domingo, 26 de junho de 2016

A Alternativa Fenomenal #33: Os WWE Originals na TNA







Saudações a todos, e bem-vindos a mais uma Alternativa Fenomenal. Na última edição da coluna, encerrei uma pequena série de artigos onde mostrei a passagem de diversos lutadores originais da TNA pela WWE, sendo que, na grande maioria dos casos, foram passagens bastante apagadas, ou até mesmo irrelevantes.

Pois esta semana farei o caminho inverso. Desta vez, citarei 4 casos de WWE Originals que tiveram passagens pela TNA e que, diferentemente de seus colegas originais da empresa de Nashville, tiveram passagens muito bem-sucedidas, ou até mesmo mais significativas do que as que mantiveram (ou mantém) na Big E.

De forma semelhante à série dos TNA Originals, considero aqui como WWE Original lutadores que iniciaram suas carreiras pela WWE, ou tiveram passagens de maior duração pela companhia de Vince McMahon (não levarei em conta lutadores que estiveram no roster inicial da promotora por razões óbvias). Desta vez, optei por não citar lutadores que estejam atualmente ativos na TNA, como Jeff Hardy, Matt Hardy, EC3, e alguns outros. Bem, sem mais delongas, passemos aos nomes;



R-Truth - O homem do "What's Up?", ex-campeão americano e ex-campeão de duplas da WWE, teve uma longa e condecorada passagem pela companhia de Dixie Carter, iniciada em junho de 2002 no primeiro ppv NWA-TNA da história (sim, ele também é um TNA Original, na própria concepção da expressão), combatendo sob o ring-name K-Krush. Durante este mês, ele manteve pequenas rivalidades com Brian Lawler (filho de Jerry Lawler), e Scott Hall, até que em julho, após um promo onde o mesmo se dizia uma vítima de racismo na companhia, ele muda seu ring-name e passa a se apresentar com seu nome verdadeiro, Ron "The Truth" Killings.




Desta forma, em 7 de agosto, ele derrota Ken Shamrock para se tornar o primeiro (e único) NWA World Heavyweight Champion afro-descendente na história. Suas defesas foram contra nomes como Jerry Lynn, Low Ki, Scott Hall, Curt Hennig (Mr Perfect) e Jeff Jarrett, que o derrotou pelo cinturão em 20 de novembro.

A partir de maio de 2003, ele passa a formar uma stable junto a Konnan e B.G. James (Road Dogg), chamada 3Live Kru, com quem ganhou duas vezes o mundial de duplas da NWA: a primeira em 26 de novembro (encerrada em janeiro de 2004, após derrota para a Redshirt Security), e a segunda em 7 de novembro de 2004 (encerrada em 5 de dezembro, após derrota para o Team Canada). 

Também junto à 3LK, ele conseguiu seu segundo reinado como NWA World Champion, vencendo uma 4-way match contra AJ Styles, Raven e Chris Harris, em 19 de maio de 2004. Ele perdeu o cinturão para Jeff Jarrett, em 2 de junho, em uma King of the Moutain match que incluiu todos os adversários da 4-way anterior.


                                                Truth e Adam Jones como TNA World Tag Team Champions


Após o término da 3LK, em 2006, ele seguiu como lutador solo, realizando uma rápida aliança com Sting (em sua rivalidade contra Jarrett), e em junho formando uma tag team com Lance Hoyt (Lance Archer na New Japan) que durou até dezembro, quando o mesmo se ausentou devido à uma lesão. Sua última grande conquista na TNA foi em setembro de 2007, quando ele e Adam "Pacman" Jones derrotaram Sting e Kurt Angle para se tornarem TNA World Tag Team Champions. O reinado durou até 14 de outubro, quando ele e Consequences Creed (Xavier Woods), que substituía Jones, perderam os cinturões para AJ Styles e Tomko. Em dezembro, ele negociou sua saída da companhia, sendo liberado em seguida.



Christian - O duas vezes WWE World Heavyweight Champion, e duas vezes ECW Champion (quando esta era uma brand da WWE), ingressou na companhia de Nashville em novembro de 2005, no Genesis, usando seu ring-name completo, Christian Cage. Em sua estréia, ele se envolveu com o Team Canada, quando seu líder Scott D'Amore e Bobby Roode, tentaram recrutá-lo para a equipe heel. No main event deste show, ele vem ao ringue como um aparente aliado do Team Canada, no ataque destes, de Jarrett e dos America's Most Wanted, contra Rhino e o Team 3D, mas revela que está do lado dos faces e os ajuda a afugentar os heels.




Em seguida, ele teve uma pequena rivalidade com Monty Brown, e em fevereiro de 2006, no Against All Odds, ele derrota Jarrett e se torna o NWA World Heavyweight Champion (seu primeiro título mundial da carreira). Durante seu reinado, ele desenvolveu uma extensa rivalidade contra Father James Mitchell, Abyss e Alex Shelley, onde estes ameaçavam a família de Cage e o atacando em sua casa, em Tampa, Flórida. Isso levou-o a combater Abyss em duas ocasiões pelo título, uma no Lockdown, em abril, e a segunda no Sacrifice, em maio, saindo vitorioso nas duas ocasiões.


                                Christian com o NWA World Championship, em seu primeiro reinado como campeão mundial


Seu reinado terminou em junho, no Slammyversary, onde foi derrotado por Jarrett num King of the Mountain match, que também contou com Abyss, Samoa Joe, Scott Steiner e Sting, que viria a se tornar number one contender pouco tempo depois. No combate entre Sting e Jeff, ele realiza um heel turn depois de atacar o "Icon" e permitir que Jarrett retivesse o cinturão. Isto o levou a uma rivalidade contra Rhino, um de seus melhores amigos fora dos ringues, que culminou com a vitória de Cage, em novembro, num Barbed Wire Six Sides of Steel match.

Em janeiro de 2007, agora contando com a ajuda de Tomko (seu antigo guarda-costas na WWE), que havia estreado dois meses antes, Christian volta a conquistar o NWA World Title, ao derrotar Abyss e Sting em uma 3-way Elimination match, no Final Resolution. Com a conquista do cinturão, ele entrou em longas rivalidades com Sting e Kurt Angle, até que em maio, no dia do pay-per-view Sacrifice, o presidente da NWA, Robert Trobich, retira o cinturão de Christian, devido ao mesmo se recusar a defendê-lo em eventos da NWA. Apesar de no ppv ele ainda usar o cinturão físico, o título foi referido apenas como World Heavyweight Championship, sendo que Cage o perdeu em uma controversa 3-way match contra Sting e Angle.




Em junho, ele tenta novamente conquistar o cinturão, agora nomeado como TNA World Championship, em uma King of the Mountain match, contra Angle, Samoa Joe, AJ Styles e Chris Harris, mas falha em vencer o combate. Depois, ele segue em várias rivalidades, contra nomes com Samoa Joe (que encerrou a sequência de 23 meses de Cage, sem sofrer pinfall ou submissão), Angle e Tomko (depois do mesmo traí-lo em fevereiro de 2008, no Against All Odds). Sucedendo isto, veio uma parceria com Rhino que durou até agosto, onde eles tentaram conquistar os TNA Tag Team Titles, mas nunca chegaram a ganhar os cinturões.

O último combate de Christian na TNA ocorreu em novembro no Turning Point, onde ele foi derrotado por Booker T em um combate pelo TNA Legends Championship (atual TNA King of the Mountain Championship), em que estava previsto que, se ele fosse derrotado, deveria se juntar à Main Event Mafia. No Impact do dia 13 de novembro, ele realiza sua última aparição como lutador da TNA, sendo atacado pelos membros da Main Event Mafia após Kurt Angle descobrir que ele retornaria para a WWE após o fim de seu contrato.

Ele só retornaria para a TNA no Slammyversary, em julho de 2012, para uma participação de uma noite, induzindo Sting no Hall of Fame da compahia.



Brian Kendrick - O campeão de duplas com reinado mais longo da história da WWE (pelo menos até a New Day superar a marca, se mantiverem os cinturões até o mês que vem) ao lado de Paul London, teve duas participações na TNA durante sua carreira. A primeira foi um único combate em novembro de 2004 (ano de sua primeira saída da WWE), onde ele venceu Kazarian, Matt Sydal e Amazing Red, num 4-way match. Neste combate, ele utilizou a gimmick de Spanky, criada por ele em seu tempo nas independentes.

Sua segunda passagem na empresa teve início em janeiro de 2010, com uma derrota para Amazing Red no Genesis, em um combate pelo X-Division Championship, onde atuou como heel. A partir de maio, ele começa uma extensa rivalidade contra Douglas Williams, onde realizou um face turn e tentou por duas vezes obter o cinturão da X-Division de Williams, tendo falhado em ambas as oportunidades. Seguindo isto, em setembro ele se junta à EV 2.0, stable formada por ex-lutadores da ECW, permanecendo até sua dissolução, no início de 2011, e sem ter conquistado nenhum título.




Em junho de 2011, ele volta à cena do campeonato da X-Division, entrando em uma rivalidade com Abyss, onde perde em sua primeira title match, uma 3-way match que também contou com Kazarian, no Slammyversary. O segundo encontro dos dois pelo cinturão foi em julho, no Destination X, onde Kendrick enfim conquista seu único reinado como campeão da X-Division na TNA.


                                                  Imagem oficial de Kendrick como X-Division Champion


Ele realizou defesas de título contra Abyss, Alex Shelley e Austin Aries, para quem perdeu o título no No Surrender, em setembro. A rematch entre eles ocorreu no Bound for Glory, em outubro, onde Aries novamente saiu como vencedor, tendo esta sido a última luta em pay-per-view de Brian. Seu último combate na TNA foi uma tag team match junto a Jesse Sorensen, vencendo a equipe de Austin areis e Kid Kash, na edição de  17 de novembro do Impact. Após isso, ele entrou em um período de três meses de inatividade até ser enfim liberado pela empresa, em fevereiro de 2012.



Victoria - A duas vezes WWE Women's Champion ingressou na companhia de Dixie Carter no episódio do Impact de 28 de maio de 2009, assumindo o ring-name Tara, e entrando em rivalidade com as Beautiful People (na época Angelina Love, Madison Rayne e Velvet Sky). Nessa rivalidade, ela começa a trazer para o ringue sua tarântula de estimação, Poison (por sinal, seu ring-name foi revelado ser uma abreviação de "Tarantula"), e após derrotar as BP em uma tag team match, ela coloca a aranha sobre o corpo de Velvet Sky. Ela tentaria repetir o feito num episódio do Impact em juhlo, para fazer Angelina Love lhe conceder um combate pelo seu Knockouts Title, conseguindo que seu desejo fosse atendido.

No mesmo dia, ela derrota Love e conquista seu primeiro reinado com o cinturão, que durou apenas até o Victory Road, duas semanas depois, perdendo-o de volta para Angelina. Em setembro, ela e a então Knockouts Champion ODB tentam conquistar os KO Tag Team Titles, de Sarita e Taylor Wilde, mas falham devido à interferência de Awesome Kong. Nas semanas seguintes, ela e Kong recebem oportunidades pelo título de ODB, mas como uma interferia na luta da outra, nenhuma conseguiu vencer a campeã. Por fim, no Bound for Glory, em outubro, elas competem numa 3-way match, onde ODB novamente retém o cinturão.


                                  Tara como Knockouts Champion, carregando a gaiola de sua tarântula de estimação


Em novembro, ela vence uma Ten-Woman Battle Royal e se torna a contender ao KO Title no Final Resolution. No evento, ocorrido em dezembro, ela derrota ODB e se torna KO Champion pela segunda vez, perdendo o título de volta para ODB no Impact de 4 de janeiro de 2010, e conquistando-o pela terceira vez no Genesis, duas semanas depois. Esse reinado terminou no Impact de 5 de abril, quando ela perdeu o cinturão num Eight-Knockout Lockbox match para Angelina Love. Isso levou que as duas iniciassem uma rivalidade que culminou no heel turn de Tara.

No dia 28 de abril, ela anuncia no MySpace que iria sair da TNA, dizendo que não renovaria seu contrato por não receber um aumento de salário. Ela então faz um "Career vs Title" match contra a então KO Champion, Madison Rayne, e perde, terminando sua passagem na companhia. Entretanto, durante sua ausência, ela negociou um novo contrato com a diretoria da empresa, e retornou às atividades em julho, atuando como a parceira misteriosa de Rayne, utilizando um capacete de motociclismo para esconder sua identidade.




Ela só mostraria seu rosto no Impact de 2 de setembro, ao vencer uma tag team match junto a Rayne, contra as BP. No Bound for Glory, em outubro, ela ganha pela quarta vez o Knockouts Title, ao vencer Rayne, Love e Sky em uma 4-way match, mas no Impact da semana seguinte, simplesmente deixou que Madison fizesse um pinfall nela e recuperasse o cinturão (este foi o reinado mais curto da história do título). Seguindo a isso, veio uma longa rivalidade com Mickie James que só terminaria no Sacrifice, em maio de 2011, quando ela trai Rayne, e faz um face turn, ajudando James a conquistar o KO Championship.

O próximo grande feito de Tara na TNA foi a conquista do TNA Knockouts Tag Team Championships junto a Ms Tessmacher, na dupla TnT, ao derrotarem Sarita e Rosita da Mexican America, no Impact de 21 de julho. Elas perderiam os títulos no Impact de 3 de novembro para Rayne e Gail Kim (que também era a KO Champion na época). Após algumas rápidas rivalidades durante o começo de 2012, Tara iniciou uma rivalidade contra sua ex-parceira, a então KO Champion Tessmacher, que terminou não só com um novo heel turn, como na conquista de seu quinto reinado com o título, ao derrotar "Tess" Bound for Glory, em outubro.




Durante este reinado ela realizou defesas contra a própria Tessmacher, Mickie James e Velvet Sky, e (para minha grande tristeza) introduziu ao público da TNA seu "namorado de Hollywood", Jesse Godderz, que a ajudou em vários title matches, interferindo em seu favor. Seu reinado terminou no Against All Odds, no Impact de 21 de fevereiro, perdendo para Velvet em uma 4-way que também contou com Gail Kim e Ms Tessmacher.

Durante os meses seguintes suas participações diminuíram consideravelmente, e no Xplosion de 14 de julho, ela realiza seu último combate pela companhia, perdendo para ODB. Dois dias depois, ela é liberada de seu contrato.


Como pôde ser visto, estes lutadores alcançaram grande sucesso em suas passagens pela TNA (com Kendrick sendo o que teve a passagem mais modesta pela companhia), muitas vezes até mesmo maior do que o que puderam experimentar na WWE. Muito se deve ao fato da companhia de Nashville apostar em seus talentos, que por vezes não são aproveitados adequadamente na Big E.

Isso no entanto, não quer dizer que a TNA se aproveita dos "restos da WWE" como muitos falam. Sim, eles desejam ter a presença de nomes famosos daquela empresa para tentar alcançar uma visibilidade maior, mas também desenvolvem lutadores que foram mal utilizados lá e os tornam em estrelas credíveis, como foi R-Truth, e como está sendo EC3 (e, em certo ponto, Drew Galloway).

O que deve-se ter em mente é que os lutadores por vezes desejam tomar ares novos, e a TNA é uma das alternativas mais interessantes, por ter uma boa fanbase estabelecida e por manter um ritmo de trabalho menos exaustivo que o da WWE (mas, eu conheço os defeitos de Dixie Carter e sua companhia, e sei que nem sempre foi uma boa ideia ir pra TNA, mas agora, acredito que isso tenha mudado um pouco).

Por fim, deixo que os leitores digam que outro WWE Original vocês creem que tenha obtido sucesso na TNA, e que não tenha sido citado aqui (mas sem pensar nos casos mais óbvios. Vamos exercitar um pouco a mente). Boa leitura a todos, e até a próxima.

sábado, 25 de junho de 2016

WN Apostas 2016 (Season 1) | ROH Best In The World 2016


Estamos a chegar ao final do mês de Junho com a continuação da primeira temporada do WN Apostas, onde teremos um evento da Ring Of Honor a mostrar o melhor wrestling possível e com uma desforra com um ano de espera e com 950 PONTOS em jogo, façam as vossas apostas e habilitem-se a um prémio no final desta temporada...

Para consultar os resultados até agora, basta clicar no seguinte link: http://wrestlingnoticias.blogspot.pt/2016/06/wn-apostas-2016-season-1-resultados-tna.html

sexta-feira, 24 de junho de 2016

ROH Best In The World 2016 | Antevisão


A ROH apresenta mais um PPV anual chamado Best In The World cujo objetivo é apresentar o melhor wrestling do mundo e como combate de destaque teremos uma desforra que tem um ano de antecipação e de construção, onde pelo ROH World Championship, Jay Lethal põe o seu reinado de 1 ano em jogo contra o homem que derrotou para conquistar o mesmo título o ano passado, Jay Briscoe.

Overrated ou Underrated #21 - Pentagon Jr.

Esta já é a 21ª edição do Overrated ou Underrated e eu, Moore (chamem-me Mauro, vá) estou de volta com o Marco para analisarmos um wrestler que se tem destacado já há muito. Após a análise de Chris Hero vem um wrestler mexicano à baila.

Tanto eu como o Marco fazemos parte do nosso parceiro Forum de Pro Wrestling, que é um espaço humilde já com sete anos de existência, sendo que actualmente é o melhor (e único) forum nacional dedicado ao wrestling. Nas próximas linhas podem ver uma pequena explicação do conceito deste espaço, destinado a quem nunca leu um Overrated ou Underrated ou simplesmente está esquecido da essência do mesmo.

Underrated - Alguém que é subvalorizado ou não têm o devido reconhecimento seja aos olhos da industria do wrestling ou até dos fãs.

Overrated - Precisamente o contrário do ponto anterior. Alguém que é sobrevalorizado e que a industria do wrestling ou fãs dão demasiado crédito por aquilo que faz.

No ponto - Nem toda a gente ocupa um lugar acima ou abaixo daquilo que realmente merece. Existem lutadores que ocupam o lugar que ocupam na industria porque é exactamente nesse sitio que merecem estar e têm também exactamente o reconhecimento que merecem da parte dos fãs.

Por fim, gostaríamos sempre de saber a vossa opinião, quer concordem ou discordem da nossa avaliação sobre o wrestler em questão. Tentem também coloca-lo numa destas três categorias e caso se sintam à vontade podem sempre dar sugestões sobre wrestlers que gostariam de ver neste espaço.



Portanto, o lutador que vamos analisar é Pentagon Jr., o homem que diz ter "cero miedo" e que é atualmente o candidato principal ao título da Lucha Underground. Pentagon Jr. também se destaca na AAA, a maior promoção mexicana, e é aparição em algumas indies norte-americanas


*************************************************************************

Moore (No ponto) - Primeiro que tudo devo dizer que vou analisar Pentagon Jr., tal como o meu colega, com um foco essencial na sua prestação na Lucha Underground. É verdade, é onde ele mais se destaca e também já não sigo AAA por alguns motivos (como por exemplo, porque é que quando eu acompanhava aquilo o Psycho Clown estava a levar push).

Eu sou um fã confesso de Lucha Underground desde o início por achar que, honestamente, desde a TNA nos seus tempos áureos que não há nos EUA uma alternativa tão boa à WWE.

Em termos de histórias são coesos e em termos de personagens mais coesos são.

E num roster com personagens com backgrounds excelentes (como o Matanza Cueto p.e.) consegue ser o Pentagon Jr. aquele que me chama mais à atenção já desde o início da primeira season.

Como heel é formidável e empenha-se de alma e coração na sua tarefa: a história do “master” e dos armbreakers tornaram-no, possivelmente, no melhor heel do mundo. Isto graças ao seu trabalho in-ring, focado no “vicious striking” com algumas influências externas ao westling, mas também graças à sua capacidade de vender uma personagem dark com expressões sobretudo. É claro, o look também ajuda e muito.

Atualmente, como babyface, só posso achar justo a presença dele no main event do Ultima Lucha. O homem tem sido consistente desde o início das gravações na primeira temporada.

Falando das indies americanas: bom, ele contratualmente está associado à AAA e à LU, por isso não é um mainstay. Mas tem sido bem usado como special appearance. Destaco o combate na AAW com Chris Hero já há coisa de um ano.

*************************************************************************

Marco Paz (No ponto) - Vou analisar isto num ponto de vista da Lucha Underground, visto que é onde ele mais se encaixa. Digo já que Pentagon é a personagem mais interessante em todo o programa, sem qualquer tipo de dúvidas.

É uma char bastante diferente e com uma história muito bem trabalhada, Jr. é também um lutador muito bom e com um carisma excelente.

Sendo que não adotou a capacidade highflyer do seu irmão (acho que muitos não sabem disto, mas Fenix e Pentagon Jr. são irmãos), este virou-se mais para um estilo de striking e technical com uma mistura do famoso híbrido de hoje em dia.

Neste momento, Pentagon foi o escolhido para defrontar Matanza Cueto no Main Event do maior episódio do ano de Lucha Underground, o Ultima Lucha 2.

Depois de ter apanhado uma valente tareia nas mãos do monstro Matanza, Pentagon volta agora mais agressivo, mais resistente, mais forte, para ter a sua vingança contra o imparável mostro da Lucha Underground. Se já viram os spoilers das gravações de LU, sabem muito bem aquilo que vai acontecer no UL.

Senão viram, então terão que esperar para ver. O que eu sei é que não existe ninguém melhor que Pentagon neste momento para estar no Main Event do evento, uma vez que ele é, discutivelmente, o wrestler mais completo de Lucha Underground.

Apenas tenho pena que ele não saiba falar inglês tão bem como deveria (ou se sabe, não o faz).

*************************************************************************

E pronto, foi mais uma edição do Overrated ou Underrated. Foi a nossa estreia a analisar um lutador da Lucha Underground (e da AAA), uma das alternativas mais sonantes ao produto que a WWE nos oferece. Agora a pergunta para vós é simples: Pentagon Jr. é Overrated ou Underrated?

Lucha Underground S2 - 22.06.2016 | Vídeos + Resultados


Com o enorme sucesso da primeira temporada, a promotora de Lucha Libre, AAA volta a entrar no mercado norte-americano com o seu programa, Lucha Underground! Este projecto é um híbrido entre a Lucha Libre e o wrestling norte-americano e que apresenta lutadores dos dois estilos. O episódio desta semana conta com uma tag team match entre Sexy Star e Mariposa contra a equipe de Taya Valkyrie e Ivelisse Velez, onde as vencedoras receberam duas das medalhas aztecas do Gift of the Gods Championship.

quinta-feira, 23 de junho de 2016

WWE NXT 22.06.2016 | Vídeos + Resultados


Este episódio do WWE NXT tem como destaque um combate entre Shinsuke Nakamura e Buddy Murphy. Para além disso, também conta com o regresso da ex-NXT Women's Champion Bayley que enfrenta Deonna Purrazzo e ainda um combate envolvendo No Way Jose.

quarta-feira, 22 de junho de 2016

Top 10 Mistakes (06.06.2016 - 19.06.2016)



Mais duas semanas, mais uma edição a enumerar asneira. E não, não é este artigo dez vezes, por muita plausibilidade que lhe apontem. Estica-se um pouco para considerar errors? Talvez. Mas cá estamos para discutir o "podia ter sido desta forma" que tanto nos assombra a forma de vermos TV, seja no wrestling, em séries de TV, em filmes ou no futebol. Porque todos marcávamos aquele pénalti do Ronaldo, porra!

Em tom de recordação, olhemos para estes acontecimentos abertos a alternativas:

10 - Muitas voltas


Num sólido Slammiversary, também foi apresentado um sólido combate pelos TNA Tag Team Championships, com os Campeões Decay a defender contra os BroMans. Os vilões assustadores saíram vencedores, mesmo com muitas dificuldades, várias tentativas de artimanhas e tiros saídos pela culatra.

O que está errado: Overbooking na resolução. Usufruiram de todas as possibilidades de finish, desde às interferências, às cuspidelas disparadas aos alvos errados, aos falsos finishes, às vantagens invertidas. Os últimos minutos tornaram-se confusos.
O que se aproveita: Sempre dá para obter daqui a emoção dos falsos finishes. E os Decay acabaram por vencer, mesmo com momentos a sugerir que se sucedesse o contrário. Reinado longo para os Decay e que Abyss continue lindo!
Podia ser pior: Foram artimanhas mundanas e acessíveis. Não fizeram nada de surreal e sem sentido.
A alternativa: Nem tinha obrigatoriamente que ser um finish limpo e directo. Nem encaixava tão bem nos Decay. E mesmo que a mistela verde cuspida acidentalmente nos olhos errados fosse um sinal de derrota - o velho finish de "feitiço vira-se ao feiticeiro" - podia manter-se. Mais altercações físicas entre Rosemary e Raquel talvez.

9 - Por onde andam eles?


Num subtítulo que podia muito bem ser um throwback saudosista para os tempos do Slobber Knocker e de todos os seus sub-espaços, reflecte-se apenas sobre algumas ausências. O Campeão Intercontinental The Miz continua a trabalhar nas filmagens no já quinto filme da série "The Marine". Junta-se à sua ausência e à do seu título, regressos pouco aproveitados.

O que está errado: O Campeão Intercontinental não está presente em TV, muito menos a defender o cinto. E Sasha Banks merecia um regresso ao activo muito melhor do que a competir no Main Event e no Superstars!
O que se aproveita: Os segmentos do Miz por acaso até são hilariantes e que ninguém me diga o contrário. Ou pronto, que diga, mas não mudo de ideias.
Podia ser pior: Miz podia andar aí nas filmagens e eles sem falar nele sequer. E a Sasha. Essa aí... Demos graças por não andar a jobbar à toa!
A alternativa: Miz podia muito bem manter esta personagem mas não com o cinto em posse. O Campeão devia ser presente. E a Sasha... Se não há lugar para ela nas histórias actuais da divisão, talvez se deva esperar um pouquinho mais para lhe dar um regresso em grande, em vez de um regresso num "C Show" sem impacto.

8 - Venceu e agora...


Com Becky Lynch e Natalya a não servir muito de ajuda no que à concentração diz respeito e com Dana Brooke a não ser suficientemente para os seus gostos, Charlotte sofreu uma surpreendente derrota para Paige no Monday Night Raw.

O que está errado: A vitória de Paige sobre a Campeã passa despercebida no meio desta história e pode muito rapidamente ser varrida para baixo do tapete, ainda para mais com a falta de destaque que Paige tem vindo a sofrer recentemente.
O que se aproveita: Ou então, mesmo vindo a meio de outra história, com pouco por onde se movimentar, pode já estar aqui uma adversária para o pós-Money in the Bank!
Podia ser pior: Agora imaginem que era a Eva Marie!
A alternativa: É claro que isto é para acrescentar lenha para a fogueira da feud das duplas, daí que seja uma derrota com significado. Quanto a Paige, é questão de saber aproveitá-la agora, sem parecer metida à força na história, o que podia ser o principal ponto fraco aqui detectável.

7 - Árbitros aleijadinhos


Durante o Money in the Bank, dois incidentes ocorreram. No combate entre John Cena e AJ Styles, um choque com o árbitro deixa-o inconsciente e permite a interferência de Luke Gallows e Karl Anderson a favor de AJ Styles, ajudando-o a vencer. O segundo deu-se no combate pelo título entre Seth Rollins e Roman Reigns, em que o árbitro atingido não pôde ver um pin efectuado por Reigns que lhe daria a vitória.

O que está errado: O "ref bump" já é um clássico incontornável que veremos para sempre, mas era necessário recorrer a ele duas vezes na mesma noite e em combates tão importantes?
O que se aproveita: Lembramo-nos bem dos combates para além desses momentos, certo? Pronto.
Podia ser pior: Bumps fantasma. Não há pai para eles.
A alternativa: Mantinha-se o primeiro porque a interferência do Club fazia sentido. Mas se Seth Rollins acabou por vencer limpo, custa assim tanto fazê-lo totalmente limpo sem esse percalço?

6 - Com ideias, Drew?


No Impact Wrestling após o Slammiversary, Drew Galloway não quis perder tempo e invocou imediatamente a sua cláusula de rematch ao TNA World Heavyweight Championship que Lashley lhe conquistara. Ethan Carter III também era rapaz com interesse naquele título e assistia de perto. No momento em que Lashley se apodera de uma cadeira, EC3, bem-intencionado, tenta evitar desastre mas acaba por atingir Drew inadvertidamente com a cadeira e custa-lhe o combate e o título.

O que está errado: Ainda nada aconteceu. Mas planta-se aqui uma Heel Turn. Galloway está bastante over e muito bom como Face, especialmente Face de topo. Será boa altura para Heel Turn?
O que se aproveita: Da Turn resultaria uma rivalidade com EC3, nome com quem partilha o topo e futuro/presente da companhia. E quão excelente seria a rivalidade entre eles?
Podia ser pior: Contra outro competidor e com menos justificação. Afinal, Drew terá justificação caso tal aconteça.
A alternativa: Aguentar Drew como um Face de topo por mais algum bom tempo. Se é para enfrentar EC3 pode fazê-lo num respeitoso Face vs Face, a obrigar o público a escolher lado ou até uma Heel Turn. Mas por mim era com o título na posse de um deles e com o Bound for Glory à vista.

5 - Booooring!


Após dois meses, continua a rivalidade entre Dolph Ziggler e Baron Corbin com o terceiro combate consecutivo em PPV, no Money in the Bank. Baron Corbin foi suficientemente dominante para vencer mais uma vez. Mas a plateia não estava tão receptiva à sua acção em ringue...

O que está errado: Uma rivalidade muito extensa, com pouco a desenvolver-se, com repetidas presenças em PPV sem acrescentar interesse e com acção em ringue que não acrescenta algo de novo de uns combates para outros e que por vezes se desenvolve lentamente. Não, não vão cativar a atenção do espectador.
O que se aproveita: Vitórias consecutivas do crescente Baron Corbin sobre um ex-Campeão Mundial.
Podia ser pior: Corbin ainda é um caso em desenvolvimento que ainda não agrada a todos. E o hype de Dolph Ziggler já viu melhores dias. Mas encaremos: esta repetição de combates podia ser feita entre algum par de lutadores pior, menos interessantes e com menos química!
A alternativa: Se o que estava a esticar esta rivalidade era pouco mais do que "Não te curto ainda desde o último combate e já nos tornaram a marcar encontro no nosso PPV", com Dolph Ziggler a servir de comentador para os combates de Corbin, é porque já não havia muito mais para fazer e isto já se podia ter encurtado há muito tempo...

4 - Please stand by


Após o Slammiversary, a TNA quis apresentar uma edição especial do Impact Wrestling, denominada "Gold Rush" com todos os títulos em jogo. Para além dessa particularidade, esta edição também seria ao vivo. A emissão deparou-se com imensos problemas, pelos quais a POP já pediu as devidas desculpas.

O que está errado: Não me recordo de já ter introduzido este artigo com alguma exclusividade na categoria dos erros. É que aqui o erro é técnico! Acontece e parece juntar-se a um monte de factores que fazem da TNA uma companhia com muito azar, acima de tudo!
O que se aproveita: Retomaram a emissão já gravada no dia seguinte. O episódio foi transmitido na Fight Network intacto.
Podia ser pior: Se remediaram, é porque conseguiram dar a volta e emendar. Acredito que os problemas técnicos que marcaram o Slammiversary do ano anterior foram piores.
A alternativa: Quão bem consegue lidar uma network de dimensão mais pequena como a POP com uma transmissão ao vivo? Confesso que não sou o maior fã do sistema de gravações da TNA, que adianta muitos episódios de uma vez, como o NXT - na Destination America era pior e chegava a ultrapassar PPVs - mas com estas condições aparentes, talvez fosse melhor prevenir e deixar gravado na Segunda-Feira...

3 - Corporate Kane... Por aqui?


Numa altura em que quase se instala o pandemónio na WWE com o regresso da "brand split", todos querem tomar conta do Smackdown. Somos brindados com figuras de poder do passado, como Teddy Long e... Corporate Kane. Apenas lá estão para puro entretenimento, mexer com os nervos de Stephanie McMahon e ver as suas propostas rejeitadas.

O que está errado: Kane, juntamente com Big Show, já se deve estar a afastar aos poucos da competição a full-time. Da última vez que o vimos, ele estava mascarado e o "Corporate Kane" era uma personagem "enterrada". Aqui voltou. Porque sim.
O que se aproveita: Por muito mau que normalmente fosse, há um encanto no "Big Red Monster" que já fez tudo o que fez, a ter um emprego corporativo, de fato e gravata. Markei para a primeira vez que se apresentou assim. E volto a soltar risadas quando assim regressa.
Podia ser pior: Podia ser para ficar e tornar a rivalizar com Seth Rollins. Também porque sim.
A alternativa: Pronto, como é para trazer malta de poder antiga, tudo bem. Aceita-se, sem ter que haver uma alternativa obrigatória. Mas fazem bem mais falta umas doses de People Power e Vickie Guerrero nisto. Já para não falar em Bischoffs e Heymans!

2 - Emasculadora


Enquanto o Raw se vê invadido por figuras do passado, com o intuito de controlar o Smackdown, vemos os regressos de Corporate Kane e o grande Teddy Long. O público recebe-os bem mas nem todos pensam igual, com Stephanie a divertir-se às custas de Teddy ou a dispensar Kane.

O que está errado: Stephanie McMahon a emascular quem quer que seja e a concentrar toda a atenção nela mesma. Já é velhinho mas nunca foi bom nem será.
O que se aproveita: Teddy Long, claro.
Podia ser pior: Podia cair à estalada. "What you're gonna do? You're gonna craaaaahh?!"
A alternativa: Se é uma figura autoritária vilã, para já, que assim fique e que não se esteja a adaptar à situação constantemente. E já percebemos que ela é uma figura poderosíssima, a mulher a vingar num mundo de homens, etc etc. Mas chega.

1 - Boo This Man!
















Sem a presença de ambos Campeão e pretendente num Monday Night Raw próximo do Money in the Bank, foram-nos apresentadas boas montagens a mostrar os percursos de ambos Seth Rollins e Roman Reigns até ao grandioso main event. De um lado, a recuperação e enorme trabalho de Seth Rollins para reconquistar o cinto que nunca perdeu. Do outro, a redenção de Roman Reigns após ter visto o cinto fugir-lhe das mãos.

O que está errado: De certeza que Rollins é o Heel e Reigns o Face? Rollins, o rapaz extremamente atlético e trabalhador que se viu no maior dos apuros, com uma lesão grave a afastá-lo dos ringues e a retirar-lhe o cinto à força. Meses de trabalho árduo com muitas emoções ao rubro para regressar e recuperar o que nunca perdeu. Apupem este homem! Reigns, o rapaz bem-parecido que não agrada a todos, que não conseguiu a conquista de um título na Wrestlemania, onde não era o Campeão, nem tinha o combate ganho no momento. Após esse incidente, ainda acabou por ganhar o título. E perdê-lo. Por duas vezes. Agora só diz que nem é bom nem mau. Mil vaias para este homem!
O que se aproveita: O raio dos segmentos saem sempre bons. E pior: convincentes!
Podia ser pior: Lágrimas para o pobre Reigns. Até podem procurar simpatia por ele mas ainda não chegaram ao ponto de o retratar como um coitadinho no meio disto.
A alternativa: A alternativa mesmo seria alterar o booking de Reigns... Há muito tempo atrás. Com estas condições em mãos, parece mesmo que mais vale trocar os papéis! Ou como na feud entre Cena e Styles que, mesmo com Face e Heel definidos, ainda deixam a aberta para escolher por quem torcem em vez de tentarem impôr a sua ideia.

E são estas as birras. Mas não se preocupem porque, ao fim e ao cabo, nada acaba por me incomodar muito. Mas que dê, ao menos, para abrir conversa em relação a estes assuntos. Eu até diria que a coisa nem está a correr assim tão mal, não têm existido erros assim tão flagrantes e por vezes tem que se esticar um pouco isto. Discordam e acham que está tudo uma banhada? Força, é para isso que se participa. Comentem estes casos e muito mais e esperem por mais uma dose de queixumes e de booking de bancada na próxima quinzena. Até lá um bom Verão - o contrário para os nossos leitores do outro hemisfério - umas boas férias e uma forcinha muito puxadinha para portugal nesta difícil trapalhada que é o Euro 2016. Até à próxima!

terça-feira, 21 de junho de 2016

TNA Impact Wrestling 21.06.2016 | Vídeos


Este episódio do IMPACT Wrestling tem como destaque um "Six Sides of Steel Match", no qual Jeff Hardy batalha contra o seu irmão Matt Hardy naquilo que é mais uma vez chamado de "Hardy's Revenge". Para além disso, também conta com um combate entre duas ex-parceiras das Dollhouse, no qual Marti Bell enfrenta Jade e ainda contamos com Brauxton Sutter em ação.


King of... Themes #23 - Eddie Guerrero vs. Rey Mysterio vs. Kurt Angle


Na última edição do "King of Themes", o vencedor da triple threat de temas, com confortável vantagem, foi o "Broken Dreams" de Drew McIntyre.

Drew McIntyre - "Broken Dreams" - 9 votos
vs
The Miz - "I Came To Play" - 1 voto
vs.
Stardust - "Written In The Stars" - 1 voto
_________________________________________________________

Na eliminatória desta semana teremos um triple threat, entre os temas de Eddie Guerrero, Rey Mysterio e Kurt Angle.



Eddie Guerrero - "Lie, Cheat and Steal"

Vs.

Rey Mysterio - "Booyaka 619"


Vs.

Kurt Angle - "Medal"



Votem já no vosso tema favorito!

Já qualificados:

Finn Bálor "Catch Your Breath"
Nexus - We Are One"
Becky Lynch - "Celtic Invasion"
CM Punk - "Cult of Personality"
Beer Money - "Take a Fall"
Steve Austin - "Hell Frozen Over"
Christian Cage - "Take Over
Seth Rollins - "Second Coming"
Undertaker - "Rest In Peace"
Sami Zayn - "World's Apart"
Okada - "Rain Maker"
Randy Savage - "Pomp & Circumstance"
DX - "Break It Down"
Hardy Boyz - "Loaded"
Nakamura - "The Rising Sun"
AJ Styles - "Phenomenal"
Triple H - "Time To Play The Game"
Jeff Hardy - "Another Me"
Randy Orton - "Burn In My Light"
Sandman - "Enter Sandman"
Drew McIntyre - "Broken Dreams"

WWE Network | Stone Cold Podcast com AJ Styles


A WWE Network apresentou, após mais um Monday Night Raw, mais uma edição do podcast de Stone Cold Steve Austin. Desta vez, contou com mais um convidado especial para ser entrevistado, chamado AJ Styles onde como esperado falam sobre alguns temas polémicos, nomeadamente a sua carreira antes de chegar à WWE há 6 meses atrás, a sua vida pessoal e a família com que cresceu, entre outros temas.