domingo, 27 de março de 2016

Forgotten Superstars #48 | Sede de Sangue

Gostou deste artigo? Então clique nos botões ao lado para o curtir! Se assim o desejar, deixe-nos um comentário no fim que nós e os visitantes agradecemos!


Saudações a todos os leitores do Wrestling Notícias! Estamos aqui com mais um Forgotten Superstars, onde trataremos de mais um lutador que não teve a chance de chegar nos graus mais altos da WWE.

Hoje, trartaremos de um homem, que se destacou por sua gimmick, e o seu ringname, era parte de uma das coisas mais populares dos anos 90. Sua personagem sempre fazia com que a presença no ringue fosse impactante, um momento difícil de esquecer.

Então, vamos aos fatos!

Quem é? - David William Heath, nascido em Fort Lauderdale, Flórida. Ele ficou mais famoso sob o ringname Gangrel, retirado de um famoso jogo de rpg, Vampiro: A Máscara. Sua carreira começou em 1987, e ele foi treinado por ninguém menos que Boris Malenko. Depois de seu treinamento, ele começou a trabalhar em várias promotoras independentes. Seus primeiros títulos se deram na divisão de duplas. Um deles, na Stampede Wrestling, foi ao lado de Tom Nash, onde formaram adupla mascarada "The Blackhearts".

Eventualmente, Heath e Nash trouxeram Luna Vachon, na época, esposa de Nash, para se unir à dupla. Depois de um tempo, Tom e Luna se separaram, e David e Luna começaram a ficar romanticamente envolvidos. Quando os Blackhearts se desmembraram, David e Luna desenvolveram gimmicks de vampiros. Sob a nova gimmick, ele ganhou seu primeiro título solo na USWA e foi considerado o novato do ano pela Pro Wrestling Illustrated de 1993.

O que ele fez na WWF/E? - Em 1994, David teve a sua primeira passagem na WWF, na época em que também se casou com Luna, que também se tornou wrestler por lá, sendo um heel mascarado chamado "The Black Phantom". Ele estava ali para colocar em evidência, estrelas da WWF. Basicamente, um jobber. Ele saiu da WWF em 1995 e teve uma rápida passagem na ECW, com uma rivalidade com Tommy Dreamer, além de uma aparição na WCW Worldwide, em 1998.


Mas foi no seu retorno à WWF, em 1998, que o wrestler passaria a ser de fato reconhecido, depois de receber o seu novo e definitivo ringname, Gangrel. Sua gimmick era diferente de tudo o que se tinha visto até então, na empresa. A sua entrada no ringue envolvia fogo e até mesmo "sangue" que ele cuspia no ar. Seu debut foi contra Scott Taylor em um Sunday Night Heat, no mês de agosto de 98, com uma vitória convincente, e posteriormente, passaria alguns bons meses sem derrota na empresa.


Não demorou muito para que Gangrel formasse a sua própria facção gótica, ao lado de Edge e Christian, "The Brood". A facção era conhecida por seus "banhos de sangue", o que causava um efeito interessante e ao mesmo tempo, perturbador entre os que acompanhavam as lutas. E por um tempo, esse grupo se tornou parte da Ministry of Darkness, de Undertaker.


Ele teve algumas title shots, como pelo WWF European Championship na Royal Rumble de 99 contra X-Pac, da D-Generation X, mas sem sucesso. Além disso, ele lutou nas Rumbles de 99 e 2000.

Em um dado momentono ano de 99, depois de já terem se separado da Ministry of Darkness, The Brood teve uma rivalidade com os Hardy Boyz. Mas durante essa rivalidade, Gangrel se voltou contra os seus dois ajudantes, atacando Edge e Christian. Logo após este fato, ele alinhou-se com Jeff e Matt Hardy, entitulando o novo grupo como The New Brood. Mas isso não durou muito tempo, já que Terri Runnels mostrou interesse no grupo, e depois do No Mercy de 1999, Terri se tornou definitivamente a manager dos Hardys, com Gangrel sendo deixado de lado.

Este, passou a ser utilizado no mid card. e em 2000, teve a sua esposa, Luna Vachon, como manager, até ela ser demitida. E por problemas de peso - um constante impedimento entre Gangrel e a WWF - o lutador foi liberado em 2001.

Heath, como Vampire Warrior ou como Gangrel, lutou por várias promotoras independentes, ganhando reconhecimentos, títulos, e alguns Hall of Fame de indústrias formadoras de estrelas. Até hoje ele continua lutando e oferecendo a essas indústrias uma boa opção de marketing, por abrigar uma estrela da saudosa Attitude Era da WWE.

Inclusive, ele fez aparições na WWE em 2004, como capanga de JBL, além de tentar voltar à empresa em 2005 e 2006, mas por conta de seus problemas de manutenção de peso, não fora bem sucedido. Ele também passou um tempo treinando na DSW, território de desenvolvimento da WWE, em 2007, mas foi liberado antes de estrear, voltando a fazer uma aparição especial apenas no fim do ano, no 15º aniversário do Raw, em uma 15-Man Battle Royal Match, eliminado por Al Snow. Essa foi sua última aparição como wrestler na WWE.

Ele poderia ter feito mais na WWE? - Eu acredito que, se por um lado, Heath poderia ter se esforçado um pouco mais em vencer seus problemas físicos, por outro, a WWF/E poderia ter aproveitado muito mais de sua gimmick. Ela já era algo inesquecível e intrínseco à Attitude Era, mas poderia ser ainda melhor, mesmo se repaginado para a PG Era posteriormente. Um título coroaria isso. E não se pode dizer que ele não merecia.

Então, vamos às suas melhores características.

  • Gimmick Original: O mérito de ter uma gimmick de vampiro no meio do roster foi considerada pela WWF pela primeira vez em 1998. E pode-se dizer que deu muito certo. Diferente e inesquecível, Gangrel se tornou uma parte saudosa dos tempos em que a WWF lutava pela audiência dos fãs de wrestling com a WCW.
  • Manager Competente:  Como manager, ele trouxe força para seus comandados, catapultando-os para o sucesso da WWE. Edge e Christian é o legado principal de Gangrel, gerando muitos frutos para a empresa.
  • Brawler Eficiente: Seu movimento in ring era agressivo, sempre ofensivo e com movimentos seguros, porém impactantes. Ele fazia um bom trabalho em gerar lutas interessantes, dentro do ringue, unificado à sua performance como vampiro no kayfabe.
Gangrel era uma parte muito importante de tempos grandiosos na WWE, que indicavam um bom futuro para a empresa. E ele repassa a sua experiência para várias outras promotoras ao redor do mundo. O fato é que ele deveria ter um reconhecimento maior pelo que fez, na minha opinião.

Dessa forma, terminamos mais um Forgotten Superstars, meus caros! Não se esqueçam de comentar sempre, e de dar sugestões para um quadro cada vez melhor.

Um grande abraço!


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Enviar um comentário

O blog tem os comentários abertos a todos aqueles que gostem de wrestling e o queiram discutir com responsabilidade e sobretudo de maneira construtiva.

Não são permitidos insultos pessoais entre leitores, bem como a autores do blog. Não é permitido spam. Qualquer comentário fora do contexto, fica a cargo da administração a decisão da sua permanência.

4 comentário(s):

André Ribeiro disse...

A Atittude Era não é perfeita - mas tem muita coisa óptima. O facto de praticamente todos os lutadores desde o low card até ao Main Event terem uma personagem bem definida e original é uma das melhores coisas. E Gangrel teve uma das personagens mais originais e até arriscadas...

Pessoalmente não sou o maior fã - não o acho nada de especial enquanto promo nem apreciou a sua habilidade no ringue, mas acho que ele foi minimamente bem sucedido. Mais tarde, a WWE haveria de tentar replicar algo semelhante com Kevin Thorn - mas falharam e aquilo nunca deu nada de jeito.

Gostei do artigo e gostaria de ver mais pessoal do midcard da Atittude Era ou de Eras anteriores aqui.

Diego Meira disse...

Não digo q o Gangrel tenha sido uma peça fundamental da WWE, ou algo do tipo, mas ele era alguém q sabia proporcionar entretenimento quando requisitado. Eu mesmo sinto falta de mais lutadores com gimmicks sombrias como a dele.

FaBiNhO disse...

Tal como o Diego diz muito bem, apesar de não ter sido uma peça fundamental para aumentar a popularidade da WWF na altura, acho que o Gangrel tinha uma personagem diferente e que poderia resultar bastante tempo na altura...

A WWE bem tentou fazer algo parecido com o Kevin Thorn e a Ariel, mas falhou redondamente porque passado uns meses, o Thorn já era um membro de um grupo de juventude e aos poucos abandonou o "look" de vampiro.

Agora que a votação foi feita, para a semana estou curioso para ver os teus comentários sobre o Vladimir Kozlov... mais uma vez grande artigo e estás a caminhar para a 50ª edição deste espaço, o que é de louvar!

Muito bom trabalho e continua assim ;)

Yahtzee disse...

Parabéns pelo trabalho, gosto sempre muito de ler, retratas tudo com bastante detalhe e escreves muito bem. Em relação a Gangrel, referindo-me, mais à passagem pela WWE era realmente uma personagem única e que marcava pela diferença e dessa maneira conseguiu proporcionar vários momentos, como escreveste bem, inesquecíveis. Foi pena que não tivesse conseguido ser melhor aproveitado na altura.