sexta-feira, 22 de março de 2019

WWE NXT UK 20.03.2019 | Videos + Resultados


No programa desta semana do WWE NXT UK temos mais competição de pelo Titulo Tag Team, com Tyler Bate e James Drake (atual WWE NXT UK Tag Team Champion) a colidirem num combate 1 contra 1.

Não obstante, Kassius Ohno faz a sua estreia pelo NXT UK num combate contra Ashton Smith. A não perder ainda os seguintes combates Card tivemos:
  • Eddie Dennis contra Ligero
  • The Hunt (Wild Boar & Primate) frente a frente a Sam Stoker & Lewis Howley
Para ver o show, basta clicar no Play.

quinta-feira, 21 de março de 2019

WWE NXT 20.03.2019 Vídeos + Resultados


Este episódio do NXT tem como destaque o Fatal 5-Way para decidir quem irá enfrentar Johnny Gargano pelo Vacant NXT Championship no NXT Takeover New York.

RESULTADOS



VÍDEOS


WWE 205 Live - 19.03.2019 | Vídeos + Resultados


Devido ao grande sucesso do CruiserWeight Classic no WWE Network, a WWE decidiu apostar numa divisão de Cruiserweights, que agora todas as terças-feiras passaram a ter um programa de 1 hora dedicado exclusivamente a eles na WWE Network chamado 205 Live.

O programa de hoje destaca a final do Cruiserweight Championship Tournament, com Tony Nese enfrentando Cedric Alexander pelo contendership ao Cruiserweight Title na Wrestlemania.

Resultados


1) Mike Kanellis (c/ Maria Kanellis) vence Akira Tozawa por pinfall após aplicar um "Rolling Cutter". Ao final da luta, Maria impediu Tozawa de subir no poste do ringue para aplicar o "Drop Zone", forçando-o a ir para a outro lado do ringue. Ele tentou aplicar o golpe, mas Kanellis desviou e o japonês caiu direto no ringue, o que deu a brecha para Mike finalizá-lo.

2) Tony Nese vence Cedric Alexander por pinfall PARA SE TORNAR O NUMBER ONE CONTENDER AO WWE CRUISERWEIGHT CHAMPIONSHIP após aplicar um "Running Kneese".

* Após o combate, Cedric ofereceu um aperto de mão a Nese, em respeito a sua vitória, e o "Premier Athlete" aceitou o cumprimento, também abraçando Alexander, que deixou o novo desafiante ao título comemorando no ringue. Pouco depois, Buddy Murphy vem ao ringue e cumprimenta o amigo, erguendo seu braço para o público e apontando com ele para o logotipo da Wrestlemania. Porém, quando Nese virou de costas, Murphy largou seu cinturão e o atacou com um "V-Trigger", posando com o cinturão sobre ocorpo desfalecido de Tony, sendo assim encerrado o programa.

Vídeos

quarta-feira, 20 de março de 2019

PPV Review - ROH 17th Anniversary

Villain Enterprises conquistam títulos de tag team após combate sangrento; Empate após batalha de uma hora entre Jay Lethal e Matt Taven



Data: 15 de março de 2019
Arena: Sam's Town Hotel and Gambling Hall
Localidade: Sunrise Manor, Nevada


Literatura Wrestling | Yes! My Improbable Journey to the Main Event of Wrestlemania - Capítulo 21 - Episódio 5


Está de volta a Literatura Wrestling, o espaço de traduções do blog que vos traz uma obra biográfica, na íntegra, reveladora das origens, vida e decorrer da carreira de alguns dos mais marcantes wrestlers que percorreram os ringues que acompanhámos com tanto gosto.

Todas as semanas vos traremos um excerto do livro "Yes!: My Improbable Journey to the Main Event of Wrestlemania", publicado em 2015 por Daniel Bryan e pelo co-autor Craig Tello, a contar o crescimento e peripécias do "Yes! Man" até à sua chegada à WWE e ao main event da Wrestlemania. Boa leitura!


(...)

Por alguns meses após o Hell in a Cell, eu estive numa história com a Wyatt Family, que andava a tentar fazer-me juntar ao clã, liderado pelo líder de culto Bray Wyatt. Os Wyatts e eu parecíamos encaixes naturais. Todos eles têm barbas enormes (muito maiores que a minha), e são personagens bastante fora-da-caixa. Eu tinha andado a sugerir juntar-me a eles e fazer algumas vinhetas a mostrar o Bray a fazer-me uma lavagem cerebral, que nós achámos que seria bastante fixe. Foi tomado em consideração pelos escritores da WWE mas foi aparentemente abortado até que, aleatoriamente, no Raw final de 2013, eu realmente juntei-me aos Wyatts.

Foi estranho porque a história mudou do Bray a fazer-me uma lavagem cerebral para mim a enganar os Wyatts. Tudo fazia parte do meu plano para destruir o grupo por dentro. A nossa ligação não estava feita para durar muito tempo, mas eu empurrei e empurrei e empurrei para conseguir que a história se esticasse. O Bray estava prestes a iniciar uma rivalidade com o John Cena em direcção à Wrestlemania 30. Eu achei que eu a juntar-me aos Wyatts ajudaria na sua credibilidade, e como resultado, eu faria parte de uma das principais histórias em direcção ao maior espectáculo do ano. Visto que não havia realmente planos para mim na Wrestlemania na altura, eu achei que fazer parte disto dar-me-ia, no mínimo, algo grande a fazer, especialmente se eu me virasse a eles após a 'Mania, quando existe uma espécie de calmaria seguindo o entusiasmo do grande show.

Mas na semana após me juntar a eles, eu acabei por obter um bom bocado de atenção mainstream. Eu estava no meu quarto de hotel quando o Titus O'Neil me enviou uma mensagem e disse-me para pôr no SportsCenter da ESPN. Eu nunca ligo a TV nos meus quartos de hotel, mas assim fiz e, para minha surpresa, estavam a mostrar toda uma arena num jogo de basquetebol a cantar "Yes!" Eu não fazia ideia do que pensar. A equipa de futebol universitário do Estado do Michigan tinha acabado de ganhar a Rose Bowl na semana anterior e, após um touchdown, o Travis Jackson, um dos jogadores, começou com o "Yes!-ing." A equipa estava a fazer uma enorme celebração da sua vitória no Rose Bowl durante o intervalo do jogo de basquetebol Estado do Michigan-Estado do Ohio, quando o Travis pegou no microfone para fazer a arena inteira começar o "Yes!-ing" também. Tinha pegado. Os fãs no jogo de basquetebol continuaram a fazê-lo ao longo do resto do jogo, especialmente quando a outra equipa já estava na linha do lançamento livre. Em vez das habituais cenas como os Pool Noodles ou balões torcíveis que os fãs de basquetebol usavam para distrair a outra equipa, usaram o cântico de "Yes!" Foi uma visão fantástica. Não só o SportsCenter topou, como todas as mídias pelo país fora, e todos me deram crédito pela inspiração. Tudo aquilo me deixou estupefacto.

Não tenho a certeza se foi pelo jogo de basquetebol ter tido tanta atenção mainstream ou se sempre foi esse o plano, mas na semana seguinte, virei-me contra os Wyatts. Bray e eu estávamos a fazer um combate tag contra os Usos dentro de uma jaula de aço e após os Usos vencerem, o Bray queria que eu me submetesse a ele ao permitir-lhe atingir-me com a sua manobra de assinatura, o "Sister Abigail", em mim. Eu recusei, e a plateia que tinha estado morta ao longo dos últimos noventa minutos do espectáculo, repentinamente ganhou vida. O Bray desatou à carga, na minha direcção, e eu desviei-me, acelerando-o, derrubando os outros dois membros da Wyatt Family da jaula e, depois no final, atingindo-o com a minha Flying Knee. Trepei ao topo da jaula e sentei-me ali, liderando a arena inteira em cânticos de "Yes!" Foi outra imagem mesmo porreira.

Algures por esta altura, eu estava a falar com o Vince no seu escritório, e apesar de me esquecer do que estávamos a falar originalmente, ele de repente mudou de tópico; ele queria falar sobre os seus planos para mim na Wrestlemania 30. Antes desta conversa, eu tinha estado a falar com o Triple H sobre possivelmente fazer um combate com ele, mas também, no fundo da minha mente, eu ainda estava na esperança que tivessem convencido o Shawn Michaels a voltar para lutar comigo. Mas a ideia do Vince era nenhuma dessas. Ele queria que eu lutasse com o Sheamus.

Deixem-me já dizer que eu adoro trabalhar com o Sheamus. Temos grandes combates, dámo-nos imensamente bem e, com a excepção das duas Wrestlemanias em que já tínhamos lutado, sempre nos divertíamos juntos. Porém, dado que eu era, no pior, o terceiro mais popular wrestler na WWE - e em alguns shows o mais popular - era um combate de posição um pouco baixa para a Wrestlemania. Teríamos sorte se fossemos o quinto maior combate, dado que a WWE já tinha planeado ter Randy Orton-Batista pelo título, Brock Lesnar-Undertaker, Triple H-CM Punk, e John Cena-Bray Wyatt. Com esses quatro combates, seria difícil para qualquer outra coisa ter muito tempo. Apesar de desmoralizado, agradeci-lhe pela oportunidade e estava determinado a fazer o melhor com o que me era dado.

Mas a estrada da vida é incerta e nada fica gravado na pedra, até o que o Vince te diz - talvez especialmente o que o Vince te diz. As coisas podem sempre mudar, que foi o que aconteceu aos meus planos para a Wrestlemania na Royal Rumble de Janeiro de 2014.

A Royal Rumble é quando começa a época da Wrestlemania, e o vencedor do combate Rumble de trinta homens, cabeça-de-cartaz do evento, segue a competir pelo título na Wrestlemania, presumivelmente no evento principal. A seguir à 'Mania, a plateia da Royal Rumble normalmente tem o maior número de fãs hardcore na plateia. Pessoas voam de todo o mundo para o evento anual, e essas pessoas são bastante vocais. Nesse ano também calhou serem grandes fãs de Daniel Bryan. Eu sabia que não ia estar no combate Rumble, e eu não tinha sido anunciado para ele, mas ninguém disse especificamente que não ia estar, também.

Eu não me importei por não estar envolvido na Rumble, porque tive um combate com o Bray Wyatt antes, no mesmo show e fui capaz de me focar só nisso. Lutámos no segundo encontro do espectáculo e tivemos um grande combate, abastecido por uma espectacular plateia em Pittsburgh que foi esmagadora no seu apoio a mim. As únicas vezes em que tinha visto algo como aquele público foi na noite após a Wrestlemania XXVIII e espectáculos na minha cidade-natal, Seattle. E tal como nesses shows, os fãs continuaram a cantar "Yes!" e "Daniel Bryan!" bem após o combate ter acabado.

É interessante que o wrestling tenha avançado para esta era pós-moderna em que os fãs entendem que o que estão a ver é entretenimento. Eles escolhem torcer pelo que os entretém, quer a personagem seja boa ou má, e rejeitam coisas que não querem ver ao apupar, a cantar "Boring!", ou a criar o seu próprio entretenimento entre eles. Uma plateia pode começar a fazer a onda; outra pode começar a cantar por um comentador ou pela equipa local de hóquei. Eu não sei de onde veio esta ideia de começar a tua própria diversão e parar de prestar atenção ao que está a ser apresentado, mas tem os seus prós e contras. Felizmente para mim, tem sido maioritariamente positivo. Por exemplo, no combate pelo título unificado WWE World Heavyweight Championship com o John Cena a enfrentar o Randy Orton, a plateia inicialmente rejeitou-o. Estavam a cantar "Boring!" e "Yes!" e "Isto é péssimo!" A cena é que não era péssimo. Foi um combate activamente bom, tanto que a mesma plateia que queria rejeitá-lo ao início, acabou por entrar nele ao final.

Sentei-me lá atrás em Pittsburgh durante o combate Royal Rumble do evento principal, a assistir e a perguntar-me se haveria algum negativismo discernível em relação à minha ausência da Rumble. Ao início não havia; havia cânticos de "Daniel Bryan!", mas dispersaram muito rapidamente. Falando no geral, os fãs estavam apenas a desfrutar da Rumble. Mas eles não sabiam que eu não ia estar no combate. Ainda não.

Quando o Batista - o que a WWE queria que fosse herói a encabeçar a Wrestlemania - saiu, a plateia apupou porque acharam que se eu não vencesse, seria ele. Pouco depois dele ter entrado, os cantos por mim aumentaram, e quanto mais o combate se aproximava da sua última entrada, mais altos ficavam esses cânticos. Quando a contagem para o trigésimo participante começou, os fãs estavam de pé em antecipação. Contudo, assim que a contagem estava completa e a buzina soou, em vez de ouvirem a "Ride of the Valkyries," ouviram a música do Rey Mysterio. Este foi o momento em que os fãs finalmente se aperceberam que eu não ia estar no combate, e começaram a vaiar - alto.

Enquanto assistia, eu instantaneamente me senti mal pelo Rey. Ele é a última pessoa a merecer esse tipo de reacção, e eu inspirei-me nele desde que estava no liceu. O Rey já superou mais lesões que alguém consiga contar, e ele sempre fez o seu melhor para entreter os fãs com o seu estilo high-flying apesar das consequências que possa ter no seu corpo. E no entanto os fãs apuparam-no porque ele não era eu, e eu era o que eles queriam. É estranho para mim estar a escrever isto agora. Soa egoísta, mas eu não sei de que outra forma o dizer. Os fãs viraram-se contra todo o combate. Vaiaram praticamente toda a gente excepto o CM Punk e o Roman Reigns. Quando o Batista venceu, a plateia-a apupou-o sem misericórdia, o homem que ia encabeçar a Wrestlemania. Depois seguiram com um sonoro cântico de "Daniel Bryan!" Estavam a dizer directamente à WWE o que queriam.

Têm que manter em mente que isto foi uma plateia numa noite. Nem todas eram assim, e o Batista conseguiu algumas espectaculares reacções positivas após ter voltado. A WWE sabia que o público da Wrestlemania ia ser muito semelhante a este, e perguntei-me se a WWE iria ouvir o que o público lhe dissera. Na verdade, parte de mim já estava conformada com apenas esperar que talvez eu pudesse construir ímpeto suficiente para a 'Mania do ano seguinte.

Na noite seguinte, outro incidente bizarro ocorreu. CM Punk deixou a WWE. Não sei porquê, e não é da minha parte adivinhar. Esse lado será para ele o contar, se ele escolher fazê-lo. Tudo o que eu sei é que ele foi e não voltou, e tudo o que posso dizer é quanto isso me afectou a mim. Quanto à WWE, a partida do Punk colocou a companhia numa estranha posição para a Wrestlemania; dois dos quatro grandes combates que eles planearam iam ser muito diferentes do que pensavam. Primeiro, o combate Punk-Triple H na Wrestlemania, nem sequer ia acontecer. E segundo, se avançassem com o combate pelo WWE World Heavyweight Championship entre Randy Orton e Batista, os fãs iam virar-se contra ele tal como se viraram ao combate Rumble.

Durante algumas semanas, não ouvi dizer nada sobre alguma mudança. Eu sabia que o Hunter me queria enfrentar na Wrestlemania. Infelizmente, mesmo na sua posição, o Hunter nem sempre obtém o que quer. Já o vi a sair de reuniões de produção de TV para discutir histórias, a parecer que tinha estado numa batalha e perdido. Acho que o Vince ainda tinha esperança que o Punk voltasse ou que o Batista reconquistasse a plateia. Nenhuma dessas coisas aconteceu, e então a WWE conseguiu a solução para ambos esses problemas: eu.

Não só os fãs me queriam nesse lugar, mas também fazia sentido na história. A Authority tinha-me impedido de ser campeão desde o SummerSlam do ano anterior, e cada vez que eu ficava próximo, tiravam-me isso. Ignoraram a minha popularidade e nem sequer me colocaram no combate Rumble por uma oportunidade para competir pelo título na Wrestlemania. Era uma história muito legítima que podia facilmente ser contada sobre a máquina corporativa (The Authority) a deter o homem pequeno (eu). Tudo o que tinham a descobrir era como nos fazer chegar lá.

A WWE apresentou uma ideia muito criativa baseada nos movimentos "Occupy" que protestavam contra desigualdades sociais e económicas, que estavam a acontecer por todo o mundo. Chamava-se "Occupy Raw," e eu, juntamente com uma data de "fãs" a usar t-shirts de Daniel Bryan, sequestramos o ringue e não saímos até termos o que queríamos. A maior parte dos fãs que estavam no ringue eram na verdade pessoas da produção e do refeitório que trabalham para a WWE, mas as pessoas no chão a rodear o ringue eram fãs verdadeiros. Não tenho a certeza de como esses indivíduos foram escolhidos, mas certamente estavam entusiasmados, o que ajudou. Um dos fãs verdadeiros chegou mesmo a saltar para o ringue e ficou ao meu lado enquanto eu estava sentado sobre o canto do ringue, e podiam vê-lo a tirar uma data de selfies durante o segmento inteiro.

O nosso apreensivo controlo do ringue ameaçou estragar o show, e após oferecerem quanta resistência conseguiram, a Authority finalmente nos deu o que queríamos: consegui um combate com o Triple H, e se eu vencesse, nessa mesma noite, eu seria inserido no combate pelo WWE World Heavyweight Championship e evento principal da Wrestlemania 30.


No próximo capítulo: Esta obra está prestes a culminar! Daí que agora as coisas abrandem um pouco antes do grande clímax. Segue-se um breve vigésimo-segundo capítulo com Bryan a contar sobre a experiência de comprar casa com Brie. O casório também se aproxima e não deixa de ser muito curioso de ler!

WWE Total Bellas (Season 4) 18.03.2019 | Vídeos (9º Episódio)


Devido ao sucesso que tiveram desde a primeira temporada do Total Divas, a WWE continua a apostar nos "reality shows".

As Bella Twins (Nikki e Brie Bella) têm direito ao seu próprio programa chamado Total Bellas, onde não só mostram o dia-a-dia das suas vidas e dos seus companheiros, mas também da sua mãe e irmão.


Vídeos


Season 4 Episódio 9



Season 4 Episódio 8



Season 4 Episódio 7



Season 4 Episódio 6



Season 4 Episódio 5



Season 4 Episódio 4



Season 4 Episódio 3



Season 4 Episódio 2



Season 4 Episódio 1



terça-feira, 19 de março de 2019

WWE Smackdown Live 19.03.2019 | Vídeos + Resultados


Este episódio do Smackdown Live (transmitido todas as terças-feiras) tem como destaque uma Gauntlet match, onde Kofi Kingston enfrentará outros cinco lutadores para conseguir sua title shot contra Daniel Bryan na Wrestlemania.

Para além disso, também estão confirmados os seguintes combates/segmentos:
  • Boss and Hug Connection vs The IIconics
  • The Miz responde o pronunciamento de Shane McMahon
  • O que seguirá agora para Becky Lnch e Charlotte Flair?

Resultados


1) The IIconics (Billie Kay & Peyton Royce) vencem WWE Women's Tag Team Champions Boss and Hug Connection (Sasha Banks & Bayley) por pinfall sem os títulos em jogo após Royce aplicar um "Folding Press" em Bayley.

2) Kofi Kingston vence Cesaro, Sheamus, Erick Rowan, Randy Orton e WWE United States Champion Samoa Joe em um Gauntlet Match PARA SE TORNAR O NOVO NUMBER ONE CONTENDER AO WWE CHAMPIONSHIP. A ordem de eliminações de Kingston foi a seguinte:
1. Sheamus por pinfall após aplicar um "Trouble in Paradise";
2. Cesaro por pinfall após aplicar um "S.O.S.";
3. Erick Rowan por desqualificação após Rowan atacá-lo com uma cadeira enquanto estavam fora do ringue. Em seguida, Erick aplicou um longo "Bear Hug" e acertou Kofi no poste do ringue, finalizando com um "Iron Claw" através da mesa de comentãrios.
4. Samoa Joe por pinfall após reverter um "Muscle Buster" em um "Folding Press". Após a eliminação, Joe prendeu Kingston em um "Coquina Clutch" por vários segundos.
5. Randy Orton por pinfall após aplicar um "Small Package".

* Após o combate, Big E e Xavier Woods vieram comemorar com Kofi. Nesse momento, Vince McMahon apareceu e disse que queria falar o que todos desejavam dizer, parabenizando o ganês e anunciando que ele ia para a Wrestlemania. Porém, ele só combateria no evento caso vencesse um último oponente, mandando o resto da New Day embora sob o risco de desqualificação para Kingston. O adversário escolhido por McMahon foi Daniel Bryan.

3) WWE Champion Daniel Bryan vence Kofi Kingston por pinfall sem o título em jogo após aplicar um "Knee Plus". Com esse resultado, Kofi perdeu a posição de Number One Contender ao WWE Championship.

* Após o combate, Woods e E foram ajudar Kofi, enquanto Bryan ria na rampa junto a Erick Rowan, sendo assim encerrado o programa.

Vídeos

ROH 17th Anniversary Show | Videos + Resultados


A Ring Of Honor apresenta o seu PPV de comemoração dos 17 anos de existência no mundo do wrestling chamado 17th Anniversary Show, onde como grande destaque será a defesa do ROH World Championship, em que o pretendente e atual ROH World Six-Man Tag Team Champion Matt Taven receberá finalmente a sua oportunidade pelo título ao desafiar o campeão Jay Lethal.

Para além disso, também contamos com a defesa dos ROH World Tag Team Championships, em que os campeões históricos The Briscoes defendem contra Brody King e PCO dos Villain Enterprises e ainda a defesa do Women of Honor World Championship em que a nova campeã Mayu Iwatani defende contra Kelly Klein. Tudo isto e muito mais...

Os combates confirmados para o evento são os seguintes:

CARD

ROH World Championship Match
Jay Lethal © vs. Matt Taven

ROH World Tag Team Championship Match
The Briscoes Brothers (Jay & Mark Briscoe) © vs. The Villian Enterprises (Brody King & PCO)

Women of Honor World Championship Match
Mayu Iwatani © vs. Kelly Klein

ROH World Television Championship Match
Jeff Cobb © vs. Shane Taylor

Tag Team Match
The Kingdom (Vinny Marseglia & TK O'Ryan) vs. Lifeblood (Tracy Williams & Mark Haskins)

Singles Match
Bandido vs. RUSH

Singles Match
Kenny King vs. Marty Scrull

Singles Match
Silas Young vs. Jonathan Gresham

PREVIEW


Para ler a preview da equipa, basta clicar na palavra a seguir: AQUI

Resultados


* Após o vídeo de apresentação, Ian Riccaboni dá as boas-vindas a todos em que irá comentar os combates juntamente com Caprice Coleman e para os próximos combates, o NWA World Heavyweight Champion Nick Aldis junta-se à mesa de comentadores...

1) Marty Scurll venceu Kenny King após dar uma pancada com o guarda-chuva sem o árbitro ver.

* Passa um vídeo a promover a rivalidade entre Shane Taylor e Jeff Cobb!

2) Jeff Cobb venceu Shane Taylor para reter o ROH World Television Championship após aplicar um segundo "Tour of the Islands".

* Mostram o que aconteceu no combate em que Kelly Klein perdeu o título para Mayu Iwatani no Bound For Honor...

3) Mayu Iwatani venceu Kelly Klein para reter o Women of Honor World Championship após aplicar um "Small Package" de repente, surpreendendo Kelly.

* Passam um vídeo do que aconteceu quando os Lifeblood juntamente com Jay Lethal destruíram o ROH World Championship falso de Matt Taven, enquanto os 3 membros dos Kingdom assistem ao sucedido...

* Quando toca a música dos Kingdom, em vez de aparecerem Vinny Marseglia e TK O'Ryan, aparece Matt Taven que caminha furiosamente para o ringue com o seu ROH World Six-Man Tag Team Championship, exigindo a Jay Lethal que venha para o ringue enfrentá-lo e que o combate entre eles seja AGORA!!! Nisto aparece o ROH World Champion Jay Lethal que está pronto para a ação e o combate principal vai acontecer...

4) Jay Lethal vs. Matt Taven pelo ROH World Championship termina num empate após o árbitro soar a campainha ao chegar ao minuto 60 e ambos os lutadores estarem no chão!

* Após o combate, ambos os lutadores ficam a olhar para os respetivos árbitros, até que aparece Marty Scurll que leva o ROH World Championship e sai do ringue com o título na sua posse, enquanto Lethal e Taven ficam a olhar.

* Ian Riccaboni está na rampa de entrada para falar sobre o maior evento de sempre na história da ROH e apresenta o rapper Mega Ran para este cantar o seu novo single "Going to the Garden" que será a música oficial do G1 Supercard. Quando estão a acabar de atuar, Bully Ray aparece e manda-os abaixo dizendo que a música deles não presta e avisa-os para terem cuidado ao meterem-se com ele... Mega Ran fala como quando jogava no Raw vs. Smackdown ele escolhia o D-Von Dudley em vez do Bubba Ray, deixando Bully irritado! Este empurra ambos os cantores e depois fala como é o único que já participou na arena mais famosa do wrestling e que deixa um desafio aberto a qualquer lutador (seja desta companhia ou doutra) para o enfrentar num New York City Street Fight e que esse lutador sabe bem quem é que ele se refere... PUNK!

* Mostram a entrevista que fizeram a RUSH no qual foi interrompido por Bandido, desafiando-o para o combate que irá acontecer neste PPV! Dalton Castle junta-se à mesa de comentadores para o próximo combate...

5) RUSH venceu Bandido após aplicar um "Running Dropkick" no canto do ringue.

* Depois do combate, Dalton Castle sai da mesa de comentadores e entra no ringue enquanto RUSH fica a olhar para ele. Dalton pega num microfone e lança o desafio para ele e RUSH batalharem na arena mais famosa do mundo, no qual RUSH aceita e diz que o irá aniquilar quando se encontrarem!

* Os comentadores Ian Riccaboni e Caprice Coleman anunciam que devido ao que aconteceu durante o combate pelo ROH World Championship, em que os Kingdom atacaram a perna de Jonathan Gresham, o combate DESTE vs. SILAS YOUNG NÃO IRÁ ACONTECER NESTE PPV. Para além disso, os três membros dos Kingdom saíram da arena, portanto o combate de VINNY E TK O'RYAN VS. LIFEBLOOD TAMBÉM NÃO IRÁ ACONTECER. Nisto aparece Silas Young que se junta à mesa de comentadores para o último combate da noite.

* Passam um vídeo a promover a rivalidade entre os Briscoes e os Villain Enterprises...

6) Villain Enterprises (Brody King e PCO) venceram The Briscoes (Mark e Jay Briscoe) num "Las Vegas Street Fight" para se tornarem nos NOVOS ROH WORLD TAG TEAM CHAMPIONS após PCO aplicar um "PCOsault" através da cadeira em Jay Briscoe.

Vídeos

segunda-feira, 18 de março de 2019

WWE Monday Night Raw 18.03.2019 | Vídeos + Resultados


Este episódio do Monday Night Raw (transmitido todas as segundas-feiras), tem como destaque a presença do campeão Universal Brock Lesnar.

Para além disso, também estão confirmados os seguintes combates/segmentos:
  • Finn Bálor e um parceiro à sua escolha contra Bobby Lashley e Lio Rush
  • Kurt Angle anuncia seu adversário da Wrestlemania
  • Dana Brooke vs Ronda Rousey pelo Women's Title
  • Irá Beth Phoenix voltar a competir?



Resultados


1) Finn Bálor & Braun Strowman vencem WWE Intecontinental Champion Bobby Lashley & Lio Rush por pinfall após Strowman aplicar um "Running Powerslam" em Rush.

2) Elias vence No Way José por pinfall após aplicar um "Drift Away".

3) Kurt Angle vence Chad Gable por submissão após aplicar um "Ankle Lock".

* Após o combate, quando Angle e Gable se abraçavam em respeito, Baron Corbin apareceu e disse que estava ofendido pelas vaias que ele, oponente escolhido por Kurt para a Wrestlemania recebia. Baron diz que realmente amou o período em que humilhava e ria de Angle, quando se tornou GM do Raw, atestando que iria se sentir ainda melhor ao fazê-lo no último combate da carreira do medalhista olímpico. Ele afirmou que não importa o que ele tenha feito durante a carreira, ou o quão grandioso ele foi, as pessoas iriam se lembrar apenas da sua última luta.

4) WWE Women's Tag Team Champion Sasha Banks (c/ WWE Women's Tag Team Champion Bayley) vence Natalya (c/ Beth Phoenix) por desqualificação após Tamina Snuka atacá-la com um "Superkick". Ao final do combate, Nia Jax apareceu no palco e disse que Phoenix tinha inveja dela, pois em apenas três anos, Nia tinha conquistado mais coisas que Beth durante toda a carreira. Enquanto ela dizia que era uma versão melhorada de Phoenix, Tamina aproveitou para atacá-la pelas costas, derrubando as campeãs em seguida com "Superkicks", e indo para junto de Jax.

5) Ricochet vence Jinder Mahal (c/ Sunil e Samir Singh) por pinfall após aplicar um "630° Senton".

6) Ronda Rousey vence Dana Brooke por submissão para reter o Raw Women's Championship após aplicar um "Cross Armbar".

* Após o combate, Rousey continuou prendendo Dana na submissão até outro árbitro aparecer e tentar impedi-la. Ela empurra esse árbitro e a segurança é chamada para tentar contê-la antes que algo mais grave aconteça. Quando eles se aproximam, Ronda ataca sem pensar, e após um deles tentar segurá-la, seu marido Travis Browne o acerta com um soco, derrubando-o. Em seguida, Travis puxa a campeã para o outro lado da barreira de proteção e vai embora junto a ela.

7) Apollo Crews vence Baron Corbin por pinfall após reverter um "End of Days" em um "Small Package".

* Após o combate, Kurt Angle apareceu na rampa para comemorar junto a Apollo.

8) Drew McIntyre vence Seth Rollins por pinfall após aplicar um "Claymore". Ao final do combate, Brock Lesnar e Paul Heyman apareceram na rampa, distraindo Seth e dando a brecha para Drew finalizá-lo. O programa se encerrou com Lesnar rindo da situação enquanto Rollins o encarava furioso do ringue.


Vídeos

domingo, 17 de março de 2019

IMPACT Wrestling 15.03.2019 | Vídeos + Resultados


Este episódio do IMPACT Wrestling, exibido simultaneamente pelo canal Pursuit e pelo Twitch, tem destaque para o combate entre Johnny Impact e Brian Cage pelo Impact World Championship.

Para além disso, também estão confirmados os seguintes combates/segmentos:
  • Rich Swann, Willie Mack e Tommy Dreamer vs oVe
  • KM e Fallah Bahh vs Reno Scum
  • Tessa Blanchard enfrentando Jordynne Grace pelo contendership ao Impact Knockouts Title
  • Eli Drake e Edie Edwards vs Desi Hit Squad

Resultados


1) Ohio Versus Everything (Sami Callihan, Jake & Dave Crist) vencem Impact X-Division Champion Rich Swann, Willie Mack & Tommy Dreamer por pinfall após Callihan aplicar um "Short Piledriver" em Dreamer.

2) Glenn Gilbertti vence Kikutaro por pinfall após aplicar um "Chart Buster".

3) KM & Fallah Bahh vencem Reno Scum (Adam Thorstowe & Luster The Legend) por pinfall após Bahh aplicar um "Samoan Drop" em Thornstowe.

4) Jordynne Grace vence Tessa Blanchard por pinfall PARA SE TORNAR A NOVA NUMBER ONE CONTENDER AO IMPACT KNOCKUOT'S CHAMPIONSHIP após aplicar um "Grace Driver".

* Após o combate, Tessa teve um ataque de raiva, trocando provocações com o público e brigando com os comentaristas Josh Matthews e Don Callis. Em seguida, ela foi até o cronometrista e o puxou até o ringue, onde o atacou com vários socos, parando apenas quando Gail Kim apareceu para impedi-la. A Hall of Famer acertou vários socos e um "Elbow Drop" na lutadora, antes de retirá-la do ringue, continuando a provocá-la quando esta foi para a rampa de acesso.

5) Eli Drake & Eddie Edwards vencem Desi Hit Squad (Rohit Raju & Raj Singh c/ Gama Singh) por pinfall após Eddie acertar Raju com seu kendo stick quando o árbitro estava distraído.

Vídeos

sábado, 16 de março de 2019

Kurt Angle - WWE Champion, Do Pior Para O Melhor Reinado

Olá, eu sou o Tomás e sejam bem-vindos ao artigo. Hoje vou olhar para a carreira de um excelente lutador que se prepara para participar no seu último combate na WWE.

Este senhor estreou-se oficialmente no Survivor Series 1999 com uma vitória sobre Shawn Stasiak e, apenas 11 meses depois, estava já a vencer o seu WWF Championship frente ao The Rock no No Mercy.

Ele acabaria por ficar na WWE até 2006, acabando por ganhar mais cinco título mundiais pelo caminho e marcando o seu nome como um dos melhores lutadores de sempre não só na WWE, mas também no desporto do pro wrestling.

Para além dos seus seis reinados, ficaram também para a história combates absolutamente fantásticos frente a adversários tais como The Rock, Stone Cold Steve Austin, Edge, Eddie Guerrero, Chris Benoit, Shawn Michaels, The Undertaker, por aí fora. Estou a falar, claro está, do Kurt Angle. Espero que gostem de reviver os seis reinados de Kurt enquanto campeão mundial na WWE.

Boa leitura!

6. WCW World Heavyweight Champion – de 24/07/2001 a 30/07/2001 (2º reinado) – 6 dias 


Depois de ter perdido o seu primeiro WWF Championship para o The Rock no No Way Out em fevereiro de 2001, Kurt esteve envolvido num programa com Chris Benoit, em que os dois decidiram dar espetáculo fosse em RAW, SmackDown ou em PPV em qualquer que fosse a estipulação, abrindo os olhos aos fãs de quão bons eram.

Depois disto, Kurt decidiu sacar o combate da vida do Shane McMahon que, embora seja o melhor wrestler do mundo, não se esqueçam que não é treinado. Durante a confusa história da invasão da Alliance WCW & ECW, Kurt Angle teve um breve reinado que poucos se lembram enquanto WCW World Heavyweight Champion.

O reinado começou no SmackDown de 26 de julho de 2001 (gravado a 24 de julho) em que Angle venceu Booker T, perdendo o título apenas 6 dias (4 se contarmos que ganhou no dia que o SmackDown deu) pois Angle perdeu-o de volta para o Booker numa desforra no RAW. No mês seguinte, Angle teve um combate fantástico com o Stone Cold Steve Austin no SummerSlam pelo WWF Championship.

5. WWF Champion – de 23/09/2001 a 08/10/2001 (3º reinado) – 15 dias 


O combate com Austin no SummerSlam foi violento e épico, o trabalho do Stone Cold como vilão é simplesmente brutal. Austin faz o papel de bully paranoico que tenta, de qualquer forma, sair com o seu título, atacando três árbitros na tentativa de se desqualificar. Por fim, Angle aplica um Angle Slam mas o quarto árbitro que surge é Nick Patrick (membro dos Alliance, colega de Austin), que desqualifica Austin durante o assentamento, dando a vitória mas não o título a Kurt.

Entretanto, aconteceu o 11 de setembro que “obrigou” a WWF a colocar o título no Kurt Angle. Isso aconteceu no Unforgiven, em que Angle derrotou Austin (embora não de forma limpa, de modo a proteger Austin).

Apenas 15 dias depois no RAW, Angle perdeu o título de volta para Stone Cold Steve Austin após interferência do WWF Commissioner William Regal, que se juntou à Alliance. Este reinado não foi nada demais e provavelmente não teria acontecido caso não tivessem acontecido os ataques de 11 de setembro, mas mesmo assim foi melhor do que o reinado enquanto WCW Champion.

4. WWF Champion – de 22/10/2000 a 25/02/2001 (1º reinado) – 126 dias

Pessoalmente, não fui fã deste primeiro reinado do Kurt Angle. Acho que foi boa a ideia de colocar o título no Angle, mas por outro lado, acho que a ideia de o ter tornado num cromo que não conseguia ganhar sem ajuda aos mais modestos adversários foi terrível.

Havíam outras formas de ter feito isto, nomeadamente ter sido o Kurt quem tinha atropelado o Stone Cold Steve Austin no Survivor Series 1999 (a mesma noite da estréia do Angle), mas isso é um tema para outro artigo, quem saiba.

Em outubro de 2000, apenas 11 meses após a sua estreia no Survivor Series 1999, Kurt Angle derrotou The Rock pelo WWF Championship no No Mercy. O que se seguiu foi um reinado decente, mas que poderia ter sido muito melhor.

No Survivor Series, Angle teve um combate fraco com The Undertaker, em que o ‘Taker dominou por completo e no fim o Angle sofre um Last Ride, troca de lugares com o seu irmão (Eric Angle), que vence e mantém o título de Kurt com um roll-up. Meh, mau início.

No Armageddon, Angle defendeu o título no famoso Armageddon Hell in a Cell Match, em que ele derrotou The Rock, Stone Cold, Triple H, The Undertaker e Rikishi. O combate foi bastante violento e teve spots interessantes, enquanto o vilão Angle tentava afastar-se ao máximo da confusão. No final, Angle aproveita um Stunner de Austin no The Rock para lhe roubar o pin e sair com a vitória. Depois do combate, Angle leva um Stunner daquele que seria, claramente, o vencedor da Royal Rumble e iria enfrentar o The Rock no main event da WrestleMania X-Seven.

Espetacular, muito melhor! Mas, infelizmente, as coisas não continuaram muito bem. Na Royal Rumble, Angle defendeu frente ao Triple H, que era uma máquina nesta altura de 2000-01. Só que, à boa maneira WWE, eles decidiram que era boa ideia colocar uma história entre o Vince, a Stephanie e a Trish Stratus(!) no meio deste combate com muito potencial, e tivemos várias interferências estúpidas e as camâras a focarem nos outros três durante a própria luta.

Resultado? Um combate decente que podia e devia ter sido fantástico. O Angle acabou por defender com sucesso frente ao Triple H antes de o perder, logicamente, para o The Rock num combate maravilhoso no No Way Out.

Infelizmente para eles, o Austin vs Triple H aconteceu nessa mesma noite e este combate ficou um pouco perdido na sua sombra. Mesmo assim, caso nunca tenham visto não hesitem: Kurt Angle vs. The Rock – No Way Out 2001. Não se vão arrepender… tirando um pequeno run-in estúpido do Big Show!

3. World Heavyweight Champion – de 10/01/2006 a 02/04/2006 (6º reinado) – 82 dias 


Por esta altura, Kurt Angle era seguramente o melhor wrestler na WWE. Depois de uma fantástica rivalidade com o Shawn Michaels em 2005 repleto de combates brilhantes (especialmente na WrestleMania 21), uma lesão do World Heavyweight Champion Batista do lado do SmackDown complicou os planos da WWE.

Entra o Kurt Angle. Diretamente vindo do RAW, Angle apareceu de surpresa no SmackDown de 12 de janeiro (gravado a 10) numa Battle Royal pelo título vago, em que acabou por eliminar Mark Henry no final.

Tal como o seu primeiro reinado como WWF Champion em 2000-2001, este reinado está cheio de altos e baixos que me impedem de o colocar ainda num lugar mais alto nesta lista. Angle começou por defender o título frente ao Mark Henry no main event da Royal Rumble 2006.

Henry este que, não se esqueçam, era um lutador terrível nos seus primeiros anos e demorou mais de uma década a ficar minimamente decente. O combate é simplesmente fraco, termina com a vitória do Kurt e com uma aparição do The Undertaker de seguida.

Isto acabou por ser positivo, já que o Angle e o Undertaker decidiram ter um combate épico no No Way Out (outro que recomendo aos que nunca viram!), em que o Angle usa um misto de força com técnica para anular o Undertaker, naquele que foi talvez o último grande combate de Kurt Angle na WWE antes da sua saída em agosto desse ano.

Angle vence ao colocar os ombros de ‘Taker no chão durante um Hell’s Gate e semanas depois, no SmackDown, os dois tiveram novamente um combate muito bom que terminou com interferência do Mark Henry, que atacou Undertaker.

Na WrestleMania 22, Angle defendeu o seu título frente ao Randy Orton e Rey Mysterio num combate que foi encurtado devido a falta de tempo (tinham de guardar tempo precioso para um Pillow Fight entre a Candice Michelle e a Torrie Wilson, é compreensível…). Os três fantásticos atletas acabaram por fazer o seu melhor em 6 minutos, embora tivessem capacidade para terem produzido um combate épico. O Kurt foi também um pouco colocado de parte nesta história, já que isto foi mais o Mysterio a derrotar o vilão desrespeitoso Orton do que qualquer outra coisa. Mesmo assim, o Angle era uma máquina e tornou um reinado que tinha tudo para ser mau nas mãos de qualquer outro num reinado decente.

2. WWE Champion – de 27/07/2003 a 16/09/2003 (5º reinado) – 51 dias 


Depois de ter partido o pescoço (uma das 418,292 vezes), Kurt Angle regressou em junho com a intenção de recuperar o WWE Championship que tinha perdido para Brock Lesnar na WrestleMania. Angle derrotou ambos Lesnar e Big Show num Triple Threat no Vengeance e resumiu a sua fantástica história com Brock depois disto.

Lesnar tornou-se vilão no início de agosto, destruindo Angle e passando a torturar adversários mais vulneráveis tais como Spanky, Zach Gowen e até mesmo a própria Stephanie McMahon. A melhor versão do Brock Lesnar!

No SummerSlam, Angle obrigou Lesnar a desistir a um Ankle Lock mas, pouco menos de um mês depois, a sua irmã morreu e Angle teve de perder o título. Apenas um dia depois da morte da irmã, Angle conseguiu fazer um dos melhores combates na história da WWE TV, um Iron Man Match de 60 minutos frente ao Brock Lesnar que é ainda hoje o melhor combate de sempre no SmackDown.

Para os que não percebem porque é que o Kurt Angle é uma máquina, primeiro é porque nunca o devem ter visto no seu auge, segundo este facto prova-o. Os dois tiveram uma prestação maravilhosa com o Brock a vencer no final por 5-4 num combate dramático, que terminou com Brock a resistir e a não desistir a um Ankle Lock enquanto o tempo termina. Fantástico!

1. WWE Champion – de 15/12/2002 a 30/03/2003 (4º reinado) – 105 dias 


Após meses de combates épicos com Edge, Chris Benoit, Eddie Guerrero, Chavo Guerrero e Rey Mysterio (a era dos SmackDown Six), Kurt Angle derrotou Big Show pelo WWE Championship no Armageddon em dezembro de 2002 com ajuda de Brock Lesnar, em troca de uma oportunidade pelo título.

No entanto, Angle traíu Lesnar e acabou por ser uma armadilha, já que Angle estava aliado a Paul Heyman e estreou Shelton Benjamin e Charlie Haas (Team Angle) para ajudá-lo. Brock Lesnar acabou por ter de ganhar a Royal Rumble para forçar a sua oportunidade pelo título na WrestleMania XIX.

Antes disso, na Royal Rumble, Kurt Angle defendeu o seu título frente ao Chris Benoit naquele que é, sem qualquer dúvida, um dos MELHORES combates de SEMPRE na WWE. Sem qualquer dúvida, é um combate perfeito digno de ser visto e revisto.

Em fevereiro, Angle infelizmente partiu o pescoço. Na WrestleMania XIX, Angle lutou lesionado e mesmo assim fez um fantástico combate frente ao Brock Lesnar, perdendo o WWE Championship para Lesnar não antes de o Brock quase se ter matado ao tentar um Shooting Star Press. Foi um reinado muito bom com o objetivo de colocar o título de volta nas mãos do Brock Lesnar e o Kurt Angle fez um excelente trabalho.

Simplesmente maravilhoso, que máquina! Espero que tenham gostado, estes foram os seis reinados do Kurt Angle enquanto campeão mundial na WWE.

Deixem nos comentários quem acham que deveria ser o último adversário do Kurt Angle na WWE se não for o John Cena. Eu gostaria de ver um Pete Dunne, que acham!? Obrigado por lerem!

WN Apostas 2019 (1ª Temporada) | ROH 17th Anniversary Show


Uma companhia de wrestling celebra os seus 17 anos de existência com um tradicional PPV numa noite de sexta-feira e todas as cartas estão em cima da mesa nesta estrada para o evento histórico que irá mudar a ROH para sempre. Sejam bem-vindos à primeira e renovada temporada de apostas de 2019 do Wrestling Notícias, em que como já tiveram oportunidade de ver, o sistema mudou completamente.

sexta-feira, 15 de março de 2019

ROH 17th Anniversary Show | Preview


A Ring Of Honor apresenta o seu PPV de comemoração dos 17 anos de existência no mundo do wrestling chamado 17th Anniversary Show, onde como grande destaque será a defesa do ROH World Championship, em que o pretendente e atual ROH World Six-Man Tag Team Champion Matt Taven receberá finalmente a sua oportunidade pelo título ao desafiar o campeão Jay Lethal.

Para além disso, também contamos com a defesa dos ROH World Tag Team Championships, em que os campeões históricos The Briscoes defendem contra Brody King e PCO dos Villain Enterprises e ainda a defesa do Women of Honor World Championship em que a nova campeã Mayu Iwatani defende contra Kelly Klein. Tudo isto e muito mais...

Os combates confirmados para o evento são os seguintes:

CARD

ROH World Championship Match
Jay Lethal © vs. Matt Taven

ROH World Tag Team Championship Match
The Briscoes Brothers (Jay & Mark Briscoe) © vs. The Villian Enterprises (Brody King & PCO)

Women of Honor World Championship Match
Mayu Iwatani © vs. Kelly Klein

ROH World Television Championship Match
Jeff Cobb © vs. Shane Taylor

Tag Team Match
The Kingdom (Vinny Marseglia & TK O'Ryan) vs. Lifeblood (Tracy Williams & Mark Haskins)

Singles Match
Bandido vs. RUSH

Singles Match
Kenny King vs. Marty Scrull

Singles Match
Silas Young vs. Jonathan Gresham

PREVIEW




Singles Match
Jonathan Gresham vs. Silas Young

Chris JRM – Último combate anunciado para completar o card e fazer colidir estilos e personalidades. Que não podia realmente haver estilos e personalidades mais díspares que a destes dois, que naão terão muita simpatia um pelo outro, por essas diferentes ideias e por recentes conflitos entre variadas personalidades do plantel e Bully Ray, autor de variadas atrocidades.

A história na qual se focarão muito durante o combate é precisamente a do pouco historial que têm entre eles, sendo este apenas o segundo encontro entre os dois. A vitória anterior de Silas Young no seu embate será a nuvem a pairar sobre eles e o que me faz acreditar que neste interessante combate de aquecimento - se não for a abertura, deve vir logo a seguir - a coisa será equilibrada mas sorria para o "polvo" Gresham.

Não só porque ele, mesmo após já ter crescido imenso, continua em crescimento e os deus dotes técnicos estão a chegar-se cada vez mais à frente e uma boa vitória com esses mesmos dotes só traz benefício. E assim empata a disputa e até cheira que ele venha a ter novas disputas por ouro num futuro não tão distante.

Vencedor: Jonathan Gresham

Fábio Santos – No mundo do wrestling vai sempre haver casos bicudos e neste combate não é exceção, pois num lado tens um dos melhores lutadores técnicos (Jonathan Gresham) e no outro tens um veterano que ainda consegue ser um "heel" à moda de espancar todos e mais alguns (Silas Young), portanto espera-se aqui um confronto interessante.

Quando falo em caso bicudo é no sentido que ambos os lutadores têm a ganhar com esta vitória pois por um lado creio que Gresham está mais que pronto para começar a ser destaque na ROH, enquanto que no outro lado, Silas precisa de vencer para se algum dia voltar a ser uma ameaça pelo título principal.

No entanto, quero apostar no Gresham pelo facto de ser aquele que mais necessita, pois o Silas Young acaba por ser aquele lutador que tem o "amor à camisola" e se for preciso perder, ele faz questão para credibilizar a derrota, daí que aponto a vitória para Gresham.

Vencedor: Jonathan Gresham



Singles Match
Kenny King vs. Marty Scurll

Chris JRM – O inevitável que ia ter acontecer: o "Villain" deixar de ser um vilão porque já era demasiado popular. Já sem associação aos Bullet Club, parte para um novo rumo onde lidera e tem a sua carreira a solo em vista - lá se abasteceu com uma metade dos Quebecers e siga, que já temos stable!

Ele já venceu o seu direito a um combate pelo TV Championship. E Kenny King acredita e defende que ele é merecedor de um combate pelo World Championship. E além dessas divergências, não se curtem lá muito um ao outro.

Que é a principal base que os coloca frente a frente. As simpatias que vão trocando, os golpes baixos. Enfim, é só amor. E será um igualmente amoroso combate, até deixo assim uma nesga aberta para que a feud não se conclua aqui e algo aconteça que a faça prolongar.

Com coisas em jogo, já que ambos têm coisas a reivindicar. Mas sem olhar a isso, após um combate muito divertido e com bem mais história que um mero spotfest, veria Marty Scurll a vencer, por também ter o seu grupo ainda criado de fresco e a beneficiar de umas boas vitórias - quando duvido, mas considero, que conquistem os Tag Team Championships aos Briscoes - especialmente aqui do seu líder. Com um bem temporizado e aplicado Chickenwing.

Vencedor: Marty Scurll

Diego Meira – Um combate entre dois dos pilares do midcard da RoH parece uma ideia bastante atrativa. Juntando a isso o fato da luta ocorrer na cidade natal de um deles, e que este “um” tem ganhado diversas vezes do outro das maneiras menos limpas possíveis, faz com que muitos não consigam esperar para ver a luta começar.

Kenny King seguiu enfrentando Marty Scurll ao longo dos meses em diversas oportunidades, mas em todas aquelas onde se sobressaiu ao “Villain” utilizou de métodos pouco honrosos para alcançar a vitória. Não é preciso pensar muito sobre como uma vitória aqui serviria de vingança para Marty, ainda mais porque o britânico não é de permitir que lhe façam de idiota.

O fato do combate ser na terra natal de Kenny pode ser bom e ruim ao mesmo tempo para este. Apesar de poder encontrar apoio de seus compatriotas, sua personalidade heel pode fazer com que estes rapidamente pendam ao lado de Scurll, e isso pode muito bem distraí-lo durante a luta. E sabemos que com um “vilão” não se deve ter distrações.

Assim, considerando também as possibilidades futuras que envolvem Marty (mais especificamente, sua disputa com o Kingdom e aspirações ao título de Jay Lethal), acho que ele vai conseguir se vingar da vergonha que King lhe fez passar, e dará o próximo passo na busca pelos cinturões que almeja, seja o de trios, seja o título mundial.

Vencedor: Marty Scurll



Singles Match
Bandido vs. RUSH

Chris JRM – Um desafiou e o outro aceitou. Tão simples quanto isso, até porque nem era preciso mais, o combate agendava-se sozinho. Duas recentes contratações quentes, loucos high flyers e a representar a lucha libre na Ring of Honor.

É claro que se iam enfrentar. Não iam estar a perder muito tempo antes de colocar esses dois aos pinchos no ringue e a deixar o exaltado povo vesgo a tentar acompanhar-lhe os passos. Que não andarão propriamente a passo.

Mas há uma coisa a alertar. Será um combate com adrenalina lá no alto. Mas de agradar a todos? Estão a ver aqueles vídeos que vão percorrendo a mostrar spots em indys com uma sucessão de uma data de manobras de alto impacto a ser aplicadas uma após a outra com zero sell? - não há algo protagonizado por algum destes, mesmo? Pronto, é possível que aqui optem por parecido.

Muitos não apreciarão o tipo de acção que se poe desenrolar aqui. É para um público ruidoso a reagir em pasmo a cada spot louco que será este combate e não para os mais puristas. Uma descarga de spots que excite bastante no momento, mesmo que não se torne tão permanentemente memorável.

É o que se espera que saia daqui e não acho que vão tentar enganar muito a tentar vender qualquer coisa. Flips para um lado e para o outro. Equilibrado. Pode pender para qualquer um mas defendo que vá para um integrante de um grupo que acho que precise de ganhar todos os combates em que esteja envolvido, esta noite.

Vencedor: Bandido

Fábio Santos – Não quero fazer comparações, mas juntas estes dois como uma equipa e tens a solução da ROH para colmatar a saída dos Young Bucks (tirando a parte do merchandise). Fora de brincadeiras, temos aqui um potencial combate da noite entre dois talentos natos!

Desde que se estrearam na ROH, nenhum deles sofreu uma derrota oficial e basicamente a ideia deste combate é promover apenas o wrestling praticado por ambos, no qual por um lado é bom mas falta sempre aquela parte que é essencial neste mundo, que é a história que levou à marcação disto.

De qualquer das formas, acredito que venha uma excelente colisão e creio que seja Bandido a obter a derradeira vitória neste combate!

Vencedor: Bandido



Tag Team Match
Lifeblood (Tracy Williams & Mark Haskins) vs. ROH World Six-Man Tag Team Champions The Kingdom (Vinny Marseglia & TK O'Ryan)

Chris JRM – Os Kingdom são suficientemente detestáveis para que toda a gente tenha problemas com eles, as coisas têm é que se resolver umas de cada vez. Seria de esperar que, ao serem honrados com a apresentação dos Villain Enterprises, que agora levassem com eles pelos Six-Man Tag Team Championships.

Mas isso terá que aguardar para o dia seguinte, para as gravações, porque os líderes dos trios têm outros assuntos importantes a tratar na noite de aniversário, especialmente Matt Taven. Mas há mais grupos que não gostem lá muito dos Kingdom.

Como os recém-formados e apresentados Lifeblood, que patrocinaram e participaram na destruição do título fajuto de Matt Taven. Recorrendo às próprias armas de estimação do Sr. O'Ryan e do Sr. Marseglia.

Já dá para se marcar algo, com bom heat, com Mark Haskins e Tracy Williams a representar os Lifeblood contra os detestáveis TK O'Ryan e Vinny Marseglia, num combate que ainda tem alcaboiço para roubar uma porçãozinha do show. Defendo que os Lifeblood precisam de domínio - quer como boa gente ou como potenciais futuros vilões - e as vitórias têm que vir imediatamente e prolongar-se.

Peço desculpa aos Kingdom, eles lá terão os seus cintos ainda - pelo menos até ao dia seguinte, depois vê-se - mas a loucura dos seus integrantes e machados a acompanhar não deverão ser suficientes para deter este promissor sangue novo que vem para virar a Ring of Honor ao contrário, para aquilo que eles acham que ela realmente era e devia ser.

Vencedores : Lifeblood (Tracy Williams & Mark Haskins)

Fábio Santos – Lifeblood... grupo criado para reestabelecer a honra de volta à Ring of Honor e que parece a coisa mais aleatória de sempre em termos de juntar lutadores. Nada contra o grupo, porque são nomes interessantes e bem bons no que fazem, mas fizeram isto de uma forma bem apressada pois de um momento para o outro, a ROH deixou de ter um dos grupos mais fortes, Bullet Club.

Seja como for, este combate tem um bocadinho de história, pois os outros dois membros dos Kingdom tiveram de assistir juntamente com o líder à destruição do "verdadeiro" ROH World Championship, com os Lifeblood a bloquearem o caminho, enquanto Jay Lethal destruía o cinto juntamente com Tenille Dashwood!

Eu vou pela teoria que, se Taven vence no "main-event", os Kingdom ganham aqui neste combate, mas como acho que não é isso que vai acontecer e como os Lifeblood precisam de se estabelecer como um grupo dominante, vou apostar em Tracy e Haskins.

Vencedores: Lifeblood (Tracy Williams & Mark Haskins)



ROH World Television Championship Match
Jeff Cobb © vs. Shane Taylor

Chris JRM – Pronto, assim sim, tinha que chegar. Jeff Cobb, o dominante Jeff Cobb, a lidar com alguém do tamanho dele. Não é bem o caso, ele é encorpado mas baixo e o Punishment Martinez até é um cavalheiro bem grandinho, mas esse lá tinha para onde ir.

Em termos de força e poder brutos, já Cobb tem à sua frente um bom rival em Shane Taylor que lá descobriu que mais giro que andar a ser pago por outros pequenotes para fazer a folha a alguém, é ganhar um título e facturar os desejados trocos a partir disso mesmo.

Os seus estilos não são tão semelhantes como possa parecer à primeira e como talvez tentarão vender um pouco. Jeff Cobb mistura bastante a força com o atletismo, enquanto Shane é bem mais à base da força bruta. Estilos ainda chegam a colidir e dá para um combate interessante.

Mas a história é a de que as coisas estão mais difíceis para o Campeão, já não vai poder dominar este brutamontes da mesma forma que já fez com outros e entra aqui como um falso underdog, só porque vai passar um pouquinho mais de trabalho.

Mas "dominante" é uma palavra-chave aqui, que é que deve ser o reinado aqui do ex-Matanza e ainda não teve a longevidade para isso. Deverá reter aqui o cinto, com um obstáculo difícil, algo que apenas irá aumentar. Afinal o quão especial é Shane Taylor, de qualquer forma?

Vencedor: Jeff Cobb (AINDA CAMPEÃO)

Diego Meira – Um novo encontro entre colossos na disputa pelo Television Title. Ano passado, Shane Taylor e Jeff Cobb se enfrentaram sem o título em jogo, e o gigante da Polinésia levou a melhor, ainda que recebendo uma boa ofensiva do adversário. Nesta segunda oportunidade, Shane pode conseguir aquilo que ninguém ainda foi capaz: derrotar Jeff.

O campeão continua sendo uma máquina imparável, mas Taylor também vem demonstrando grandes melhorias em suas habilidades, e dificilmente será um adversário fácil para ele. Entretanto, o grande show conjunto com a New Japan, no Madison Square Garden, se aproxima, e não acredito que seja do interesse da RoH retirar de Cobb o cinturão agora.

Consigo ver uma luta intensa entre os dois, mas no final das contas, deve ser Jeff Cobb a emergir campeão e seguir sua trilha imaculada ao grande evento do MSG.

Vencedor: Jeff Cobb (AINDA CAMPEÃO)



Women of Honor World Championship Match
Mayu Iwatani © vs. Kelly Klein

Diego Meira – Mês passado, no Bound by Honor, Iwatani Mayu sagrou-se a nova campeã feminina da RoH ao vencer Kelly Klein, em um combate que foi bastante elogiado. Passado algum tempo, as duas voltam a se enfrentar agora que Mayu provou seu valor defendendo o cinturão na Stardom.

Alguns consideram que as melhores prestações de Klein na empresa foram seus combates contra Iwatani, então pode-se esperar pela repetição da qualidade vista em seu último confronto, com mais ímpeto da desafiante, visto esse ser o “rematch” daquele combate onde saiu por baixo.

Ainda assim, Mayu tem pouco menos de um mês como campeã, além de estar escalada para o show do MSG, o que me faz ter poucas dúvidas de que ela vá sair como vencedora desta luta. Claro que, se tratando da RoH, podemos esperar por pelo inesperado, e uma nova troca de título não é uma opção descartada. Mesmo assim, continuo acreditando que a japonesa permanecerá como a WoH Champion.

Vencedora: Mayu Iwatani (AINDA CAMPEÃ)

Fábio Santos – Por esta não estava à espera, pois a Kelly Klein parecia ser uma derradeira aposta da ROH na Women of Honor, mas de repente foi perdendo e teve um 2018 que terminou numa nota boa, pois no Final Battle capturou o que merecia... o Women of Honor World Championship!

No entanto surge Mayu Iwatani e para fortalecer um pouco a parceria que a ROH tem vindo a ter com a NJPW e com a Stardom, colocam a jovem lutadora japonesa como a campeã da ROH e agora vem a "obrigatória cláusula de desforra" para este PPV.

A Kelly Klein tem talento não há como negar mas sinto que naqueles em que devia brilhar, parece que ela erra e não vai de encontro às expetativas e daí que muitas vezes tem havido poucas oportunidades para Kelly continuar a combater! E neste caso, contra a Mayu Iwatani parece ser mais um teste para Kelly se adaptar a estas situações de grande tensão no ringue.

Sinto que a Mayu está apenas como campeã de transição para que a próxima campeã esteja pronta para continuar a construir o legado da Women of Honor e sinceramente creio que Kelly vai capturar de novo o título antes de chegar ao Madison Square Garden num combate que acho que tem potencial para ser muito bom se lhes derem o tempo suficiente!

Vencedora: Kelly Klein (NOVA CAMPEÃ)



ROH World Tag Team Championship Match
The Briscoes (Mark & Jay Briscoe) © vs. Villain Enterprises (Brody King & PCO)

Diego Meira – Todos nós sabemos que os irmãos Briscoe são sinônimos de campeões de duplas. Agora, em uma faceta heel, são ainda mais obstinados em manter seu ouro de qualquer um que tente sua sorte contra eles. Mas dessa vez, duas “wild cards” apareceram em seu caminho...

Associados a Marty Scurll em sua briga com o Kingdom, Brody King e PCO se tornaram grandes favoritos do público em pouco tempo, muitos pensavam que neste evento veríamos a Villain Enterprises a desafiar o time de Matt Taven pelos títulos de trios. Mas, no meio do caminho, King e PCO venceram as Tag Wars nos eventos de janeiro da RoH, garantindo uma title shot contra os campeões.

Dessa forma, o combate com o Kingdom ficou para uma outra oportunidade, e Briscoes vão ter que defender os títulos perante a Entreprise. Para apimentar ainda mais a história, Jay e Mark exigiram que o combate fosse um No Disqualification match, combate em que ambos possuem grande experiência, e onde terão liberdade para infligir toda a dor que desejarem.

Porém, algo pesa contra a VE. No evento do Madison Square Garden, os irmãos de Delaware possuem marcado um combate contra os Guerrillas of Destiny, e possivelmente não seja muito bom que eles saiam em baixa às vésperas de uma luta desta importância. Sendo assim, não acho que PCO e Brody conseguirão vencer a luta, consequentemente tendo os Briscoes como nossos campeões por mais algum tempo.

Vencedores: The Briscoes (Mark & Jay Briscoe) (AINDA CAMPEÕES)

Rui Gil – Este talvez seja o combate mais difícil de prever do show, de um lado temos PCO e Brody King que estão imbatíveis enquanto equipa na ROH e com um grande apoio do público sempre que entram ação, ainda por mais com Marty Scurll como líder da stable, do outro temos os 10x campeões da ROH e também num excelente momento na carreira, com um fantástico trabalho de heels sedentos de vitórias, os Briscoes.

Temos aqui os ingredientes todos para um excelente combate, o fantástico in-ring work dos Briscoes que já todos conhecemos e o power-house atlético B. King com a imprevisibilidade e loucura de PCO.

Escolhi como vencedores os Briscoes porque acho que são a escolha certa para entrar como campeões no evento G1 Supercard no Madison Square Garden, se há equipa indicada para representar a ROH como campeões de equipas são os irmãos de Sandy Fork.

Não tenho dúvidas que os Villian Enterprises vão ganhar títulos num futuro próximo, mas acho que não vai ser aqui. Para além disso quero muito ver os Briscoes a enfrentar os GoD no G1 Supercard, tem tudo para ser épico.

Vencedores: The Briscoes (Mark & Jay Briscoe) (AINDA CAMPEÕES)



ROH World Championship Match
Jay Lethal © vs. Matt Taven

Fábio Santos – O derradeiro combate que a ROH tem andado a construir nestes últimos meses e que promete ser muito pessoal, visto que num lado temos um campeão que luta pela companhia com o coração (Jay Lethal) e no outro lado, temos alguém que acha que merecia já ser ROH World Champion há mais tempo (Matt Taven).

Com a saída dos Elite da ROH e da NJPW, a realidade começa a apertar para a ROH principalmente pois esta precisa de apostar nas estrelas que lhes têm dado o litro como é o caso destes dois, que facilmente se tornaram em dois lutadores que foram melhorando ao longo destes anos todos, tornando-se nas atrações principais da companhia.

Ainda pensei que estivessem a guardar este combate para o "main-event" do Madison Square Garden, mas conforme já foi anunciado por Marty Scurll, este quer batalhar no G1 Supercard pelo título e portanto, a única forma que vejo isto terminar neste PPV é uma vitória de Jay Lethal, mas é outro caso bicudo porque toda a construção desta rivalidade vai levar a que Taven não seja campeão!

Espero que saia daqui um grande combate e muito pessoal, que envolva todos os elementos da história, desde o título estragado por Lethal até possivelmente a interferência dos Kingdom e dos Lifeblood, mas no final da história, Lethal vai ser campeão para o Garden.

Vencedor: Jay Lethal (AINDA CAMPEÃO)

Rui Gil – Nesta “Nova Era” na companhia temos no main event o combate mais importante do show, tal como mandam as regras. De um lado o franchise da ROH, o campeão Jay Lethal, do outro o líder dos Kingdom e um dos principais heels da companhia.

Nesta era de mudança penso que tudo aponta para uma mudança de título, esta é a melhor altura para isso acontecer e sinceramente sinto que o Lethal já nem precisa do título por todo o legado que já construí.

Taven por todo o trabalho heel fantástico que tem feito e também pelas suas excelentes capacidades in-ring parece-me ser o candidato perfeito para representar a companhia daqui para a frente. Até porque temos uma nova stable, os “LifeBlood”, que julgo que depois da vitória de Taven ainda se vai focar mais nos Kingdom numa nova grande feud.

Apesar de Matt Taven já se auto-proclamar ROH Champion, depois de Lethal e dos Lifeblood lhe terem arruinado o seu purple belt (e de toda a “Kingdom Conspiracy” que o grupo fala há meses), ganhamos mais uma razão para acreditar que Taven vai fazer tudo para ganhar.

Apesar de preferir que o Taven vencesse limpo, e acho que tem mais que credibilidade para o fazer, se vencer devemos ter uma interferência de Vinny Marseglia ou TK O’Ryan, já na senda de começar o choque com os Lifeblood, que têm como objetivo devolver a honra aos ringues da companhia.

Vencedor: Matt Taven (NOVO CAMPEÃO)




PS: Não esquecer que, daqui por umas horas começará a transmissão ao vivo do ROH 17th Anniversary Show, que contará com o habitual "chat" para podermos conversar e as "streams". Bom PPV para todos!

quinta-feira, 14 de março de 2019

WWE NXT UK 13.03.2019 | Videos + Resultados


No programa desta semana do WWE NXT UK temos a estreia da superstar Kay Lee Ray.

A rivalidade entre os irmãos The Coffey e o WWE UK Champion, Pete Dunne não foi esquecida e irão colidir num Tag Team Match, tendo Dunne como parceiro, o recém chegado, Walter. A não perder ainda os seguintes combates Card tivemos:
  • Wolfgang enfrenta Flash Morgan Webster
  • Amir Jordan & Kenny Williams estarão frente a frente com Saxon Huxley & Tyson T-Bone num Tag Team Match
Para ver o show, basta clicar no Play.

WWE 205 Live - 12.03.2019 | Vídeos + Resultados


Devido ao grande sucesso do CruiserWeight Classic no WWE Network, a WWE decidiu apostar numa divisão de Cruiserweights, que agora todas as terças-feiras passaram a ter um programa de 1 hora dedicado exclusivamente a eles na WWE Network chamado 205 Live.

O programa de hoje destaca as semifinais do Cruiserweight Championship Tournament, com Tony Nese enfrentando Drew Gulak, e Oney Lorcan combatendo Cedric Alexander.

Resultados


1) Cdric Alexander vence Oney Lorcan por pinfall após aplicar um "Lumbar Check". Com este resultado, Alexander avança para a final do Cruiserweight Championship Tournament.

2) Tony Nese vence Drew Gulak por pinfall após reverter um "Gu-lock" em um "Roll-Up". Com este resultado, Nese avança para a final do Cruiserweight Championship Tournament. O programa se encerrou com a comemoração de Nese na rampa enquanto Gulak permanecia desolado no ringue.

Vídeos