terça-feira, 17 de maio de 2016

Brock Lesnar: Death Clutch - Parte III (Cap. 33 - Parte 2) | Literatura Wrestling

Gostou deste artigo? Então clique nos botões ao lado para o curtir! Se assim o desejar, deixe-nos um comentário no fim que nós e os visitantes agradecemos!


Com o objetivo de divulgar histórias contadas pelos próprios lutadores em livros adaptados e traduzidos pelos colaboradores deste blog, a Literatura Wrestling trás, nestes próximos meses, toda a vida de uma das estrelas mais conhecidas no mundo do wrestling atualmente num só livro.

Semanalmente será publicado uma parte do livro "Brock Lesnar: Death Clutch", escrito e publicado em 2011 pelo próprio Brock e por seu amigo de longa data, Paul Heyman, começando pelo prefácio e acabando nos agradecimentos (parte final do livro). Esperemos que gostem das histórias!


Parte III: A Espada na Minha Garganta
“O QUE ESTÁ ERRADO COMIGO?"

Rena levou-me para fora do hospital Canadiano, colocou-me no banco dos passageiros, e estávamos fora. Como Chad, ela só estava a conduzira 160 Km/h, o que me deixou um maluco da treta. O raio do veículo tinha um governador sobre ele. Não poderia ir mais rápido.

É um passeio de carro de quatro horas para Bismarck do hospital Canadiano onde eu estava, e a dor naquela viagem era insuportável. Eu tenho um limite alto para a dor maior do que a da maioria das pessoas, e eu não pude lidar com isso. Parecia que eu tinha levado um tiro de espingarda no estômago, e então alguém derramou para dentro um pouco de sal e Tabasco e agitou tudo desagradavelmente com uma forquilha.


Rena levou-me a Bismarck, e poderíamos dizer que as pessoas no hospital foram diretos ao ponto. Passados vinte minutos, eu já estava a receber uma tomografia computadorizada e anticorpos. Poucos minutos depois, os médicos diagnosticaram-me com diverticulite. Foi-me dito que eu tinha um buraco no meu estômago. Eu estava a ser envenenado por dentro com os meus próprios resíduos corporais. Não me admira que eu sentiacomo a morte.

Os médicos em Bismarck sabiam quem eu era eo que eu fazia para viver. Isso significa que eles sabiam que cortarem-me iria acabar com a minha carreira, e eles não queriam fazer isso se pudesse ser evitado. Os médicos tomaram uma decisão.

Eles disseram que eu tinha oito horas. Se a medicação parecia estar a funcionar sobre a infecção, eles iriam-me dar mais um bocadode tempo. Se não estivesse a funcionar, eles seriam forçados a recomendar a cirurgia imediata para remover uma grande parte do meu cólon.

Passei as próximas sete horas no hospital com febre de 40 graus. Os médicos começaram a discutir a cirurgia. Estava-se a tornar numa situação de vida ou morte.

Com quinze minutos a restar, a minha febre finalmente baixou. Eu não tive que passar pela cirurgia radical. Eu tenho um indulto.

Se o médico que fez a decisão de esperar não estivesse de plantão naquele dia quando eu cheguei, eu teria que usar uma bolsa de colostomia por vários meses, e teria que passar por várias cirurgias. Ele tomou uma decisão brilhante. Ele e os seus vinte e oito anos de experiência gastrointestinal salvaram a minha vida... ele deu-me a oportunidade de ter uma vida boa com a minha esposa e os meus filhos. Eu nunca vou esquecer isso. Obrigado, Dr. Bruderer. Irei sempre lembrar dele pelo que fez por mim e pela minha família.

Embora eu tivesse evitado cirurgia imediata, isso não mudava o facto de que eu ainda tinha um buraco no meu estômago, e que estava lentamente a matar-me. Eu estava a morrer.

Passei os próximos onze dias no hospital sem alimentos ou líquidos. Tudo que eu tinha eram uma solução intravenosa e uma tonelada de medicação para a dor. Eu estava a vivernuma névoa.

Quando eu olhei à volta, tudo o que via eram os meus tubos intravenosos e a minha mulher sentada ao meu lado. Rena disse-me que os meus advogados estavam ao telefone com ela constantemente, mas eu não sabia disso. Ela disse-me que eles tinham estado em contato com Dana White, que ofereceu um helicóptero do UFC para me levar para a Clínica Mayo.Ela disse-me que Marty estava a caminho. Eu não sabia disso também. Como eu poderia saber de alguma coisa? Eu estava tão medicado que eu não conseguia ficar acordado, e quando eu estava acordado, tudo o que eu conseguia pensar era que eu estava a morrer.

Uma vez, quando eu acordei, eu pegueino meu telemóvel, e eu comecei a ligar para todos... os meus gerentes, advogados, treinadores, podem nomear o que quiserem... e eu despedi-os todos. Se o teu número estava no meu telemóvel, ou eu parei de trabalhar contigo ou despedi-te.

Assim que voltei a mim, eu reatei essas relações. Eu era um rabugento quando estava doente, e de vez em quando eu dou uma boa risada sobre o que eu fiz da minha cama de hospital. É engraçado, mas nem todas as pessoas do outro lado desses telefonemas têm um senso de humor sobre isso, mesmo até hoje. Ah bem. Espero que superem isso de alguma forma. Eu vou admitir, eu estava com um humor muito mau, e não fazia ideia do que estava a fazer durante a maioria dessas chamadas.

Rena só ficava a dizer-me para concentrar em pensamentos positivos, mas enquanto eu estava lá naquela cama de hospital, decidi-me retirar. Uma das pessoas que eu liguei para o telefone foi Dana White. Ele é o único homem que se riu sobre as chamadas que fiz quando eu estava no hospital. Isso é apenas a personalidade de Dana. Eu gosto disso nele, porque eu tenho certeza que ele ficou com as orelhas quentesdurante a semana e meia que eu estava acamado. Lembro-me de dizer a Dana que eu estava-me a retirar. Nós os dois rimos sobre essa conversa agora. Não tanto na época. Mas certamente agora.

Eu queria viver. Eu queria sair do hospital, e estar com a minha família. Tudo o resto era secundário para mim. Eu estava a tornar-me num agricultor. Sem brincadeiras. Todos ainda me perguntam se eu estava com medo de perder a minha carreira no UFC, nunca ter a oportunidade de ver o meu reinado com o título por todo o caminho. Eu não estava tão preocupado com isso, porque quando eu estava naquela cama de hospital, eu já me tinha conformado com a noção de ser o Agricultor Brock.

No final dos meus onze dias de internação, eu fui levado para o meu carro porque eu estava fraco demais para andar. E foi aí quando realmente me dei conta. Quatro meses atrás eu era invencível, e agora estou numa cadeira de rodas. Olhei para Rena e eu disse, "o homem mais malvado do mundo, não é?", e eu ri.

Chegar a casa naquele dia foi mais difícil para mim do que estar no hospital. Os analgésicos estavam a enfraquecer-me, e cada vez que me movia, a dor piorava. Eu sentia cada solavanco na viagem. Mas pior do que qualquer dor, estava a pensar sobre a condição física em que estava. Eu não queria olhar no espelho, porque eu estava com medo de que não reconheceria o homem a olhar de volta para mim. Eu sabia que teria de encarar os fatos, mais cedo ou mais tarde. Então, lentamente, eu fiz o meu caminho até o espelho de corpo inteiro no nosso quarto. Olhei para o meu reflexo, não acreditando que era realmente eu, e murmurei, "Oh sim, eu sou o homem mais malvado do mundo. O campeão de ultimate fighting.”

Rena estava atrás de mim, e eu a ouvi sussurrar: "Tu és."

Eu estava a ser sarcástico. Ela não estava.

Foi nesse exato momento quando eu me virei e decidi que eu ia voltar a montar o cavalo. Acabou-se o sentir pena de mim mesmo. Era hora de assumir o controlo de tudo novamente. Se eu iria retirar-me, eu ia retirar-menos meus próprios termos, não por causa de alguma doença estúpida que me abateu.

Um buraco no meu estômago. Eu ainda não consigo acreditar.

Algumas semanas depois, eu fui para a Clínica Mayo para obter uma avaliação completa. Geralmente, leva muito mais tempo do que isso para entrar na mundialmente famosa Mayo, mas Dana chamou os meus advogados com alguns contatos, e através dessas conexões eu fui deslocado para o topo da lista.

Depois do que pareceu uma interminável série de testes, os médicos da Mayo informaram-me que a minha melhor oportunidade para uma recuperação completa seria submeter-me a uma cirurgia. Eles queriam remover cerca de trinta centímetros e meio do meu cólon. Eu queria saber qual era a segunda melhor oportunidade, porque não havia nenhuma maneira de eu os deixarme cortarem.

Os médicos disseram que eu estava fora de perigo imediato e que então poderíamos sempre fazer a cirurgia mais tarde. Isso era o suficiente para mim.

Eu perguntei se eu poderia exercitar-me, e eles disseram-me que estaria tudo bem desde que eu não me cansasse. Claro, isso significava que eu estava no ginásio no dia a seguir, mas eu era inteligente. Tudo o que fiz foi andar na esteira um pouco. Era um inferno estar numa cadeira de rodas e, pelo menos eu estava a fazer algo.

Deveriam ter-me visto. Eu parecia uma porcaria. Fiquei a olhar para uma fotografia antiga minha quando eu lutei na faculdade com 117 Kg. Eu estava magro e forte. Assemelhar-me novamente à forma como eu parecia naquele quadro tornou-se o meu objetivo.

Eu tinha de voltar àquela forma, e isso significava uma mudança completa de estilo de vida. Teria de ir contra o propósito da minha recuperação para ganhar massa muscular, e acabar com os mesmos buracos no meu estômago que quase me mataram pela primeira vez. Eu não respeito qualquer um dos meus adversários, mas tenho muito respeito pela diverticulite. Eu e a diverticulite mantivemos a distância, e não tenho nenhum desejo de uma desforra.

Eu mudei a minha dieta completamente. Mais legumes. Muito mais fibra. Nada de alimentos processados ​​ou conservados.

Então eu comecei a trabalhar um pouco mais no ginásio todos os dias. Cardio. Alguns pesos leves. Um pouco mais a cada dia.

Aproximei-me da minha doença da mesma forma que eu aproximei-me de um combate. Eu queria vencê-la. Eu queria mandar a minha doença para o tapete da mesma maneira que derrubei Frank Mir no UFC 100. Eu estava no combate da minha vida, e cada dia era mais uma ronda.

Quando regressei à Clínica Mayo para uma verificação em Janeiro de 2010, eles fizeram outra tomografia computadorizada. Os médicos não podiam acreditar no que viam. Eles não podiam acreditar que o meu estômago poderia-se curar sem cirurgia da maneira que ele fez. Chamaram isso de uma recuperação notável.

Eu gostaria de poder expressar o que a notícia me fez sentir. Eu não tive que abrir as minhas entranhas. Eu não tive que usar uma bolsa de colostomia. Eu poderia brincar com os meus filhos, ser o homem que eu era, só que mais inteligente, melhor e mais saudável. Eu tinha recebido um novo sopro de vida.

Eu era realmente um homem que tinha sido abençoado por Deus.

A minha esposa maravilhosa mostrou-me, mais uma vez, que ela iria ficar ao meu lado, não importa o quê. Eu tinha duas crianças saudáveis, e tinha acabado de saber que um terceiro, o meu filho Duke, estava a caminho. Eu iria lutar novamente. E agora,tinha um novo foco: Estava determinado a regressar da minha doença melhor e mais forte do que nunca.

Por mais que eu não pudesse esperar para voltar para o treino e regressar ao Octógono, eu quero que todos entendam uma coisa. Sim, eu queria ser o maior peso-pesado que o desporto já tinha visto. Sim, eu estava determinado a voltar mais forte, mais saudável, mais dominante do que antes. Sim, eu queria provar ao mundo que eu era o maior campeão do UFC de todos os tempos.

Mas o que era mais importante para mim foi que eu queria ser um marido melhor para a minha esposa e um melhor pai para os meus filhos. Seria ótimo ser o melhor lutador do UFC de sempre, mas nada disso significa algo sem a minha família. Eles são tudo para mim, e eles sempre serão a minha primeira prioridade. Eu odiei aquilo que passei, mas fez-me ser grato pela minha família ainda mais.


E assim, com o apoio da minha família, eu preparei-me para o meu regresso. Se eu pudesse derrotar a diverticulite, não havia um homem vivo que ia ficar no meu caminho.

Traduzido por: Kleber (nWo4Life)

Adaptado por: FaBiNhO

No próximo capítulo: No próximo capítulo, Brock Lesnar nos contará sobre seu retorno ao octógono! Se você perder o próximo capítulo, ganhará uma passagem só de ida para Suplex City!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enviar um comentário

O blog tem os comentários abertos a todos aqueles que gostem de wrestling e o queiram discutir com responsabilidade e sobretudo de maneira construtiva.

Não são permitidos insultos pessoais entre leitores, bem como a autores do blog. Não é permitido spam. Qualquer comentário fora do contexto, fica a cargo da administração a decisão da sua permanência.

0 comentário(s):