quarta-feira, 24 de agosto de 2016

WWE Smackdown Live 23.08.2016 | TRANSMISSÃO AO VIVO



Mudanças com cautela?

Neste episódio do Smackdown Live, o General Manager do programa, Daniel Bryan poderá estar sozinho devido ao que aconteceu neste passado Domingo no SummerSlam entre Shane McMahon e Brock Lesnar, mas se estiver sozinho, ele terá na mesma um grande anúncio para fazer!

Já foi anunciado via Twitter que finalmente serão apresentados 2 novos títulos exclusivos do Smackdown e a especulação disto começou a surgir desde o dia em que no Smackdown foram apresentando vários talentos na divisão de equipas e feminina do Smackdown,,,

Daniel Bryan sabe que a competição existe no Smackdown e quer que eles sintam o que ele sentiu quando era um lutador e estava a batalhar para conquistar determinados prémios, mas está a fazer de forma lenta, porque não quer dar um nome tão genérico ou não quer dar um título que seja feio para os fãs ficarem todo o tempo a criticar.

Depois do RAW ter apresentado a sua versão do título mundial (chamado WWE Universal Championship) e de brevemente ter uma divisão cruiserweight, o Smackdown também procura as suas divisões exclusivas, visto que os WWE Tag Team Championships e o WWE Women's Championship estão no Raw!

No SummerSlam vimos que o Smackdown pode ter as suas divisões exclusivas de equipas e feminino, pois mostraram 6 das melhores equipas e 6 das melhores lutadoras e é graças a isso que Bryan poderá estar pronto para anunciar 2 novos títulos...

Como é que Bryan irá lidar com esses 2 novos títulos visto que o primeiro PPV exclusivo do Smackdown após o WWE Draft está quase à porta (dia 11 de Setembro)? E quem serão os campeões e quais é que serão as divisões?

Assiste ao Smackdown no seguinte link:
http://adf.ly/1dL1ld

Weekly Wrestlers #1 | Votação


Cumprimentos a todos, anexados a uma boa notícia que vos devia entusiasmar. Parece que a partir de agora terão a oportunidade de controlar este espaço! Pronto, não tanto como queriam, também não é assim, mas um novo espaço estará nas vossas mãos.

Um novo espaço no blog vai acontecer com todos os leitores envolvidos porque serão eles a votar nos lutadores que estiveram em destaque durante a semana toda.

O "Weekly Wrestlers" contará com os vossos comentários no post - a começar já a partir deste Domingo, até o próximo Sábado à noite quando as votações encerram - onde incluirão estrelas que considerem que tenham sido de maior destaque durante a semana. Os comentários podem ser feitos, separadamente, ao longo da semana, e à medida que vão acompanhando o produto, ou vários de cada vez, ou todos de uma vez, tendo até cinco lutadores para seleccionar numa semana. Como um mero exemplo:

Um comentário na Segunda-Feira: Eva Marie
Terça: Señor Benjamin
Quarta: JTG
Quinta: Vince Russo e aquele gajo que o Braun Strowman squashou

Ou numa vertente mais séria, que é aquela que procuro:

Um dia: Finn Bálor, Matt Hardy, AJ Styles
Outro dia: Dean Ambrose e Jay Lethal

Assim como bem podem, logo de uma vez, seleccionar todos os membros dos Spirit Squad se assim acharem justo. (Já agora, utiliza-se o mesmo sistema que eles, de que uma Tag Team funciona como uma unidade)

Mero exemplo, cabe a vocês escolher o vosso Top 5 de acordo com o produto semanal que acompanharam. No final da semana será feita a recolecção, contagem, ordem e comentário daqueles que foram os "Weekly Wrestlers" para vocês, com caixa imediatamente aberta para novas escolhas e nova contagem para a semana seguinte. O formato é muito simples e apenas precisa de uma coisa para andar para a frente: a vossa participação. Se não querem mesmo ver o Roman Reigns no pódio dos Weekly Wrestlers ao ver o desgraçado a aparecer em muitos comentários... Toca a participar e a mexer na média! Comecem já e espero ver-vos na próxima semana, com bons resultados.

A votação incluí todos os lutadores que participaram em todo o tipo de eventos de wrestling e que se destacaram a partir das 00h deste Domingo Portugal até às 23h59 do próximo Sábado!


VOTEM JÁ!

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

WWE Monday Night Raw 22.08.2016 | Vídeos + Resultados


Este episódio do Monday Night Raw tem como destaque combates de qualificação para o WWE Universal Championship, onde Kevin Owens enfrenta Neville, Big Cass enfrenta o United States Champion Rusev, Roman Reigns enfrenta Chris Jericho e Seth Rollins enfrenta Sami Zayn. Para além disso, também conta com um combate entre Karl Anderson e um dos WWE Tag Team Champions, Big E.


WWE SummerSlam 2016 | Vídeos + Resultados


A WWE apresenta o seu maior evento do Verão chamado SummerSlam no qual como combate de destaque teremos o primeiro combate em 15 anos entre dois ex-WWE World Champions, onde Randy Orton irá colidir contra Brock Lesnar num evento que contará com a duração de 2 horas no "Kickoff Show" e com a duração de 4 horas no PPV.

domingo, 21 de agosto de 2016

WWE SummerSlam 2016 | Preview


A WWE apresenta o seu maior evento do Verão chamado SummerSlam no qual como combate de destaque teremos o primeiro combate em 15 anos entre dois ex-WWE World Champions, onde Randy Orton irá colidir contra Brock Lesnar num evento que contará com a duração de 2 horas no "Kickoff Show" e com a duração de 4 horas no PPV.

Forgotten Superstars #69 | O Legado que poucos lembram


Saudações a todos os leitores do Wrestling Notícias! Estamos aqui com mais um Forgotten Superstars, e hoje, trataremos de mais uma estrela esquecida pela WWE com sangue nobre de família de pro wrestlers.

Sim, trataremos no caso, de mais um Anoa'i. Este, não parece tão vivo na memória dos fãs, como por exemplo, o super-herói Rosey. Mas ele também merece ter sua história contada aqui por nós, para avaliarmos a sua presença na empresa.

Então, vamos aos fatos!

Quem é? - Afa Anoa'i Jr., nascido em Allentown, Pennsylvania. Filho de Afa Anoa'i e irmão de Lloyd e Samula Anoa'i. Ele foi conhecido na WWE como Manu. Ele começou a lutar em 1998, aos 13 anos de idade, vencendo uma Battle Royal em uma promotora independente da Áustria. Durante o seu tempo de treinamento, ele treinou na WXW de Afa, e fez uma stable com seus irmãos. Ganhou vários títulos por ali.

O que ele fez na WWE? - Em outubro de 2006, Afa recebeu uma oportunidade de realizar um tryout para a WWE. Ela se passou no Deep South Wrestling, e um mês depois do tryout, ele assinou coma WWE, para seguir nos territórios de desenvolvimento como a DSW. Lá, ele fez parte de uma stable, Urban Assault, que depois se dissolveu e passou a ser uma dupla com ele e com Sonny Siaki, chamada Samon Fight Club.

Ele foi enviado junto com Siaki para a FCW, mas este último só ficou por ali até setembro de 2007, além de trabalhar na OVW ao lado de Matt Anoa'i (Rosey). Na FCW, ele conseguiu capturar o título maior da companhia de desenvolvimento em outubro de 2007. Ele subiria para o roster principal, um mês depois.


Dessa forma, Afa fez o seu primeiro combate na televisão sob o nome "Mai Tai Anoa'i", em um confronto contra Jim Duggan nas gravações do Heat, onde perdeu. Depois de tempos ainda treinando no desenvolvimento, teve de cumprir 30 dias de suspensão, pela violação da Política de Bem Estar da WWE, em março de 2008.

Seu debut em full-time no roster principal, se deu no Unforgiven de 2008, aliando-se com Cody Rhodes e Ted DiBiase Jr., para atacar Cryme Tyme. E junto com eles, também atacou o então World Heavyweight Champion CM Punk, além de Kofi Kingston. Isso gerou uma certa rivalidade com alguns wrestlers, que foi levada para o Raw. Em seu debut de lutas simples, Manu perdeu para Batista, em novembro de 2008.


Rhodes, DiBiase e Manu entraram em uma storyline onde eram constantemente criticados por Randy Orton, até o momento em que DiBiase foi atacado pelo Viper, que ofereceu uma aliança a Rhodes e Manu, marcando o início da Legacy.

Porém, ele não ficou por muito tempo no grupo, pois falhou em um teste colocado por Orton ao perder para o então ECW Champion, Matt Hardy. Tempos depois, ele se uniu a Sim Snuka que também foi colocado para fora do grupo, e os dois chamaram DiBiase, para se vingarem de Orton e Rhodes em janeiro de 2009. Entretanto, DiBiase os traiu e atacou Snuka e Manu, juntamente com Randy e Cody, para se tornar o terceiro membro da Legacy.


Em fevereiro de 2009, Manu foi liberado de seu contrato pela WWE.

Ele poderia ter feito mais na WWE? - O fato é que Manu teve poucas chances para mostrar-se, fora de um grupo. Por outro lado, Orton diz que as atitudes de backstage do Anoa'i não eram adequadas. O que não podemos definir se é ou não verdade. O que podemos dizer é que Afa Anoa'i Jr. está no circuito independente, e pelo seu nome e suas habilidades, ganhando títulos.

Talvez ele apenas não tenha se adequado ao estilo da WWE. De qualquer forma, vamos às características que o levaram até lá.

  • Herança de sangue: Mais uma vez, uma outra família de wrestlers leva uma estrela à WWE. O que não quer dizer que, automaticamente, ela se tornará uma das maiores da empresa.
  • Físico convincente: Manu era bem assugtador, fisicamente, deveria ser o mais robusto dentre os Legacy. O que dava uma credibilidade a ele.
  • Powerhouse e técnico: São raras as vezes que podemos ver alguém do tamanho dele fazendo alguns movimentos dignos de wrestlers técnicos e rápidos. Ele consegue oferecer alguma mobilidade para a luta, mesmo contra adversários mais pesados, o que é interessante.
Manu tem o seu talento, assim como a maioria de sua família, mas talvez não tenha conseguido se adaptar ao ritmo de trabalho da WWE. Nas independentes, ele está fazendo o seu nome. E talvez, seja melhor assim, em seu caso, levando o nome de sua família para várias federações e países.

Então, este foi mais um Forgotten Superstars, meus caros. Na próxima edição, tenho um aviso especial para vocês.

Um grande abraço!

NXT Takeover: Brooklyn II | Vídeos + Resultados


A NXT continua a apresentar os seus eventos especiais, onde desta vez apresentam a segunda edição do NXT Takeover: Brooklyn, no qual como combate de destaque teremos uma defesa do NXT Championship, no qual pela primeira vez na história do NXT teremos Samoa Joe a defender o título contra o "King of Strong Style", Shinsuke Nakamura.

sábado, 20 de agosto de 2016

Opinião Pacifica #4 - "Say hello to the Bad Guy!"



Cada vez mais, os vilões vêm a ganhar popularidade em todo o mundo, não só no wrestling, mas também no cinema, na TV ou até na "vida real". As pessoas identificam-se cada vez mais com as ações e as palavras de alguém que supostamente, deveria ser visto como alguém que está no lado do "mal". Vilões a serem apoiados e aplaudidos em quanto o herói é apupado é um cenário cada vez mais real e comum hoje em dia. No Wrestling, principalmente, onde cada vez mais o kayfabe é quebrado e a barreira entre a ficção e a realidade é, muitas vezes, impersetivel ou até inexistente e existe cada vez mais liberdade de microfone para os wrestlers dizerem aquilo que pensam, sendo que muitas vezes é difícil separar o wrestler, a personagem, da pessoa em si. 

Numa geração onde o ser humano anda cada vez mais frustrado pela sua vida, pelos seus problemas, a pela pressão da sociedade e pelo cansaço, não só físico, mas, sobretudo psicológico que a rotina diária lhe causa, este tenta encontrar um escape, algo que o distraia dos seus incômodos e, principalmente, alguém que o entenda, que o compreenda, alguém que pense como ele. É aqui que o Vilão entra. É aqui que um bom Vilão faz o seu papel. Um bom Vilão não é "mau" apenas porque sim ou porque lhe apetece. Um bom Vilão tem o controlo da situação e da sua vida, algo que falta a muita gente. Um bom Vilão é carismático e consegue captar um auditório com as suas palavras e gestos, algo que muitos desejavam ter e conseguir fazer. Um bom Vilão tem motivos para agir, tem uma história e tem emoções, tudo elementos que conseguem fazer com que o publico fique muito mais investido nele e que consiga ficar do lado dele. Um bom exemplo disto é a história contada no famoso comic-book, que eventualmente conquistou uma versão áudio e recentemente até, um filme animado, The Killing Joke, que retrata a história de Joker, as suas origens e os seus motivos. Algo simples como dar um passado a um vilão já bastante conhecido, para que as pessoas possam perceber o que o levou a fazer o que faz, faz com que as pessoas se identificam com estes e comecem mesmo a gostar do vilão.



Um bom Vilão sabe manipular as pessoas e, principalmente, usa-las para conquistar o seu derradeiro objetivo. Sempre ouvi dizer, desde que comecei a frequentar a internet para adquirir conhecimentos sobre o mundo do wrestling, que ser-se face é muito mais difícil do que ser-se heel. Pois eu digo, com toda a certeza, que é muito mais difícil ser-se um bom heel do que um bom face. Ambos são papeis extremamente difíceis, mas considero o bom heel mais difícil. Porque? Porque um bom face é aquele que consegue fazer as pessoas gostar dele, ponto. Um bom heel é aquele que leva as pessoas a ter uma de duas reações: ou de o odiar de morte, ou de obter o apoio do publico de forma a virar o publico contra o face. E no segundo caso, então, estamos na presença de um vilão com uma capacidade enorme!

Desde o enorme sucesso do segundo filme da trilogia do Batman de Christopher Nolan, em que temos a presença da brilhante e lendária atuação de Heath Ledger como Joker, que os vilões ganharam uma nova dimensão. Começou a ser-se "fixe" e comum até gostar-se de mauzões e começamos a ter mais heels, não só no Wrestling, mas no entretenimento em geral. Mas no Wrestling, demorou-se um pouco até começar a aparecer heels com uma dimensão suficiente para que pudêssemos ficar por detrás deles e apoia-los. Foi apenas em 2011 que começamos a ver a ascensão de lutadores que cativassem o publico o suficiente para que estes fossem apoiados pelas massas, mesmo que, de uma forma ou outra, as suas ações fossem menos boas ou até mesmo, vilanescas. CM Punk e Kevin Steen foras, na minha opinião, as duas personagens que trouxeram de volta o glamour de se ser um Vilão. Sim, eu sei, Punk não era propriamente um heel no Summer of Punk, mas este começou a história como heel e agia como heel no inicio. Apenas era um heel que lutava contra um heel maior, a autoridade de Vince McMahon. Mas como estava a dizer, Depois começaram a aparecer personagens que saiam daquele estigma de anti-sistema que Steen e Punk tinham, para dinamizar e diversificar mais a coisa, como o "Eater of Worlds" Bray Wyatt, o "Rainmaker" Kazuchika Okada ou o "Panama Playboy" Adam Cole, que trouxeram um certo estilo e uma mistica diferente aos Vilões do wrestling.



Finalmente a credibilidade estava a começar a ser devolvida aos "bad guys" do mundo do wrestling. O estilo, o carisma, a liberdade, a "cockyness", a mistica, a agressividade, mas acima de tudo, a credibilidade das suas personagens, foram o que, para mim, voltarem a fazer com que eu voltasse a ter interesse no wrestling em 2011. Já à alguns anos que tinha deixado de assistir wrestling mas tentava acompanhar muito por alto o que acontecia, mas nada despertava-me interesse, algo que me cativasse a voltar. Durante alguns anos, os Heels do wrestling era heels que caçavam em grupo, sendo que faziam força dos números mas individualmente eram fracos e personagens aborrecidas. Sim, tivemos casos de exceção como EDGE, Chris Jericho ou até um JBL, mas faltava alguma coisa. Algo que personagens como Razor Ramon, Ted Dibiase ou os NWO tinham anteriormente dado à industria. Algo que as novas personagens vinham a ter. As personagens da Ruthless Agression Era e da PG Era eram, a meu ver, personagens demasiado genéricas e cruas, sem grandes adereços ou diferenças que fizessem destingir umas das outras. Com o aparecer de personagens mais "animadas", permitiu também que a criatividade desabrocha-se e começasse-se a fazer mais na área dos heels e também no wrestling em geral.

Qualquer história de qualidade necessita de três elementos: um herói, um vilão e um motivo pelo qual o bem e o mal entram em disputa. Até em histórias de herói vs herói, um dos defensores do bem acaba por fazer o papel de "heel", aquele que vai mais longe para atingir os seus fins, aquele que está disposto a ir mais longe e a fazer mais para vencer. Alguns exemplos disso é a storyline de Ambrose vs Ziggler que está a tomar lugar neste exato momento ou a história que vimos no filme de Batman vs Superman entre os dois protagonistas, em que Batman acaba por ser dos dois protagonistas, aquele que interpreta o papel de mais mau.



Ser-se um bom vilão é uma das duas coisas que não se aprende no wrestling, sendo que a segunda acaba por completar a primeira, sendo esta o Carisma. Podemos aprender todos os truques e todas as técnicas de ringue e tornar-mo-nos nos melhores wrestler do mundo dentro do ringue, podemos aprender a falar ao microfone ou a contar uma história. Podemos aprender a fazer expressões faciais ou a vender um move, ou até mesmo construir um look. Mas o Carisma não se aprender e isso é necessário para se ser um bom Vilão. Até ser-se um bom face se aprende no wrestling, como é o caso de The Rock que foi bastante rejeitado no inicio como face mas depois de um heel turn, passou a ser adorado quando voltou ao papel de face.

Hoje em dia temos o privilégio de termos muitos excelentes vilões. Personagens como Kenny Omega que representam um vilão mais "gangster" e "badass", ou Marty Scurll que é inspirado pelo personagem de Alex DeLarge do filme "Clockwork Orange" de Stanley Kubrick, um autentico clássico do cinema e um dos melhores filmes de sempre na minha opinião, ou até algo mais "gore", agressivo e psicopático como Jimmy Havoc, ou um simples Vilão brutamontes com uma grande boca como Kevin Owens, passando por alguém muito "animesco" e animado mas sombrio como Tetsuya Naito, são apenas alguns exemplos da estupidamente incrível qualidade que existe no wrestling hoje em dia em termos de vilões. Todos estes são wrestlers que conseguem por arenas inteiras a insulta-los e a mostrar-lhes o dedo do meio (deveriam dar uma olhadela no reinado de Jimmy Havoc enquanto PROGRESS Champion, uma das melhores histórias e demonstrações de como se ser um heel que vi na minha vida).



O papel de um vilão é um pouco ingrato. O heel existe, na sua essência, para em algum ponto da história ser derrotado por o herói. O heel existe para sair por baixo e meter o face over. Ser-se heel é saber-se que nunca serás a cara da companhia, que nunca serás a atração principal ou a pessoa em que realmente o foco de luz está apontado. O foco de luz até pode estar em ti por alguns momentos, mas isso é só para construir o ódio que vai ser usado para o face over mais tarde. Mas, e quando a qualidade do vilão é tal que este começa a ser mais popular que o herói? E quando as coisas descontrolam-se e o publico, inesperadamente, fica do lado do heel e apupa o face? E quando situações como a de Tetsuya Naito, que foi fortemente apoiado pelo publico no Invasion Attack deste ano, sendo que ele era o Heel da história, e o publico acaba mesmo por apupar Kazuchika Okada, a cara da companhia e o principal face do Japão? São situações que nos deixam a pensar e que fazem com que o papel do Vilão comece a mudar no mundo do wrestling. Será que iremos começar a ver cada vez mais destaque aos "Bad Guys"? Será que alguma vez poderemos ver realmente um heel como cara de uma companhia?

O meu nome é Marco Paz e este foi o Opinião pacifica desta semana. PEACE!



NXT Takeover: Brooklyn II | Preview


A NXT continua a apresentar os seus eventos especiais, onde desta vez apresentam a segunda edição do NXT Takeover: Brooklyn, no qual como combate de destaque teremos uma defesa do NXT Championship, no qual pela primeira vez na história do NXT teremos Samoa Joe a defender o título contra o "King of Strong Style", Shinsuke Nakamura.

Overrated ou Underrated #29 | Samoa Joe

Sejam bem-vindos à vigésima nona edição do Overrated ou Underrated. Ora, na semana tivemos connosco Damien Sandow ou Aron Rex - um lutador que deixou recentemente a WWE para ingressar na Total Nonstop Action. Esta semana, teremos connosco um lutador que optou por realizar o caminho inverso, deixando a companhia de Dixie Carter e acabou por juntar-s à WWE.

Como muitos de vós deverão saber, nós somos membros do Forum de Pro Wrestling - o único forum nacional dedicado ao wrestling, sendo também um forum que conta com quase oito anos de história. Apresentando agora o espaço para quem nunca leu uma edição ou simplesmente não está recordado da essência de um Overrated ou Underrated. 

Underrated - Alguém que é subvalorizado ou não têm o devido reconhecimento seja aos olhos da industria do wrestling ou até dos fãs. 

Overrated - Precisamente o contrário do ponto anterior. Alguém que é sobrevalorizado e que a industria do wrestling ou fãs dão demasiado crédito por aquilo que faz. 

No ponto - Nem toda a gente ocupa um lugar acima ou abaixo daquilo que realmente merece. Existem lutadores que ocupam o lugar que ocupam na industria porque é exactamente nesse sitio que merecem estar e têm também exactamente o reconhecimento que merecem da parte dos fãs. 

Por fim, gostaríamos sempre de saber a vossa opinião, quer concordem ou discordem da nossa avaliação sobre o wrestler em questão. Tentem também coloca-lo numa destas três categorias e caso se sintam à vontade podem sempre dar sugestões sobre wrestlers que gostariam de ver neste espaço.


Esta semana falamos de Samoa Joe, um lutador que já brilhou em todo o lado e que actualmente é o NXT Champion que terá a tarefa de encabeçar o NXT Takeover: Brooklyn II com um combate contra o King of Strong Style, Shinsuke Nakamura.

*************************************************************************

Marco Paz (No Ponto) - Joe é um dos atletas mais interessantes que o mundo do wrestling teve na ultima década. Quem olha para o seu físico, nunca adivinharia que Joe consegue fazer metade das coisas que consegue, mas a verdade é que Joe é um espécime cheio de agilidade, alem da sua força bruta, agressividade e destreza dentro de ringue. Joe passou alguns anos mais em baixo na TNA, sendo que a partir de certa altura a sua carreira começou a cair e mesmo este não andava a entregar como entregava outrora, fosse na sua mítica passagem pela Ring Of Honor ou até nos primórdios da sua longa estadia na TNA. Hoje em dia, Samoa Joe está completamente renascido e parece que voltou a ser o Joe que demolia os ringues da ROH, com uma dominância incrível e uma motivação excelente. 

Parece que é a primeira vez em muito tempo que vejo Joe a ter gosto em fazer wrestling. Ele em ringue é excelente, um dos atletas mais versáteis para a sua estatura alem de ser um technical wrestler muito bom. Joe consegue, em ringue, aplicar a sua brutalidade e agressividade de tal forma que qualquer combate de wrestling parece uma autentica street fight. 

A nível de entretenimento, Joe entrega bem no microfone, principalmente quando lhe é dado o papel de monster heel ou de bully, consegue intimidar e tem tamanho para ser credível nesse tipo de papel. A sua carreira não foi das mais recheadas de titulos, mas mesmo assim ainda tem algumas coisas de que se orgulhar, como o seu reinado como Ring Of Honor champion, ou combates como os contra o CM Punk e o mítico 3-way match contra Styles e Daniels. Joe teve uma boa carreira, mas sinto que merecia melhor. No entando, neste momento, está ao nível que merece e está a entregar bem. Apesar dos seus combates contra Finn Balor terem falhado em entregar algo de bom, sinto que o combate contra Nakamura irá ser aquele que o irá consolidar como um grande wrestler na WWE e iremos em breve ver coisas boas para o “Samoa Wrestling Machine”.

*************************************************************************

André Ribeiro (No Ponto) - Samoa Joe é um lutador com uma tremenda presença, é capaz de presentear o público com optimos combates independentemente do estilo do oponente e embora esteja longe de ser um excelente promo, também não é propriamente horrível. Ainda assim, Samoa Joe teve uma carreira um pouco estranha.

Estamos a falar de um lutador que começou por ter um arranque de carreira fantástica, tornando-se um dos maiores campeões da história da RoH, que teve uma trilogia de combates de sonho com CM Punk, que deu um dos melhores combates da história do wrestling contra Kenta Kobashi, que produziu um clássico de violência com Necro Butcher e começou da melhor maneira  na TNA - com combates mágicos frente a Sabin, Daniels, AJ Styles, destacando-se obviamente aquela Triple Threat lendária que envolveu o Phenomenal One e o Fallen Angel. Depois deu-se a feud com Kurt Angle - que teve um dos melhores build ups para um combate de wrestling na história da companhia e os gerou combates espectaculares no Genesis de 2006 e no LockDown de 2008. 

Depois disso, não percebi muito bem o que se passou - e Joe foi tornando-se cada vez mais banal, a companhia deixou de conseguir tirar total partido do talento que tinha em mãos e o próprio lutador pareceu menos interessado em dar tudo como fazia no passado. Era como se Samoa Joe fosse o Benjamin Button do wrestling - e seguisse o caminho inverso da maioria dos lutadores, piorando quando deveria melhorar e entrar no auge da sua carreira.

Mesmo antes de Joe ingressar na WWE, a sua nova run na Ring of Honor esteve longe de ser extraordinária - mas felizmente a coisa foi melhorando com o tempo e Joe começou a tornar-se lentamente no perfomer que era há 10 anos atrás e tendo já produzido bons combates e feud com Sami Zayn ou Finn Bálor e sinto que mesmo o seu trabalho enquanto talker têm melhorado desde que se tornou campeão - portanto estou bastante curioso para este combate com Shinsuke Nakamura.

*************************************************************************

Esta é a nossa analise sobre Samoa Joe - o único lutador que conseguiu ser ROH World Champion, TNA World Champion e NXT Champion. Agora, gostaríamos de saber a vossa opinião. É Samoa Joe um lutador Overrated ou Underrated?