«

sexta-feira, 28 de agosto de 2015

Forgotten Superstars #19 | A redenção de uma diva


Saudações a todos os leitores do Wrestling Notícias! Estamos em mais uma semana de Forgotten Superstars, e aproveitando a questão da revolução das Divas na WWE, eu gostaria de agraciar este primeiro quadro, pela primeira vez, com uma das mulheres que já passou pela empresa. Então, esta é a primeira vez que, na verdade, falaremos de Forgotten Divas. Especialmente de uma que acho que foi esquecida rápido demais.

É um pouco mais complicado avaliar as Divas, pois pelo menor número delas no roster principal, é fato que várias delas recebem o título das mulheres, mesmo que por apenas um curto período de tempo. Entretanto, várias vezes, o título não é valorizado como um título maior, e a própria storyline acaba com as chances de levar as campeãs a sério. Diferentemente do NXT Women's Championship, que apesar de ser um grau mais baixo da hierarquia de títulos femininos, é extremamente bem utilizado e bem quisto entre as mulheres que lá estão.

Então, neste artigo, falarei de uma antiga campeã das Divas, cuja atuação na WWE já está fugindo à mente de muitos, apesar do pouco tempo de sua retirada do wrestling profissional.

Quem é? - Celeste Braun, conhecida pelo meio da WWE como Kaitlyn. Nascida em Houston, Texas, ela se consolidou no fisiculturismo, e foi uma modelo fitness, desde 2006, tendo um certo sucesso na área. Foi em 2010 que ela decidiu tentar sua sorte no wrestling profissional.

O que ela fez na WWE? - Ela começou na FCW a partir de 2010, onde trabalhou com nomes como AJ Lee e Aksana, chegando até a derrotar ambas em um combate de duplas, aliando-se com Naomi. Ali também, começava uma história com aquela que iria ser uma de suas rivais na NXT no futuro, Maxine.


Enquanto ela estava na FCW, ela também era uma das divas novatas na terceira temporada de NXT, tendo como mentora, Vickie Guerrero. Sua primeira luta foi uma luta de duplas mistas, unindo-se com Dolph Ziggler, para a vitória contra AJ e Primo.


Ela também fez uma aparição no Night of Champions de 2010, acompanhando Dolph e Vickie, mas a própria mentora ordenou que ela saísse do lado do ringue, posteriormente. Este foi um começo de rivalidade entre Guerrero e Kaitlyn, que explodiu em setembro, entre as aparições no Smackdown, e no NXT, sendo que neste último, as duas terminaram o evento brigando entre si.

Depois de uma storyline onde envolvia birras entre Vickie e Kaitlyn, além do ângulo de triângulo amoroso das duas com Dolph Ziggler, elas trocaram vitórias e derrotas em lutas e desafios. Mas além disso, ela estava na sua rota para se tornar um sucesso na NXT, e depois de perder uma vez para Naomi, ela ganhou a revanche. Posteriormente, ela teve uma terceira luta, contra Naomi, na qual ganhou e se tornou a vencedora da terceira temporada, sendo a nova "Breakout Diva".

Ela teve sua primeira luta oficial no SmackDown contra Layla e Michelle McCool em janeiro de 2011, e aliou-se a Kelly Kelly, mas sem sucesso. Apenas posteriormente, ela se uniu a AJ Lee, formando a tag chamada "The Chickbusters". Elas entraram em feud com Alicia Fox, Tamina e Rosa Mendes, perdendo vários combates. Do mesmo jeito, foi o confronto entre elas e Natalya, que, antigamente mentora de AJ, a traiu e se uniu à Beth Phoenix, para formarem as "Divas of Doom". Foi contra elas que AJ e Kaitlyn perderam por várias vezes, causando uma quebra na equipe.



No NXT, ela passava por um ângulo amoroso com Derrick Bateman (Ethan Carter III, na TNA, mais detalhes sobre o ponto de vista de Bateman, no Forgotten Superstars #11). Isso iniciou uma feud com Maxine em fevereiro de 2012. Uma storyline levada ao âmbito amoroso, mais uma vez.


Dessa forma, elas terminaram a rivalidade em uma luta de duplas, onde Kaitlyn e Tamina Snuka venceram Maxine e Natalya. Em abril de 2012 ela retornou ao Smackdown, onde começaria um confronto com sua antiga parceira, AJ Lee posteriormente. Mas antes, ela tinha de lutar pelo título de Divas, nas mãos de Eve Torres, com quem iniciou uma longa feud. Depois de perder três vezes a oportunidade, e de passar por uma aliança com Layla para confrontar Eve e Aksana, além de Torres sempre fugir de Kaitlyn, durante um longo período de seu reinado, a loira finalmente ganhou o título de Divas em janeiro de 2013, no vigésimo aniversário do Raw, em Houston, Texas.


Ela passou a defender títulos contra Tamina Snuka, Natalya e AJ Lee, tanto no Raw quanto no NXT. Foi contra esta última, que passou por uma intensa rivalidade, que envolveu uma armadilha de um "admirador secreto", que depois revelou-se como Big E. Langston, aliado de AJ. Depois de 153 dias de reinado, Kaitlyn perdeu o título para AJ, no Payback. As duas continuaram a feud, trocando vitórias e derrotas sem envolver o título em si, mas quando chegou a oportunidade de lutar pelo cinturão, Layla traiu Kaitlyn, fazendo com que AJ retesse. A feud acabou em uma mixed tag team match, onde Kaitlyn e Ziggler venceram AJ e Langston.

Em janeiro de 2014, ela decidiu terminar o seu contrato com a WWE, tendo sua última luta contra AJ Lee, onde perdeu. AJ e Kaitlyn tinham formado uma relação forte de amizade fora das câmeras, o que ajudou muito na relação que elas tinham, como amigas ou rivais, dentro dos eventos. Isso foi revelado pela própria Kaitlyn posteriormente, que agora, aproveita um tempo maior com sua família, e está de volta à indústria do fitness.

Ela poderia ter feito mais na WWE? - Se ela realmente quisesse, creio que sim. O fato é que Kaitlyn talvez, tenha se acomodado um pouco com a situação e tenha ficado feliz com seu único reinado na sua curta passagem pelo wrestling profissional. O problema é que, a maneira como ela foi conduzida até o título e durante ele, não foi boa. E ela foi ostensivamente usada como valet para outros wrestlers. O que na minha opinião, tira um pouco o foco da real capacidade de luta dela.

Mas ela poderia ter feito mais. Pelos seguintes motivos:

  • Beleza natural: Como estamos falando de Divas, este é um ponto que deve ser considerado. Eu, particularmente, não ligo muito para ele, porém chama a atenção de outras pessoas. A Kaitlyn, para mim, é uma das Divas mais belas, naturalmente falando, sem precisar usar artifícios plásticos como cirurgias ou implantes para isso.
  • Background de fisiculturismo: O passado fisiculturista dela ajudou-a a ter uma força física e resistência maior nas suas lutas. Não digo que ela era uma lutadora excelente, porque ela ainda não tinha sido treinada como a maioria das divas da atualidade. Só para o meio de 2014, até o fim de 2015, é que estamos vendo uma melhora neste ponto. Entretanto, isso ajudou um pouco a ela suprir a falta de treino que as Divas da WWE, principalmente as do roster principal, tinham.
  • Atuação convincente: Ela podia colocar uma boa história quando quisesse, isso dava-se para perceber em suas rivalidades e seus ângulos amorosos. Apesar dela ter recebido poucas storylines atraentes, onde ela não se limita a uma pobre garota lutando contra um mundo injusto, ou como a namorada e amante de alguém, ela poderia fazer coisas interessantes, quando a WWE acertava com ela. O problema de Kaitlyn, foi a falta de uma gimmick marcante, ela ficou extremamente genérica. Como as Bella Twins, para citar um desagradável exemplo.
Kaitlyn pode ter recebido algumas chances. Mas nem sempre extremamente importantes. Não digo que ela poderia ser uma lenda, ou um expoente, como Chyna, Michelle McCool, ou mais recentemente, AJ Lee, Mas certamente, ela poderia ser melhor tratada, com melhores storylines. Até sua antiga parceira e rival mais famosa sofreu com isso, porque ela não sofreria?


Termino assim meu Forgotten Superstars, meus caros! Não se esqueçam de sempre comentar e dar opiniões, para reforçar este quadro!

Um grande abraço!

quinta-feira, 27 de agosto de 2015

WWE NXT 26.08.2015 | Vídeos + Resultados


O NXT desta semana tem como destaque um "Fatal Four Way Match", onde a ex-NXT Women's Champion Charlotte enfrenta a sua colega da Team PCB (Becky Lynch), a Emma e ainda Dana Brooke... para além disso, ainda conta com um enorme "Eight-Man Tag Team Match", onde a equipa dos Hype Bros (Zack Ryder e Mojo Rawley), Enzo Amore e Colin Cassady enfrentam a equipa de Jason Jordan, Chad Gable, Scott Dawson e Dash Wilder.

TNA Impact Wrestling 26.08.2015 | Vídeos + Resultados



O episódio desta semana do IMPACT Wrestling nos traz três grandes title matches, com Tigre Uno defendendo seu X-Division Championship frente a Sonjay Dutt da GFW e DJ Z, Velvet Sky confrontando Brooke pelo Knockouts Championship e The Wolves vs The Revolution (Abyss e Manik) pelos TNA World Tag Team Championships. Além disso, contaremos a presença de Jeff e Matt Hardy, e decisão final de Dixie Carter, sobre dar o comando total do Impact para Jeff Jarrett.


--------------------------------------Reportagem e Resultados --------------------------------------



Vídeos





NXT TakeOver Brooklyn - Análise





I’M BACK BABY!!!

Tivemos este sábado (22 de Agosto) mais um excelente show da NXT. Desta vez a caravana saiu da Full Sail University em Orlando, Florida e dirigiu-se para Brooklyn, com apenas um objectivo, dar um show digno da NXT e digno de ser chamado Takeover. E assim foi! O card era sólido e com muitos combates que seriam interessantes, com destaque claro para a defesa do NXT Championship e do NXT Women Championship. 


Triple H deu início ao NXT TakeOver Brooklyn com uma excelente promo, dizendo: “Começou como um sussurro, até que vocês gritaram a plenos pulmões. Nós ganhamos ímpeto, vocês fizeram-nos imparáveis. Nós tivemos uma visão para uma mudança, vocês tornaram-na numa revolução. Nós dissemos-vos que somos o futuro, até que vocês nos disseram que o futuro é AGORA!! NÓS SOMOS N X T!!!!!”. Promo arrepiante que teve um pop incrível.



Jushin “Thunder” Liger vs Tyler Breeze



Entrada de Breeze muito boa, contrastando com uma entrada normal de Jushin “Thunder” Liger. Este foi um daqueles combates dos quais o vencedor importava menos do que a qualidade do mesmo.
O combate começou bem, com Tyler Breeze a derrubar Jushin “Thunder” Liger e a ir ao canto fazer a sua pose habitual, que foi posteriormente feita por Liger, para gozar com Breeze. “Thunder” Liger esteve por cima no início do combate, tendo estado a trabalhar, essencialmente, nas costas e região lombar de Breeze, mas o “The Gorgeaus One” rapidamente deu a volta ao combate.
O final deu-se quando Liger se preparava para subir à corda superior, Breeze saiu d ringue para poder escapar durante um bocado e se recompor, mas Jushin queria ganhar o combate de forma legal e aplica um Sommersault Plancha do apron. Liger leva o the “The Gorgeaus One” para o ringue e faz uma LigerBomb para a vitória!
Uma vitória provável e um bom combate que deu para mostrar que Breeze está cada vez melhor enquanto heel. Talvez se tivesse tido um bocado mais de tempo, não se perdia nada. 

Classificação:  3/5



Blake & Murphy (c/ Alexa Bliss) vs The Vaudevillains




Um das curiosidades do combate era ver quem seria a “manager” dos Vaudevillains e logo no início ficamos a saber que Blue Pants seria a ajudante dos pretendentes ao título, para ficarem em igualdade com os campeões que tinham Alexa Bliss do seu lado. 

Logo no início do combate Simon Gotch começou a trabalhar no braço de Blake e depois do Tag com Aiden o mesmo manteve-se a fazer estragos quer no braço de Blake, quer no de Murphy.
Rapidamente os campeões deram a volta ao ímpeto dos pretendentes e começaram isolar Aiden English do seu parceiro, muito graças aos tags rápidos e a recorrer ao double team. Mas depois do hot tag de Aiden a Simon, os Vaudevillains voltaram a estar por cima e ainda tiveram um nearfall após uma combo de double powerbomb de Gotch e uma Swanton de English.

Posteriormente foi a vez das meninas entrarem no combate com Alexa a subir ao apron do ringue para protestar com o árbitro, prontamente veio Blue Pants tira-la de lá e pedir justificações, seguiu-se uma corrida desenfreada à volta do ringue e dentro do mesmo, para Bliss tentar agredir Aiden English, mas Blue Pants impediu-a e retribuiu a chapada que Alexa ia dar ao pretendente dos títulos de equipas.

O final deu-se após esta confusão, com um The Whirling Dervish dos Vaudevillains. E temos NOVOS Tag Team Champions!!! Há muito que ansiava pela vitória de Aiden English e Simon Gotch!! :D

Combate bastante bom, cheio de emoção e de alguma indefinição (houve alturas em que realmente achei que os campeões se iam manter). Ambas as equipas mereciam levar o título, mas no fim a melhor equipa venceu cheia de justiça e depois de nos oferecer um combate de tag team melhor que os mais recentes do main roster (SummerSlam incluído). Gostei do que vi!

Classificação: 4/5



Tye Dillinger x Apollo Crews



Um combate de curta duração em que o maior atractivo seria a estreia de Apollo Crews.
Durante os 5 minutos de combate, Apollo esteve em grande destaque (ou será deztaque), mostrando tudo aquilo que esperávamos dele, inclusive tivemos uma provocação ao adversário mostrando as suas capacidades atléticas.

Dillinger esteve competente no combate, mostrando-se ser um adversário à altura de Crews. No fim ganha Crews depois de um Gorilla Press seguido de um Standing Moonsault.
Combate com qualidade apesar da sua curta duração, NXT volta a mostrar que qualidade não falta e 

Apollo Crews é um nome a ter em conta!

Classificação: 3/5



Samoa Joe vs Baron Corbin



Uma storyline muito interessante. O “Lone Wolf” contra o “The Samoan Submission Machine”, só ao ver estes dois nomes no card nós sabíamos que ia ser um combate extraordinário e o que tivemos foi um bom combate.

Samoa Joe começou muito bem, ao mostar o seu grande reportório de submissions aplicando umas atrás das outras. Já Baron Corbin sofreu bastante as mãos de Joe, mas teve também uns momentos por cima no combate, nomeadamente aquela submission que fez alguns estragos à “Samoan Submission Machine”.

No fim, Joe aplicou pela terceira vez a Coquina Clutch para vencer Baron Corbin!
Bom combate, com ambos os lutadores a terem a oportunidade de derrotar o adversário, embora Joe tenha estado maioritariamente por cima do combate. Gostei de ver Corbin a lutar mais tempo durante algum tempo, mostrando capaz de aguentar combates mais demorados que de 30 segundos.

Classificação: 4/5



Sasha Banks vs Bayley 


Sabem aqueles combates femininos da WWE que antecedem os main events dos shows principais, para o público poder recuperar o fôlego antes do combate ou até mesmo ir ao WC? Pois este combate foi tudo menos isso! Um dos melhores combates femininos que eu já assisti, um dos melhores que o NXT já nos deu, em que tivemos uma entrada magistral da campeã!

O combate entre estas duas teve tudo aquilo que se pede num Main Event: indefinição até ao fim, oportunidades para ambas, combate partilhado, duas grandes lutadoras. Eu torcia pela vitória de Sasha Banks, mas ao longo do combate Bayley foi-me conquistando como uma boa “futura” campeã. Foi um combate dividido, bons spots para cada lado. 

Excelente combate em que a vitória poderia ter caído para cada lado. O fim foi espantoso! Bayley aplica um hurricarana da corda superior e um bayley-to-belly para se tornar a NOVA NXT WOMEN CHAMPION.

Combate digno de Main Event e é sem dúvida um candidato a MOTY (Match of the Year).

Classificação: 5/5


Finn Bálor vs Kevin Owens


Um bom combate que mostrou um Kevin Owens muito agressivo, mostrando a sua experiência neste tipo de combates. Foi uma luta em que o escadote foi muito bem utilizado, sem ser necessário 5 ou 6 escadotes para fazer um combate sólido! 

Owens esteve muito bem, sempre com a intenção de magoar Finn Bálor ao ponto de este não conseguir sequer levantar-se para poder recuperar o seu título. Mas Bálor também soube utilizar o escadote como forma de incapacitar Owens. Destaque sobretudo para o reverse de uma powerbomb em que Kevin Owens cai de costas sobre um escadote aberto e o cannonball falhado de Owens, que não o terá deixado nada bem fisicamente.

Parecia tudo muito equilibrado até que Owens ia aplicar um fisherman suplex em Bálor, mas que o Campeão reverteu e fez com que Kevin Owens caisse desamparado sobre o escadote que o próprio tinha montado.    

O antigo campeão ainda tentou regressar ao combate, mas Bálor aplicou o Coup de Grace do topo do escadote e arrumou a questão, voltando a subir e a retirar o título, mantendo-se como NXT Champion!!

Main Event bem entregue, dois fantásticos atletas que deram um combate muito bom e que mostraram mais uma vez que o NXT é o melhor show actual da WWE. 

Classificação: 4,5/5


Classificação do PPV: 4,25/5

Factores importantes:
  • Combate feminino melhor da noite
  • Main Event muito bom
  • New Tag Champs num bom combate
  • Joe is gonna kill you
  • Apollo Crews - Capacidade atlética muito boa


WWE Tough Enough - Season Finale | 6ª Temporada (25.08.2015)


A WWE volta a apostar nos "reality shows" e desta vez num programa que é dedicado a procurar a próxima estrela desta empresa, chamado Tough Enough que regressa após 4 anos de ausência, onde o objetivo para esta 6ª temporada é trazer mais interatividade ao programa.

Apresentado por Chris Jericho e Renee Young, durante 10 semanas, 13 lutadores(as) estarão nuns quartos ao estilo de militar e terão de superar desafios para impressionar os treinadores (Lita, Billy Gunn e Booker T), os júris (Paige, Daniel Bryan e The Miz, que substituí Hulk Hogan) e os fãs para não ficarem nos últimos 3 que menos surpreenderam!

Eis os finalistas do Tough Enough, onde foram escolhidos dentro das mais de 11 mil candidaturas submetidas:

- Alexander Frekey: atleta russo que tem atualmente um emprego como Diretor de Vendas Regional e que já participou num comercial do "Planet Fitness", assim como já tendo aparecido como John Wick na série da NBC chamada The Blacklist.

- Amanda Saccomanno: uma mulher que é uma atleta do fitness, estando sempre a treinar todos os dias com Dança, Yoga, Pilates e Cross Fit e que a sua alcunha de infância foi "Hamburgers"

- Daria Berenato: mais conhecida como "The Jersey Devil" no mundo das MMA, Daria é atualmente uma "Co-Host" do programa do Youtube (UFC AfterBuzz)

- Dianna Dahlgren: rapariga que já esteve na "cover" de várias revistas como a Oxygen, Muscular Development ou até mesmo Muscle & Fitness e que atualmente é representante da Monster Energy

- Gabi Castrovinci: nascido no Brasil, cresceu a praticar Jiu-Jitsu e é uma atleta profissional para o World Beauty Fitness & Fashion... também uma fã do surf e de snowboard, Gabi também vende na Internet, leggins do Brasil

- Giorgia Piscina: veterana de 8 anos no mundo da ginástica e competidora no Bikini Dive para o WBFF, o grande momento desta jovem foi quando fez uma corrida de 400 metros com um tornozelo partido

- Hank Avery Jr.: este jovem foi a cara do futebol na Universidade de Mercer de 2012 para 2013 e agora é um gerente de manutenção de piscina que procura subir na vida

- Joshua Bredl: recente contratação dos Green Bay Packers, este prospeto do top 15 da escola secundária de Colorado, já conseguiu fazer 34 placagens e 6 sacks enquanto um defensor de linha na Colorado State University

- Mada Abdelhamid: treinador pessoal para o ator Jason Momoa (para quem não sabe Khal Drogo do Game Of Thrones) que nasceu no Egipto, é fluente em árabe e praticou basquetebol profissional até sair do país a meio da Revolução Egípcia em 2011

- Patrick Clark Jr.: rapaz de 19 anos que já lutou na Academia Militar de Forestville na competição amadora de wrestling de 2011 até 2013 e que atualmente é um competidor no Mid Atlantic Wrestling Association e até é um treinador

- Sara Lee: enquanto estuda para ser uma técnica de ultra-sons, Sara é uma competidora de pesos que treina 6 vezes por semana e consegue fazer agachamentos de quase 100 kilos... introduzida por um amigo de um ex-namorado, ela adora as Bella Twins

- Tanner Saraceno: pode parecer o homem mais pequeno na competição, mas este homem tatuado que pratica MMA e com 11 anos de experiência como wrestler na escola secundária e na faculdade, Tanner atualmente ajusta árvores no seu emprego

- Zamariah "ZZ" Loupe: participante mais novo na história do Tough Enough, com 18 anos, Loupe atualmente é um "linebacker" para a Universidade de Nicholls, costuma disfarçar-se de Pai Natal para deixar crianças felizes e até luta com jacarés

- Chelsea Green: mulher que conhece o mundo do wrestling melhor que alguns dos finalistas. Introduzida no programa após a 3ª semana de eliminações do programa, Chelsea é uma atleta completa que "ganha de qualquer forma" e já competiu em voleibol, atletismo, futebol, wrestling, rugby e até dançar. É uma estudante da escola de Lance Storm e é mais conhecida como a terapeuta de Daniel Bryan no ano anterior quando Brie Bella estava em rivalidade com Stephanie McMahon

--------------------------------------Vencedores --------------------------------------



Vídeos

-------------------- Tough Enough --------------------



-------------------- WWE Tough Talk --------------------

quarta-feira, 26 de agosto de 2015

Pro Wrestling in Pictures (249) RECAP: Takeover & Summerslam

Mais um Pro Wrestling in Pictures que tem por objectivo mostrar o melhor e o pior do wrestling basicamente em imagens mas sempre com um toque de humor presente e hoje com uma edição diversificada! Relembro se quiserem podem enviar as vossas fotos para wrestlingnoticias@gmail.com que as melhores serão publicadas...

WWE Total Divas 25.08.2015 | 4ª Temporada (8º Episódio)


A WWE volta a apostar nos reality shows e desta vez num show dedicado às Divas da companhia, o Total Divas. Depois do sucesso de 3 temporadas, o Total Divas regressa com novos episódios. Em destaque estão Natalya e as Bellas Twins nos seus relacionamentos com estrelas da WWE bem como o regresso de Naomi ao programa...

A Alternativa Fenomenal #13: O que aprendemos com a Lucha Underground?





Saudações a todos, e bem vindos a mais uma Alternativa Fenomenal. Infelizmente, há algumas semanas, tivemos a exibição do último show da primeira temporada da Lucha Underground, que deixou vários fãs órfãos desta que foi a maior surpresa em muitos anos no meio do pro wrestling. Para nosso grande deleite, este último evento, a Última Lucha, foi um show de majestosa qualidade, sendo comparado a outros grandes show como o Wrestle Kingdom 9 da New Japan e a Wrestlemania 31, sendo até considerado por boa parte dos fãs como o melhor evento do ano. Posto isso, creio que seja interessante repensarmos um pouco na trajetória da LU, e ver o que pudemos aprender com esta jovem, porém gloriosa empresa, que tanto alegrou nossas noites de quarta-feira. Sendo assim, passemos a esses ensinamentos; 

Uma das coisas que a LU mais mostrou nesta sua temporada foi ousadia, especialmente no que toca ao estilo de combate utilizado nas lutas. Por muitas vezes, as pessoas sentem-se cansadas de ver o estilo sempre usado na WWE (e na TNA também) e procuram por alguma empresa com estilo diferenciado. Essas mesmas pessoas, muito por questão de costume, acabam não apreciando um estilo mais acrobático e fantasioso como a lucha libre mexicana. Pensando nisso que a AAA (empresa-mãe da LU) resolveu criar esta promoção, como uma forma de atrair tanto o público americano, para que conhecessem seu trabalho, como também o público mexicano, apresentando algumas caras novas e novas storylines. E para realmente mostrar sua intenção em atrair todos os tipos de público, eles inovaram ao apresentar um estilo completamente próprio, combinando toda a psicologia de ringue e firmeza do estilo americano com a velocidade e beleza estética do estilo mexicano. Isso proporcionou combates rápidos, com boa dose psicológica e uma plasticidade poucas vezes vista na luta livre convencional americana. Esta nova forma de combate impressionou muito os fãs, tornando-se uma das marcas registradas da companhia. 




Além do estilo de combate, outra inovação veio na forma de produção dos segmentos. Normalmente, os segmentos como vemos na WWE e TNA se resumem a entrevistas aos lutadores, ou interações rápidas entre eles em ambientes bem iluminados (caso mais visto na WWE) e com toda a correria da produção ocorrendo em sua volta, onde se utilizam técnicas de gravação mais convencionais, e as interações ligam-se diretamente a storyline em que os wrestlers estejam envolvidos. Na LU, os segmentos foram produzidos de forma semelhante às cenas vistas em séries de TV, com o uso de técnicas de gravação próprias para esse tipo de programa (angulação das câmeras, filtros utilizados, uso de closes, entre outros pormenores), além de uma excelente adequação ao estilo do programa (já que estamos tratando de algo “underground”, nada melhor que apresentar cenários escuros, sombrios e que passem aquela impressão de estarmos acompanhando um campeonato clandestino). Acrescente-se também um ótimo roteiro, uma grande direção de cena (nesse ponto, meus sinceros agradecimentos ao produtor Robert Rodriguez e sua vasta experiência em Hollywood) e interações multi-storyline (onde os segmentos envolviam mais de uma storyline, mesmo que de forma implícita, ou mais sutil), e temos os segmentos mais bem produzidos e interessantes já vistos no meio do wrestling. Elogios a sua equipe de produção não faltaram, e os fãs também apreciaram imensamente este estilo único de desenvolvimento das estórias.




Diretamente ligada a produção dos segmentos, as storylines também não podem deixar de ser lembradas. Como pudemos ver, os writers puderam contar com uma grande liberdade para escrever os scripts dos shows, e uma melhor facilidade para desenvolver estórias mais longas, visto que tratou-se de um programa com 1 hora semanal (algo que podemos ver também no NXT). Da mesma forma que a gravação dos segmentos mostrou, os roteiros também seguiram um estilo mais sério de escrita, claramente inspirados nas séries de ação e, em alguns casos notáveis, em séries com temática mais fantasiosa. Isso contribuiu bastante para despertar o interesse dos espectadores, visto que a sensação de estar vendo um filme ou uma série é algo que não é passado em nenhum dos shows semanais das outras companhias. Uma mostra bastante clara dessa inspiração é o vídeo package mostrado ao final da Última Lucha, com aquilo que seriam os “finais de temporada” para cada luchador que atuou no evento. 




Falando dos lutadores, fomos apresentados a um roster bastante diversificado, composto por vários nomes conhecidos da AAA (Mil Muertes/El Mesías, Blue Demon Jr, Drago, Fenix, Pentagón Jr, Aerostar, entre outros), lutadores das indys americanas (Prince Puma/Ricochet, Son of Havoc/Matt Cross, Killshot/Shane Strickland, Ivelisse Veléz, Brian Cage) e famosos ex-WWEs (Johnny Mundo/John Morrison, Big Ryck/Ezeckiel Jackson, Daivari, Chavo Guerrero, Alberto “El Patrón”/Alberto Del Rio). Essa diversificação foi a grande chave para criar o estilo combinado que utilizam nas lutas, adaptando bem os conhecimentos que cada lutador possui, e os mesclando de forma que, mesmo sendo algo “único”, fiquem perceptíveis os pormenores específicos ao estilo individual de cada um. Destacaram-se muito também, os managers Konnan e Catrina (ex-Maxine da WWE), fundamentais no desenvolvimento das storylines envolvendo seus protegidos (chamo mais atenção para Catrina, que pode demonstrar muito do que sabe fazer e não pode nos apresentar na empresa de Stanford) e o GM da companhia, Dario Cueto, uma cara completamente nova para os espectadores, mas que mostrou de forma impressionante seu talento como gestor heel, sendo manipulativo, engenhoso e algumas vezes covarde, tal como as grandes autoridades heels da indústria.

Rapidamente, creio que também seja interessante destacar a ousadia dos produtores em relação ao alinhamento de alguns lutadores, como Blue Demon Jr, uma das maiores lendas do México e um conhecido luchador face, que sofreu uma interessante turn baseada justamente em seu orgulho como mexicano, que o fez tornar-se obcecado com a idéia de ser o verdadeiro representante do México, Texano, um grande lutador heel na AAA, que acabou mostrando enorme empatia com o público da LU e apresentou um bom trabalho como face, e Pentagón Jr, mostrado inicialmente como heel violento, e finalizando a temporada com o mais amado tweener da empresa, mesmo mantendo seu estilo de combate mais duro.




De lembrar-se também da ousadia em inserir lutadoras em combates e storylines contra lutadores homens, algo poucas vezes visto no wrestling americano. Ver os casos de Sexy Star e Ivelisse Veléz (e muito provavelmente Black Lotus na segunda temporada), luchadoras tratadas como iguais em relação a seus colegas homens, e podendo demonstrar sem medo suas habilidades (chegando ao ponto de Ivelisse ter sido LU Trios Champion), foi algo bastante satisfatório para várias pessoas (eu inclusive) que já estavam indiferentes ao wrestling feminino, devido ao grande fato da WWE por muito tempo ter ignorado sua divisão feminina, pelo ainda pouco conhecimento acerca do NXT (que, felizmente hoje não deve mais ser um problema), pela falta de visibilidade das indys especializadas, e dos contínuos problemas em relação ao booking que a TNA apresentava.




Podemos claramente destacar algumas inovações no que tocam a gimmick matches apresentadas pela LU. Estipulações incomuns, como a Aztec Warfare (um tipo de Royal Rumble, onde a eliminação ocorre apenas por pinfall e submissão), o Believer’s Backlash (lumberjack match onde fãs estariam ao redor do ringue, cada um com um cinto, podendo atacar os lutadores que saíssem do ringue), ou as famosas Deathmatches (que aqui apareceram duas vezes, uma como Deathmatch propriamente dita, e outra sob o nome de Cero Miedo match) fizeram-se notáveis aos espectadores, especialmente pela bela forma como foram conduzidas, e pela importância dada a elas no contexto a que foram aplicadas (o Aztec Warfare coroou o primeiro LU Champion de sempre).




Para finalizar, sobre os títulos da companhia, para além do LU Championship, o tradicional prêmio máximo da companhia, tivemos também os (inéditos para muitos) LU Trios Championship, que criou uma divisão muito mais ambiciosa do que uma divisão de tags convencionais (especialmente pelo fato de termos um roster de tamanho mediano que, no entanto, não impediu o desenvolvimento de grandes feuds e combates em torno dos cinturões) e o LU Gift of the Gods Championship, um formato extremamente inovador, onde lutadores disputam combates qualificatórios pela posse de 7 medalhas aztecas, que juntas formam um cinturão que dá ao vencedor do combate final (uma 7-way match entre os possuidores das medalhas), o direito de requerer um combate pelo LU Championship a qualquer momento que desejar (mas, diferentemente de um cash-in do Money in the Bank, haverá um espaço de tempo de uma semana entre o anúncio e o combate), tendo o revés de, caso demore muito a utilizar o “poder” do cinturão, defendê-lo contra outros lutadores que desejem usufruir desta oportunidade. 




Creio que não seja segredo para ninguém que a Lucha Underground apresentou o produto mais interessante e inovador que pudemos ver em muito tempo. Com pouco menos de um ano de vida, a companhia mostrou ter capacidades suficientes para produzir shows e eventos claramente superiores a muita coisa apresentada pelas companhias mais famosas. Infelizmente, agora cabe a nós esperar até janeiro de 2016, prazo máximo prometido pelo produtor executivo Eric Van Wagenen para o retorno do show, para voltarmos a nos deleitar sobre toda a criatividade e qualidade proporcionada pela LU. Caso seja de desejo dos leitores, podem deixar nos comentários, aquilo que mais gostaram nesta primeira temporada da Lucha Underground. Aproveitem o artigo e até a próxima. 



OBS: Este artigo vem a pedido do leitor João Paulo, que me pareceu ser um grande fã da LU, e que assim como eu, vai ter que amargar a espera pela season 2.

Puroresu Channel 2015 XXV - NOAH Summer Navigation 2015


É o regresso do Puroresu Channel com o melhor do puroresu! Esta semana apresentamos um show da NOAH  e um da Guts World. O grande combate da semana é pelo GWC Title entre Daisuke e Mr.Gannosuke.

Guts World
19/07/2015 - Shinjuku FACE
314 Fans

1. Bungee Takada & Kazuhiko Matsuzaki x Joji Otani & Ryouya Akiba
2. Taro Yamada x Ryan Upin
3. Keizo Matsuda & YUJI KITO x Drake Morimatsu & Guts Ishijima
4. Yuko Miyamoto x Tatsuhiko Yoshino
5. GWC Title Match: Daisuke x Mr.Gannosuke
 





NOAH Summer Navigation 2015
18.07.2015 - Korakuen Hall
1805 Fans

1. Katsuhiko Nakajima, Mohammed Yone, Naomichi Marufuji & Captain NOAH x Genba Hirayanagi, Mikey Nichols, Super Crazy & Yoshinari Ogawa
2. Manabu Nakanishi x Quiet Storm
3. Davey Boy Smith Jr., El Desperado, Taichi, Lance Archer & Takashi Iizuka x Hajime Ohara, Kenou, Maybach Taniguchi, Mitstsuhiro Kitamiya & Akitoshi Saito
4. Sho Tanaka & Hitoshi Kumano
5. Bengala x TAKA Michinoku
6. Zack Sabre Jr. x Daisuke Harada
7. Takashi Sugiura x Shelton Benjamin
8. GHC Heavyweight Title Match: Minoru Suzuki x Yoshihiro Takayama










terça-feira, 25 de agosto de 2015

WWE Monday Night Raw 24.08.2015 | Vídeos: Summerslam fallout


A WWE segue uma tradição de apresentar shows de qualidade na sequência de seus PPVs e, no RAW de fallout do Summerslam, temos um possível candidato a show do ano. O programa destaca a apresentação da estátua de Seth Rollins, o agora campeão americano e do mundo. Além disso, Brock Lesnar busca vingança ante a sua derrota para Undertaker, John Cena confronta Jon Stewart e, na divisão de equipas, um acontecimento histórico promete revolucionar o panorama da indústria.