quinta-feira, 24 de março de 2016

Progress Wrestling Chapter 26: Unknown Pleasures - Analise

Gostou deste artigo? Então clique nos botões ao lado para o curtir! Se assim o desejar, deixe-nos um comentário no fim que nós e os visitantes agradecemos!


Bons dias pessoal e sejam mais vindo ao espaço de Análise! O meu nome é Marco Paz e vou ser o vosso analista (isto parece tão mau e tão perverso, mas oh well, é a língua que temos) de hoje! Ora, eu sei que isto já foi há algum tempo, mas hoje trago-vos, como já devem ter entendido pelo titulo, a analise do Chapter 26 da Progress Wrestling, Unknown Pleasures! O proximo Chapter é já no dia 27 por isso, não percamos mais tempo e avancemos para a análise deste evento, na minha opinião, a melhor empresa de wrestling da Europa atualmente.



4-Way Tag Team Match
The Origin (Dave Mastiff & Zack Gibson) vs Sweet Jesus ( Chuck Mambo & Pastor William Eaver) vs The Dazzler Team ( Darrell Allen & Earl Black Jr.) vs Damo O'Connor & Joe Coffey

Temos aqui o debut de um dos lutadores mais entusiasmantes da Escócia, o "Iron Man" Joe Coffey! Coffey é conhecido pelo seu carisma e pela sua força inigualável, fazendo-o uma das principais figuras de todo o Reino Unido e alcançando sucesso na ICW, a maior companhia da Escócia e uma das 3 grandes companhias do Reino Unido, juntamente com a Progress Wrestling e com a Revolution Pro. Coffey faz aqui equipa como gigante Damo O'Connor. Uma equipa peculiar, mas que pode causar muita mossa nesta divisão. As outras três equipas, os Sweet Jesus são os favoritos da casa, com duas das personagens mais adoradas pelo publico, os Origin são das melhores coisas que a Progress tem atualmente, sendo que estão cada vez com mais força e não duvido que estejam próximos de dominar a PROGRESS, isto caso, Scurll se junte ao grupo, e a Dazzler Team... bem, não tenho muito sobre dizer sobre eles. Darrell Allen é um veterano e o treinador da ProJo, mas tanto ele como Earl Black Jr. nunca tiveram grandes reações do publico e são bastante genéricos.

O combate teve boa ação na sua maior parte. Todas as equipas tiveram o seu tempo de destaque, com no inicio os Sweet Jesus e a Dazzler Team a ocuparem maior parte e a termos um combate mais rápido e técnico, mas depois com a entrada dos Origin e do O'Connor & Coffey tivemos mais strong style. O que peca aqui mesmo é o final, que desgostei bastante e foi muito atrapalhado. Acho que podiam e deviam ter feito isto de forma diferente.

O post-match (e a promo que Coffey e O'Connor meteram no canal do Youtube da Progress) vem fazer assim o Heel turn da equipa. Não sei até que ponto isto é esperto, termos mais uma equipa heel na PROGRESS, quando temos os Origin que dominam a divisão neste momento.

Rating: ** ¾



Singles Match
Bubblegum vs Jack Sexsmith

Desde já quero avisar às pessoas que estão a ler isto: se não se sentem confortáveis em ver humor sexual e cenas com nudez envolvida, não vejam este combate. É muito fácil ficarem enojados com isto e não acharem piada nenhuma a isto. A meu ver, foi um combate que cumpriu muitíssimo bem o seu objetivo: fazer o pessoal rir. Eu adoro o Sexsmith, é uma personagem bastante diferente e é única hoje em dia. Desde a sua entrada hilariante, desde o facto de ele utilizar a lata de chantili para simular outra espécie de fluidos, ao sexslave dele e, principalmente, o à vontade que o Jack tem com a sua gimmick. É notável como é que alguém tem as balls de incorporar tão bem e fazer algumas coisas que o Sexsmith faz (acredito que não é qualquer um que tenha à vontade de passar 80% de um combate com o rabo à mostra). O Bubblegum era o heel perfeito para este combate. Com a sua gimmick de "Jersey Shore", o publico consegue odiá-lo de uma forma como odeia poucos heels na PROGRESS. A verdade é que também o publico é fantástico, mas isso é outra história.

O combate era o esperado, comédia total. Existiu algum wrestling nisto, sim ,mas nada demais. Ambos os lutadores mostraram-se bastante à vontade com o tipo de combate e é preciso uma boa imaginação para alguns momentos que aconteceram aqui. Recomendo se quiserem rir.

Rating: **



Tag Team Intergender Match
South Pacific Power Couple (TK Cooper & Dahlia Black) vs Morgan Webster & Pollyana

Pela segunda vez consecutiva, temos um combate envolvendo mulheres num Chapter. É apenas a terceira vez que temos um combate de mulheres nos Chapters da PROGRESS Wrestling, tendo sido o primeiro na segunda noite do Chapter 19: Super Strong Style 16 e a segunda no utlimo Chapter, o 25: Chat Shit Get Banged! E pela terceira vez, temos a Pollyana envolvida num combate feminino nos Chapters da PROGRESS. Ela é a cara da divisão feminina da companhia sem duvida alguma. Pensem nela como a Bayley da PROGRESS. Pensem no TK Cooper e na Dahlia como um Michael Elgin e uma Maria. Pensem no Morgan Webster como aquele highflyer simpático de grande qualidade mas sem grande carisma, ou seja, um Neville. Pronto, é mais ou menos isso o que se passa aqui, para o pessoal que não conhece bem as personagens ficarem mais dentro do assunto.

Este combate foi bom, mas pecou por uma coisa: demasiado tempo. Sinto que existiram oportunidades para acabar este combate mais cedo, como quando Pollyana acertou o Pollynator, mas por alguma razão decidiram estender este combate por mais algum tempo, chegando assim aos 16 minutos. Eu gostei do combate, os primeiros minutos foram bastante interessantes e com bom wrestling, TK Cooper e Dahlia Black são um par perfeito de heels e têm uma química excelente. São mesmo aquele casal de namorados que metem nojo de tanto que se beijam e esfregam-se um no outro. O Webster é um lutador facil de se gostar, é um tipo simpático, bastante ágil e rápido mas que quando necessita de ficar mais sério e "acertar mais forte" também o faz. A Pollyana, é impossível não gostar dela. A mulher é talento puro, o publico é louco por ela, é uma face genuína. Todos os quatro trabalharam bem, a ação foi boa e conseguiram contar uma boa história, mas isto perdeu-se um pouco para o fim.

Rating: ***



Singles Match
Jack Gallagher vs Timothy Thatcher

Ora aqui está um bom combate técnico. A Progress parece estar a querer dar um push sublime ao Gallagher e eu aprovo! Esta vitória contra o Thatcher é algo de imenso valor, visto que o "British Messiah" é, talvez, o melhor grappler do mundo. Alguém que é campeão de uma das maiores indys da America (a EVOLVE) e que compete pelo mundo do wrestling como uma estrela a ser reconhecida, é alguém que uma vitória sobre pode catapultar a carreira, por isso, acredito que eles estejam, mesmo a pensar em fazer alguma coisa de especial com o jovem Jack.

Thatcher é simplesmente um dos melhores wrestlers técnicos do mundo, juntamente com os Zack Sabre Jr.s e com os Kyle O'Reillys. Tudo nele é tão bom, desde o seu grappling, às suas expressões faciais, a sua intensidade, o seu sell e a sua psicologia em ringue são perfeitos. O Jack não está ao mesmo nível que o americano, mas não me interpretem mal, o jovem inglês conseguiu aguentar muito bem com o experiente Thatcher. Gallagher também é um grappler incrível e tem bastante força para o seu tamanho. As transações de submissão para submissão foram incríveis, as sequências de holds foram espantosas e prenderam-me completamente ao ecrã. Eu já disse isto, mas o sell e as expressões faciais do Timothy são geniais. Ele consegue vender uma submissão tão bem, parecendo que está a sofrer cada segundo que está nela. O final foi bastante bem executado e veio de encontro com aquilo que estava a ser construído: Jack a trabalhar mais nas costas e nas pernas do americano e a ganhar assim com o Boston Crab. Se tivesse tido mais tempo e mais intensidade, acredito que poderia ter sido o combate da noite. Mesmo assim, excelente combate para terminar a primeira parte da noite.

Rating: *** ½



Singles Match
Rampage Brown vs Mikey Whiplash

Este combate não tem história nenhuma por trás e foi marcado mais como um "Exhibition Match" do que outra coisa. No entanto, isso não impediu Mikey Whiplash e Rampage Brown de tentarem matarem-se um ao outro! Se o combate anterior foi uma exposição de puro wrestling, isto foi uma guerra. Assim que a campainha tocou, Whiplash e Rampage começaram a destruírem-se um ao outro e também ao Ritz. A luta passou para o lado de fora do ringue, com ambos os homens a ir em direção ao publico e com Rampage a voar em direção às cadeiras daqueles que estava a ver.

De volta ao ringue, estes dois começam a trocar murros e cotoveladas, enaltecendo ainda mais a batalha que estavam a ter. Rampage consegue sair por cima, graças ao seu tamanho, acerta mais uns moves com bastante impacto, como aquele belly to back suplex que faz Mikey cair mesmo no pescoço. Momentos depois, vemos Brown a sair vitorioso do combate com um piledriver espetacular e visualmente lindo (aposto que doeu e não foi pouco).

Ambos, Whiplash e Rampage, são veteranos do circuito do Reino Unido e são, muitas vezes, desvalorizados quando se fala nos grandes nomes do wrestling britânico de hoje em dia. Mas, combates como este são a prova de que estes dois estão cheios de habilidade e talento. Whipalsh é um dos lutadores mais diversificados que eu já vi no Reino Unido. Ele tanto pode dar combates intensos como este, como pode dar um blood bath hardcore match de fazer tremer até os fãs de CZW, como pode estar a ter um combate super técnico de fazer inveja ao Sabre Jr. Ele é sem duvida um dos melhores talentos da Europa e espero voltar a vê-lo mais vezes na PROGRESS.

Rating: *** ¾



Singles Match
(O vencedor escolhe a segunda estipulação para o combate que os Sumerian Death Squad e os London Riots vão ter no Chapter 27: The Lost Art of Suffering)
Tommy End vs James Davis

Durante os três últimos meses, os Sumerian Death Squad e os London Riots têm criado tensão entre eles. Os SDS culpam os LR por terem perdido os PROGRESS Tag Team Ttiles no Chapter 23, por isso, as daus equipas tiveram um combate no Chapter 24. No entanto, isso não foi suficiente para resolver os problemas entre as duas equipas, por isso, foi então marcado um combate final entre os Sumerian Death Squad e os London Riots para o show de quarto aniversário da companhia, o Chapter 27: The Lost Art of Suffering. Entretanto, ambas as equipas teriam que se defrontar em dois singles match, sendo que cada combate valia a escolha de uma estipulação para o combate no Chapter 27. No primeiro combate, no Chapter 25, Rob Lynch derrotou Michael Dante, decidindo assim que o combate entre ambas as equipas seria um TLC Match!

Isto teve um inicio "Fast and Furious", com ambos os homens a trocar pontapés e cotoveladas para de seguida Davis acertar com três Suicide Dives de seguida. De volta ao ringue, End pôs James a sangrar depois de um combo brutal de um Round House Kick e um Jumping Knee. Davis mostrou o desrespeito que tinha em relação a Tommy, cuspindo o sangue que tinha na boca para End. Davis começou o seu comeback e ainda acertou um piledriver seguido de uma powerbomb, mas não foi suficiente. Davis ia para uma segunda powerbomb mas End conseguiu bloqueá-la, conectando de seguida com um Double Foot Stomp e mostrando a sua nova manobra de submissão, a Black Widow. Depois do combate, Tommy End anuncia que a sua estipulação para o combate de equipas no Chapter 27 é que a equipa que perder não puderá voltar a lutar junta na PROGRESS Wrestling!

Este foi um grande combate. Apesar de ter sentido que a submissão final feio um pouco do nada e foi algo anti-climática, todo o combate foi cheio de intensidade e grande emoção. Foi claramente superior ao Dante vs Lynch e Tommy End está a mostrar-se cada vez mais como um legitimo lutador de singles. Isto poderá querer dizer que os SDS poderão sair perdedores do combate no Chapter 27? Veremos.

Rating: *** ¾



PROGRESS Wrestling Title Match
Marty Scurll © vs Mark Haskins

Uma novem sombria reina sobre a PROGRESS Wrestling, depois que o The Villan Marty Scurll ganhou o titulo principal da empresa e destronou o ex-campeão Will Ospreay num NO DQ match que foi simplesmente fenomenal. Scurl fez o seu caminho para o ringue, calmamente em contraste com o que costumava apresentar antes do Heel turn. O desafiante ao titulo, Mark Haskins, tem andado no topo do card da PROGRESS desde que ganhou o ultimo Thunderbastard Match no Chapter 20. Haskins já lutou pelo titulo no Chapter 21, sendo a primeira pessoa a desafiar Will Ospreay. Aqui, volta a ser a primeira pessoa a desafiar o novo campeão. Esta é a segunda vez que Haskins está a lutar pelo titulo da empresa no espaço de cinco shows, ganhando esta oportunidade depois de derrotar a estrela em ascensão da PROGRESS, Zack Gibson.

Haskins e Scurll começaram por aplicar as suas submissões características, num começo que foi bem rápido. Vil como sempre, Scurll ganhou a vantagem do combate com um polegar no olho, antes de começar a trabalhar do braço e no ombro lesionado de Haskins. Scurll levou o combate lá para fora e começou a mandar Mark contra tudo o que estava na sua frente, desde o pilar ao poste do ringue. Mas rapidamente o trabalho que estava a ser desenvolvido no braço parece ter sido esquecido por Haskins que começou a fazer o seu comeback e a atingir as suas moves características, indo de manobra para manobra, como se o seu braço estivesse em perfeitas condições. Eu não quero ser picuinhas e dizer que o combate perdeu qualidade apenas por causa disto, mas a verdade é que quando o teu adversário perde 7 ou 8 minutos do combate a trabalhar no teu braço, o teu trabalho é vender esse braço e não fazer o teu comeback como se nada tivesse acontecido. Eu adoro o Haskins e acho que ele é um dos melhores workers de toda a Europa, mas isto foi um ponto negativo.

Continuando, Haskins continua com a sua ofensiva, aplicando submissão atrás de submissão e mostrando a sua enorme técnica, fazendo a transição de um estrangulamento para um arm bar, mas Scurll não quis ficar atras na mestria técnica e mostrou a sua capacidade de estar à altura de Haskins e reverteu para um Cattle Mutilation. Haskins também consegue escapar, mas por pouco tempo, pois Scurll consegue prender o Chiken Wing, mas apenas para Haskins reverter para um Arm Bar fazendo aqui uma grande sequencia de wrestling técnico. Os dois lutadores começaram numa luta de punhos que Haskins saiu por cima e mais uma vez começou com a sua ofensiva característica, mas Scurll recusava ir-se a baixo. Num dos momentos de alta tensão do combate, vimos Haskins a agarrar o guarda-chuva de Scurll e o The Villan a tentar motivar Mark a bater-lhe. Haskins recusa descer tão baixo e entrega a sombrinha ao arbitro, mas Marty aproveita a distração para desferir um Low-Blow que quase dá-lhe a vitória. Depois de uma serie de cotoveladas ao estilo Brayn Danielson, Scutll aplica mais uma vez o Chiken Wing para desta vez vencer o combate.

Já depois de acabar, Scurll, não estando satisfeito, continuou a castigar o braço de Haskins com uma cadeira, quase partindo o braço de Mark. A assistência veio ao ringue para tentar ajudar o "Star Attraction", mas este violentamente recusou, apenas para ser acalmando pela sua mulher. Scurll já tinha referido que o que difere ele de Haskins é o facto de Haskins ter que se preocupar com a sua família, a sua mulher e os seus filhos. Scurll não tem ninguém sem ser ele próprio, por isso ele não tem nada que se preocupar sem ser o wrestling e isso fazia dele melhor e com capacidade de arriscar mais. Grande psicologia aqui posta, excelente post-match.

Mais uma vez vemos ambos os lutadores a dar um excelente combate. Tirando uma coisa ou outro que agradou-me menos, como o no-selling de Haskins ao braço, este combate foi excelente. Não havia grande história nem uma rivalidade, mas estes dois conseguiram contar uma história muito boa em ringue e provaram porque é que ambos são dois dos melhores lutadores na cena independente mundial hoje em dia. Scurll continua assim o seu reinado e é, sem sombra de duvidas, o lutador mais completo da Europa e um dos mais completos do mundo. Vejo coisas muito boas no futuro dele.

Rating: **** ¼

__________________________________________________________________

Preto No Branco

Classificações:

4-Way Tag Team - Origin vs Sweet Jesus vs Dazzler Team vs Damo O'Connor & Joe Coffey - ** ¾
Singles Match - Jack Sexsmith vs Bubblegum - ** ¼
Intergender Tag Team Match - South Pacific Power Couple vs Morgan Webster & Pollyana - ** ¾
Singles Match - Jack Gallagher vs Timothy Thatcher - *** ½
Singles Match - Mikey Whiplash vs Rampage Brown - *** ½
Singles Match - Tommy End vs James Davis - *** ¾
Progress Wrestling Title Match - Marty Scurl © vs Mark Haskins - **** ¼

Termômetro:

Como sempre, os shows das PROGRESS são sempre recheados de coisas boas. Desta vez, não vou referir o publico como um ponto positivo, pois o publico sensacional já tornou-se numa constante nos shows da companhia. No entanto, existem outras coisas bastantes boas a cerca de isto:

- A segunda parte do show foi incrível. 3 combates de alta qualidade, com dois bons combates e um muito bom. Não é surpresa para ninguém que conheça minimamente a companhia, que estes dão sempre ótimos combates em todos os Chapters. Existe sempre, pelo menos, um combate muito bom e cada um dos lutadores parece estar a esforçar-se ao máximo para dar o melhor que tem de si. Este ambiente de competição entre os próprios lutadores de tentarem superar-se a si próprios é excelente para a qualidade de um combate e do show em geral.

- O Booking tem sido das melhores coisas e aquilo que tem feito da PROGRESS uma das principais companhias da Europa e do Mundo do wrestling. Bastante simples, é verdade, mas é muito boa a forma como eles constroem as rivalidades. A rivalidade entre os Sumerian Death Squad e os London Riots, começaram como aliados mas agora são os piores dos inimigos. A escalada para o topo de Scurll, uma história que remota ao primeiro show da PROGRESS à quase QUATRO ANOS atrás. O push gradual que estão a dar a Jack Gallagher. A dominância completa da divisão de tag team por parte dos Origin. A rivalidade entre dois dos melhores lutadores do mundo, Zack Sabre Jr. e Tommaso Ciampa. São muitas as histórias que estão a ser contadas ao mesmo tempo nesta empresa, algo que muito poucas conseguem fazer apenas com shows de um em um ou dois em dois meses. A companhia a quem toda a gente compara a PROGRESS, a Pro Wrestling Guerrilla, apenas tem duas histórias a ser contadas ao mesmo tempo. A PROGRESS consegue desenvolver muito mais coisas ao mesmo tempo e aproveitar cada combate do show para introduzir e contar algo diferente. Excelente booking!

- A divisão feminina da PROGRESS é, talvez, uma das melhores no Reino Unido e da Europa. Apenas a ICW da Escócia deve dar tanto destaque às mulheres como a PROGRESS tem dado ultimamente. Neste show tivemos mais um combate bastante sólido envolvendo as mulheres. Alias, este foi o pior combate envolvendo mulheres na PROGRESS e é bem melhor que muitas das coisas que vemos a ser feitas com as mulheres na América, por isso, acho que quer dizer muito. A empresa tem um divisão feminina bastante sólida. Tem uma grande babyface como a Pollyana, tem uma das melhores heels da atualidade na Jinny, e tem lutadoras bastante talentosas que com o devido trabalho e esforço haverão de chegar longe, como a Dahlia Black, a Toni Strom e a Leva Bates (aka BLUE PANTS!).

Mas, como nem tudo é um mar de rosas, também existiram coisas negativas a cerca de este show. E algumas delas prejudicaram a qualidade deste mais do que deviam.

- Desde já tenho que dizer, eu adoro o The Ritz. É uma arena fenomenal e um espaço incrível para se ter um show de wrestling, pois consegue aproximar as pessoas do ringue e como é algo fechado, toda a gente consegue ter uma plena noção daquilo que está a acontecer. Mas este tem um aspeto negativo para quem está a ver isto por vídeo: a acústica do local é terrível. Eu simplesmente não consigo perceber uma palavra do que as pessoas dizem ao microfone e isso deixa-me bastante desapontado pois eu adoro as introduções do Jim Smallman.

- A primeira metade do show foi desapontante. Tirando o combate entre o Thatcher e o Gallagher, os outros três combates da primeira metade do show ficaram aquem daquilo que podiam ter sido. Principalmente o 4-Way Tag Match, senti que ficou longe da qualidade que aqueles lutadores têm. Mas, infelizmente, isto tem vindo a ser uma constante nos shows da PROGRESS, a segunda metade é sempre incrível, mas a primeira deixa sempre a desejar. Ainda estou para ver um Chapter da PROGRESS que, desde o inicio ao fim, eu sinta que aquele show foi bom, e não apenas a segunda metade ou este e aquele combate. O publico faz um grande trabalho em tornar tudo muito melhor, mas não podem depender do publico fantástico que têm.



Figura da Noite
Marty Scurll - The Age of The Villan, Parte 2

Sim, eu sei. no ultimo show da Progress eu também nomeei o The Villan para figura do show, mas a verdade é que Scurll tem sido, constantemente, o melhor lutador da empresa nos últimos eventos. Marty conseguiu aqui a sua primeira defesa do titulo e, de momento, não existe um contedender definido ao seu titulo. Por isso, para o Chapter 27: The Lost Art of Suffering, a PROGRESS Wrestling marcou um 9-Man Thunderbastard Match! Este vai ser o grande desafio do reinado de The Villan até agora. Scurll é a melhor personagem em toda a Europa neste momento e é o wrestler mais completo, dentro e fora de ringue, do momento. Será que o The Villan conseguirá ultrapassar o obstáculo do próximo show?

Causa e Efeito:

Bem, como já disse anteriormente, Marty Scurll vai defender o seu titulo num 9-Man Thunderbastard Match, onde também estão Mark Haskins, Will Ospreay, Paul Robinson, Mark Andrews, Zack Gibson, Morgan Webster, Eddie Dennis e Rampage Brown. Scurll vai ser o ultimo a entrar neste combate, por isso, desde logo, vai ter a vantagem. Estou à espera que Scurll retenha aqui, ainda é muito cedo para ele perder. Acho que post-match é que vai definir alguma coisa de interessante em relação ao reinado de Marty. Estou à espera que vejamos o retorno de um Jimmy Havoc para desafiar Scurll pelo titulo, seria o momento da noite com certeza.

Quanto aos títulos de Tag Team, já sabemos que os The Origin ( Nathan Cruz & El Ligero) vão defender os títulos contra a "dream team" de Tommaso Ciampa e Zack Sabre Jr. Sabre e Ciampa estão numa especie de rivalidade. Eles tiveram dois dos melhores combates da PROGRESS Wrestling no ano passado, um no Chapter 19 e outro no Chapter 24, estando assim 1 a 1. Eles já prometeram um terceiro combate para desempatarem as coisas, mas entretanto, vão unir forçar para tentarem acabar com o reino dos Origin. Ora, eu não espero que eles ganhem, espero antes que no final do combate, um deles culpe o outro pela derrota e que começam a criar fricção a partir dai, para culminar algures nos próximos Chapters. Os Origin continuam assim o seu reinado, pelo menos, durante mais um Chapter, pois...

London Riots vs Sumerian Death Squad. Os vencedores deste combate deve, tambem ser, muito provavelmente, os próximos campeões de tag team da PROGRESS. Indo pela logica, visto que os SDS já foram campeões na empresa e os LR são a equipa que à mais tempo compete na PROGRESS sem nunca terem ganho o titulo de equipas, espero que James Davis e Rob Lynch vençam aqui e, assim, vejamos a separação da maior equipa da Europa, pelo menos nesta companhia. Alias, eu até vou fazer um pouco de fantasy booking aqui e fazer a minha previsão para os próximos shows. Chapter 27, os LR ganham aos SDS e estes separam-se. No Chapter 28 e 29, Tommy End começa a ganhar combates de singles e a ganhar hype na empresa. No Chapter 30 temos o Super Strong Style 16, torneio criado pela PROGRESS que dá direito ao vencedor de um combate pelo titulo principal da empresa. Eu aposto que o vencedor será Tommy End e que este desafiará Marty Scurll pelo titulo, provavelmente no Chapter 31, ganhando assim o titulo principal da empresa e afirmando-se como uma das principais caras da cena independente. MARK MY WORDS!

Uma pessoa que tambem vejo a andar de roda do titulo num futuro proximo, talvez no Chapter 29 ou, até quem sabe, já no 28, é Jack Gallagher. Este jovem lutador tem vindo a mostrar-se a grande nível na empresa e esta vitória sobre Thatcher pode significar o inicio de um push. Sabemos já também que Gallagher irá enfrentar a lenda inglesa Johnny Kid no Chapter 27. Uma vitória aqui pode catapultar Jack diretamente para a title picture.

Classificação Geral: *** ¾

__________________________________________________________________

Classificações Eventos:

(1) NJPW Wrestle Kingdom 10 – **** ½
(2) PROGRESS Wrestling Chapter 25 – ****
(3) PROGRESS Wrestling Chapter 26 – *** ¾
(4) WWE Royal Rumble – *** ½
(5) ROH 14th Anniversary – ** ½
(6) WWE Fastlane – ** ½

Classificações Combates:

(1) NJPW Wrestle Kingdom – IWGP Heavyweight Title – Kazuchika Okada © vs. Hiroshi Tanahashi - *****
(2) NJPW Wrestle Kingdom – IWGP Intercontinental Title – Shinsuke Nakamura © vs. AJ Styles - **** ¾

(3) PROGRESS Wrestling Chapter 25 - PROGRESS Wrestling Title NO DQ Match - Will Ospreay © vs Marty Scurll - **** ¾
(4) WWE Fastlane – WHC Nº1 Contender 3-Way Match – Brock Lesnar vs Roman Reigns vs Dean Ambrose - **** ¼
(5) WWE Royal Rumble – WWE Intercontinental Title Last Man Stadnding Match – Dean Ambrose © vs. Kevin Owens - **** ½

(6) NJPW Wrestle Kingdom – NEVER Openweight Title – Tomohiro Ishii © vs. Katsuyouri Shibata - **** ½
(7) PROGRESS Wrestling Chapter 26 - PROGRESS Wrestling Title Match - Marty Scurl ©vs Mark Haskins - **** ¼
(8) NJPW Wrestle Kingdom – IWGP Jr. Heavyweight Title – Kenny Omega © vs. KUSHIDA - ****
(9) PROGRESS Wrestling Chapter 25 – Nº1 Contender Match – Mark Haskins vs Zack Gibson - ****
(10) PROGRESS Wrestling Chapter 25 – 4-Way Women Match – Pollyana vs Jinny vs Daliah Black vs Toni Strom - ****

(11) 6-Man Tag NEVER Openweight Title Match – The Bulet Club (Kenny Omega & Young Bucks) © vs Kushida, ACH & Matt Sydal - ****



Bem, e esta foi a minha analise ao Chapter 26: Unkown Pleasures da PROGRESS Wrestling. Espero que tenham gostado, digam nos comentários o que acharam do evento, se concordam ou discordam de mim, o que acharam a analise e isso tudo. Estou no ir, por isso, fiquem bem e não percam a próxima Análise, porque eu… TAMBÉM NÃO!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enviar um comentário

O blog tem os comentários abertos a todos aqueles que gostem de wrestling e o queiram discutir com responsabilidade e sobretudo de maneira construtiva.

Não são permitidos insultos pessoais entre leitores, bem como a autores do blog. Não é permitido spam. Qualquer comentário fora do contexto, fica a cargo da administração a decisão da sua permanência.

0 comentário(s):