia dizer que Carwin estava a amaciar os seus golpes. Cada soco estava um pouco mais leve do que o anterior. De muitas maneiras, aquela primeira ronda foi exatamente como a minha batalha com a diverticulite. Eu só tinha que perseverar. Eu tive muita sorte de que o combate não foi interrompido. Eu não acho que deveria ter sido, mas já houve más decisões feitas antes.

Quando Carwin ficou esgotado a dar socos um após o outro, eu fiz a minha jogada. Eu fiquei em pé e pressionei-o contra a grade. Eu só queria sobreviver a esta primeira ronda. Seria resumir o que eu tinha feito ao longo dos últimos oito meses. Eu seria capaz de voltar para o meu canto e reagrupar, mas também iria destruir a confiança de Carwin. Ele deu-me com tudo o que tinha e não conseguiu derrubar-me. Eu podia sentir a respiração dele enquanto eu apenas imobilizei-o contra a jaula. Ele estava acabado. Nunca ninguém tinha sobrevivido a uma primeira ronda contra ele, e eu não só consegui isso, mas eu aguentei tudo o que ele fez e ainda estava sobre os meus pés controlando-o quando a ronda terminou.

Assim que voltei para o meu canto, Marty perguntou como estava a correr. Eu sorri para ele, e disse: "Eu estou a ir muito bem." Marty disse: "Bom, depois acaba com ele!" Eu tinha acabado de levar uma coça, mas eu sentia-me bem, quase aliviado. Eu estava tão preocupado em não ser nocauteado depois de estar fora do Octógono por um ano, e agora eu sabia que não havia nenhuma maneira de que o meu adversário iria transformar a sorte num nocaute. Há duas palavras que simplesmente não andam juntos no idioma inglês... CANSADO e PERIGOSO. Shane Carwin estava cansado.


Passados dois minutos da segunda ronda, e estava tudo acabado. Eu derrubei Carwin, e obriguei-o a desistir num estrangulamento. Assim como no UFC 100 contra Frank Mir, foi Comprido quem surgiu com a estratégia de como acabar com Carwin. Nós achamos que o treino de Carwin iria estudar tudo o que era gravações que pudessem sobre mim, e não havia muitas, porque eu só tinha quatro combates na UFC. Carwin ia ter cuidado com o meio crucifixo que eu usei contra Frank Mir. Comprido pensou logo que assim que levasse Carwin para o chão e fizesse qualquer tipo de estrangulamento na cabeça, Carwin iria usar o seu braço, porque esse é o movimento natural de defesa. "Ele vai querer usar o corpo dele em direção ao seu," Comprido ficava a dizer-me enquanto nós trabalhámos na variação do estrangulamento uma e mais vezes no campo de treinos, “mas se espalhares e usares a tua base de wrestling, tu irás fazê-lo desistir."


Quando Joe Rogan entrevistou-meapós o combate, eu não disse nada de controverso. Como sempre faço, eu falei com o coração. "Eu sou um homem abençoado por Deus", disse eu ao mundo, e eu realmente sentia-me assim. A minha esposa estava pronta para dar à luz ao meu filho Duke... eu tinha acabado de sair da minha cama de morte e defendi o meu título... e eu passei por aquela primeira ronda para derrotar Shane Carwin. Eu estava num ótimo lugar. O que mais eu poderia querer da vida?

Traduzido por: Kleber (nWo4Life)

Adaptado por: FaBiNhO

No próximo capítulo: No próximo capítulo, a parte final do livro sobre Brock Lesnar! Se você perder o próximo capítulo, ganhará uma passagem só de ida para Suplex City!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enviar um comentário

O blog tem os comentários abertos a todos aqueles que gostem de wrestling e o queiram discutir com responsabilidade e sobretudo de maneira construtiva.

Não são permitidos insultos pessoais entre leitores, bem como a autores do blog. Não é permitido spam. Qualquer comentário fora do contexto, fica a cargo da administração a decisão da sua permanência.

2 comentário(s):

Homer J. Simpson disse...

O Brock Lesnar é foda , luta pra crlho , ele vai voltar pra WWE no Raw em Agosto e vai quebrar todo mundo lá na porrada !

Anónimo disse...

^

Brock Lesnar >>>>>>>>>>>>> Todo o roster atual.

Nunca vi na minha vida um Pro Wrestler tão superior aos outros na WWE.

O único Superstar atual que seria Main Eventer na Golden Era e Attitude Era.