terça-feira, 19 de abril de 2016

Brock Lesnar: Death Clutch - Parte III (Cap. 30) | Literatura Wrestling

Gostou deste artigo? Então clique nos botões ao lado para o curtir! Se assim o desejar, deixe-nos um comentário no fim que nós e os visitantes agradecemos!


Com o objetivo de divulgar histórias contadas pelos próprios lutadores em livros adaptados e traduzidos pelos colaboradores deste blog, a Literatura Wrestling trás, nestes próximos meses, toda a vida de uma das estrelas mais conhecidas no mundo do wrestling atualmente num só livro.

Semanalmente será publicado uma parte do livro "Brock Lesnar: Death Clutch", escrito e publicado em 2011 pelo próprio Brock e por seu amigo de longa data, Paul Heyman, começando pelo prefácio e acabando nos agradecimentos (parte final do livro). Esperemos que gostem das histórias!


Parte III: A Espada na Minha Garganta
“DE VOLTA À CARGA"

O UFC 87 estava agendado para dia 9 de agosto de 2008, no Target Center em Minneapolis, o primeiro evento do UFC no estado de Minnesota. Eu ia combater na minha cidade natal adotada, a alguns quilómetros de distância do campus da UM, onde eu tinha combatido pelos Gophers.

Eu iria, originalmente, enfrentar o UFC Hall of Famer Mark Coleman, que tem um passado forte de wrestling e teve combates por todo o mundo, mas ele sofreu uma lesão um pouco antes do evento e teve de ficar de fora. Com Coleman fora, o UFC perguntou-me se eu queria lutar contra o "Cavalo Louco do Texas", Heath Herring. Eu nem sequer pensei sobre isso antes de eu dizer que sim. Eu disse a Dana quando nos conhecemos a primeira vez que eu lutaria contra qualquer um que eles pusessem à minha frente, e eu quis dizer isso. Eu não estava interessado em construir um currículo cheio de vitórias fáceis. Eu vim para o UFC para lutar, e eu estava disposto a entrar no Octógono com qualquer um.

Para além disso, eu sou um homem de negócios. Há pouco dinheiro na parte de baixo do cartaz... mas há um monte de dinheiro no topo do cartaz. Qual deles vocês iriam? O meu objetivo nunca foi ser a terceira luta no cartaz da WWE, e isso é um ambiente em que os vencedores são predeterminados. No UFC, os resultados são a valer. Vocês colocam a vossa capacidade atlética e desejo de sucesso e de vitória contra o desejo do outro atleta treinado para ter sucesso e vencer. Um homem prossegue, o outro cai um ou dois degraus. Continuem a seguir, cheguem ao topo, ganhem dinheiro.

E como Curt Hennig ensinou-me, "Entrar para sair."

Eu sou um atleta de muito dinheiro. Isso não é o meu ego a falar. É um fato. É assim que eu me vejo. Se eu pensasse em mim de forma diferente, eu não seria um atleta de muito dinheiro. Eu seria apenas alguém a imaginar como seria ser um cabeça de cartaz. Eu sonho, assim como qualquer outro. Eu também fui atrás dos meus sonhos e os fiz virar realidade.

Heath Herring não era desleixado. Ele era um lutador com a reputação de durão, que ele ganhou a lutar contra lutadores de alto nível como Fedor, Nogueira, Kongo, Cro Cop, Belfort e Kerr. Heath estava 43-27-1 antes do nosso combate. Isso é muita experiência no jogo da luta. Este era um homem que sabia o seu caminho em torno de cada polegada daquele Octógono. Para mim, era apenas o meu segundo combate no UFC.

Eu não acho que Heath levou-me a sério, e isso esfregou-me o caminho errado. Ele olhou para mim como se eu fosse um novato, um lutador da WWE que não pertencia no Octógono com um veterano experiente como ele. Ele agiu como se estivesse a rebaixar-se ao lutar comigo, e eu estava determinado em fazê-lo comer as suas próprias palavras. Tenho a certeza de que, para os seus amigos e familiares, Heath é um “homem bom”, mas eu simplesmente não gostava dele.

Tenho a certeza de que Heath Herring não gosta de mim também... afinal de contas, eu parti o rosto dele.



Eu nunca quero tirar a capacidade de alguém de ganhar a vida, mas tenho de admitir que gostei daquele soco. Um golpe, e Herring estava a cambalear para trás, a cair sentado, com um osso orbital partido. Se ele não tivesse sido um filho da mãe tão difícil, o combate teria sido interrompido ali. Mas, por três rounds, não importa o quanto desse cabo dele, ele continuava a voltar para mais. Heath tomou aquela surra como um homem, e ele nunca sequer pensou em desistir. Eu tenho de reconhecer isso.Ele, pelo menos, mereceu aquilo.

Eu venci por decisão unânime a minha primeira vitória no UFC. Heath Herring nunca mais combateu.


Traduzido por: Kleber (nWo4Life)

Adaptado por: FaBiNhO

No próximo capítulo: No próximo capítulo, Brock Lesnar nos contará sobre sua luta contra Randy Couture! Se você perder o próximo capítulo, ganhará uma passagem só de ida para Suplex City!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enviar um comentário

O blog tem os comentários abertos a todos aqueles que gostem de wrestling e o queiram discutir com responsabilidade e sobretudo de maneira construtiva.

Não são permitidos insultos pessoais entre leitores, bem como a autores do blog. Não é permitido spam. Qualquer comentário fora do contexto, fica a cargo da administração a decisão da sua permanência.

0 comentário(s):